Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Mattia Peracini, de Cesena, na melhor onda de Portugal / Desporto / Home

Mattia Peracini, de Cesena, na melhor onda de Portugal / Desporto / Home

Equilibrado e em cima da prancha, ele persegue a melhor onda entre rajadas de vento. Mattia PeracchiniNascido em Cesena em 1992, entre uma saída e outra de surf, deixou a sua cidade natal para perseguir o seu sonho na Ericeira, em Portugal, a menos de 50 quilómetros de Lisboa.

Há quanto tempo está em Portugal?

Mudei-me com a minha amiga Maria Chiara em 2021 e escolhemos este terreno principalmente pela qualidade das ondas. Além do clima ameno, este é um dos melhores locais para surfar na Europa.

Por que você escolheu mudar de vida?

O meu percurso escolar não foi dos melhores, entrei no Instituto Técnico de Agrimensores de Cesena e, depois de ser reprovado no final do quarto ano do ensino secundário, decidi desistir e começar imediatamente a trabalhar com o meu pai como ferreiro numa pequena família. negócios. Após dois anos, mudou-se para Amadori, no departamento de expedição, onde trabalhou de 2012 a 2019.

E então uma faísca disparou.

Decidi largar meu emprego para mudar minha vida completamente. Passei os dois anos seguintes numa casa de surf em Espanha. Imediatamente a seguir, eu e a minha namorada (de Turim, editora) decidimos abrir a nossa própria casa chamada “Pachamama Surfing” e mudar-nos para Portugal. Nos lançamos sem certeza do sucesso do projeto e agora continuamos aqui, prontos para iniciar nossa terceira temporada.

Como é o seu dia típico?

Lido principalmente com duas atividades: administro uma surf house com a minha namorada e sou professor de surf numa escola portuguesa. Nas nossas instalações aceitamos as reservas das pessoas, recebemos-as no check-in e auxiliamos-as durante a sua estadia até ao check-out. Juntamente com outro funcionário, também cuidamos da limpeza e do funcionamento do negócio. Como instrutor, levo meus convidados ao mar para aulas de surf de quatro horas todos os dias.

READ  Roma, já está definida a data do segundo amigável em Portugal: quando e contra quem

Existem muitos surfistas italianos na região onde você mora?

Trabalhamos acima de tudo com os nossos cidadãos. No início nossos clientes eram quase exclusivamente amigos. Depois, graças ao boca a boca e ao Instagram, tornámo-nos conhecidos por um número cada vez maior de pessoas na comunidade do surf italiano.

Existe saudade de casa?

Não penso muito no futuro. Não sei onde poderei estar daqui a cinco anos, por isso não descarto a possibilidade de regressar a Itália. Neste momento sinto-me muito confortável em Portugal e é onde quero estar, depois veremos. Meus pais moram na Itália e eu sou filho único: querem que eu fique com eles, mas apoiam minha decisão porque me veem feliz e realizado.

Como influenciou a vida portuguesa?

Gosto muito do estilo, moramos numa pequena cidade perto do mar e os cariocas nos acolheram muito bem, até porque o surf era muito conhecido naquela zona. Ainda não estamos completamente confortáveis ​​com o idioma, mas estamos trabalhando para aprendê-lo cada vez melhor. Neste momento comunicamos mais em inglês do que em português. Cá entre nós, em casa, praticamente só falamos italiano.

Qual será o seu próximo passo?

Atualmente estamos nos concentrando neste projeto. Porém, o sonho secreto é poder adquirir um prédio próprio na área onde estamos localizados. No momento estamos alugando e adoraríamos poder comprar nossa própria casa de surf.

Mattia Peracini e sua namorada Maria Chiara

Fique atualizado inscrevendo-se no canal WhatsApp do Corriere Cesenate. Clique neste link