Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Louisiana, tribunal proíbe aborto – mundo

A raiva não diminuiu e os protestos contra a decisão da Suprema Corte sobre o aborto continuaram nos Estados Unidos, enquanto os ativistas conquistavam sua primeira grande vitória na Louisiana: um tribunal distrital bloqueou, ainda que temporariamente, a proibição do aborto no estado após a abolição de Roe. Quinto. Vale do Supremo. O bloqueio permite que instalações médicas e clínicas do governo retomem os abortos até uma decisão final, com a próxima sessão marcada para 8 de julho. Na Europa, para o G7 e a OTAN, Joe Biden está acompanhando os desenvolvimentos e sentindo a pressão aumentar. A demanda do presidente por uma intervenção ampla e decisiva é seu partido que não quer esperar impotente até as eleições de meio de mandato em novembro, sabendo que um novo golpe para os democratas pode vir das urnas. Há muitas incógnitas sobre a votação. O aborto é agora um tema central na eleição, dando esperança aos democratas. Os liberais, desprivilegiados nas eleições de meio de mandato, esperam que a indignação desencadeada pela chocante decisão da Suprema Corte seja a seu favor nas urnas, uma vez que a maioria dos americanos – de acordo com pesquisas recentes – apoia Roe v. Wade, a frase histórica de 1973 desconstruída pelos sábios. Enquanto isso, o estado democrata da Califórnia está se movendo para garantir o direito de acesso ao aborto. Autoridades lideradas pelo governador Gavin Newsom estão trabalhando em uma disposição a ser apresentada aos eleitores em novembro para incluir o aborto na constituição estadual. E embora os republicanos tenham elogiado publicamente a decisão da Suprema Corte, eles estão agindo com cautela e fora de ordem. Enquanto o ex-vice-presidente e candidato a 2024 Mike Pence pretende proibir o aborto em todo o país, o ex-presidente Donald Trump e muitos outros conservadores temem o efeito rebote e os eletricistas fogem do partido. A esperança para os republicanos é que o foco no aborto diminua com o passar da semana, devolvendo a inflação e a economia ao centro do palco, tópicos que favorecem os conservadores. À medida que o debate político avança, a Suprema Corte está pegando um novo ombro na sociedade americana ao erodir ainda mais a separação entre Igreja e Estado. Depois de abrir caminho para financiamento público para escolas religiosas privadas, os Anciões falam pelo técnico de um time de futebol do ensino médio que foi suspenso por orar no campo após os jogos. Com 6 votos a favor e três contra os dos juízes liberais, a Suprema Corte decidiu que o Coach Prayer é protegido pela Primeira Emenda. “A Constituição e nossas melhores tradições recomendam respeito e tolerância mútuos, não censura e opressão, de visões religiosas e não religiosas”, diz Neil Gorsuch, um dos três anciãos indicados por Trump que estão na mira das críticas ao aborto. Na verdade, Gorsuch, Brett Kavanaugh e Amy Kumi Barrett são culpados pela decisão da Suprema Corte sobre o aborto. ‘Culpa’ pela qual os democratas estão exigindo responsabilidade por mentir sobre a interrupção da gravidez durante as audiências de confirmação no Senado. Os ataques também visaram o juiz conservador Clarence Thomas, cujo chefe liberal há muito afirma que foi por causa da pressão de sua esposa Jenny para declarar ilegal a votação de 2020 e manter Trump na Casa Branca.

READ  Tailândia corta a corda de segurança e deixa dois trabalhadores suspensos no 26º andar de um arranha-céu

Reprodução reservada © Copyright ANSA