Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Italrugby, três partidas para provar que você merece o Campeonato das Seis Nações

“Capuozzo, Capuozzo, Capuozzo!”: A corrida louca e aventureira do jovem ultra-azul – que três meses antes nos últimos minutos do jogo do Cardiff havia impulsionado o gol de Padovani e revertido: a vitória com País de Galesapós 7 anos e 36 perdas consecutivas em seis países – É o resultado do acaso ou um crescimento real do movimento oval italiano? Descobriremos nas próximas semanas, comItália – 14º no ranking mundial – Embarcou em uma surpreendente e de certa forma corajosa turnê européia. em Lisboa com Portugal (20º lugar no ranking) Sábado à tarde, 25 de junho. em Bucareste com Romênia (17) uma semana depois. Finalmente, em 10 de junho em Batumi – um domingo no Mar Negro – com Geórgia (12 graus). Em vez de enfrentar equipas mais fortes no papel, como há 10 anos, a seleção nacional compete com adversários “imbatíveis” por último mas não menos perigosos, pelo contrário: tem muito a perder, a ganhar. É por isso mesmo que o desafio parece ainda mais interessante.

Três jogos para vencer. Será muito difícil na Geórgia

Os “azzurri” devem vencer as três partidas, e não há alternativas: ou quem resmungar teria razão, argumentando que merecia ser rebaixado para seis países B. Isso não vai acontecer de qualquer maneira – não agora pelo menos – mas para o rugby seria um golpe mortal. Pelo contrário, sucessos triplos fecharão a boca de pessoas invejosas. E uma Itália renovada e talentosa, brilhante e aventureira mesmo com este único sucesso em 5 partidas, dará o impulso para relançar os sucessos do movimento (3 vezes com Sub-20 e 2 com mulheres, novamente nas Seis Nações) que foram nunca tantos quanto foram nesta primeira parte de 2022 .

READ  Conferência da Liga: Roma derrota o Leicester por 1-0 e vai à final - Desporto

O encontro mais difícil é certamente o encontro com Geórgia, agressivo e poderoso, que há muito sonha com esta oportunidade: em novembro passado, os georgianos empataram com Fiji (15-15) e perderam com a França, mas com uma diferença (-26) menor que a Itália em fevereiro em Paris (10 ) -37); Mas há quatro meses, Portugal colocou-os em pé de igualdade e ganhou um fio de cabelo na Roménia. O clima em Batumi será quente: é o primeiro teste em que a Itália terá que provar que realmente merece o paraíso oval que lhe foi reservado por vinte anos. Também em Bucareste será um desafio difícil, especialmente em termos financeiros. E em Lisboa, os Açores fariam bem em manter os lusitanos sob controle.

Rugby ‘Back to Win’, Documentário das Seis Nações: 7 Anos de Espera, Depois a Corrida de Capuozzo


Tudo em retiro, quinta-feira blues em Lisboa

A reunião da seleção nacional começou em Bergen Valsugana na sexta-feira. Com apenas uma ausência: Paolo GarbessiEle se envolveu com seu clube – Montpellier – nas fases finais do campeonato francês. Treinos em dobro no sábado entre a academia e o campo. No domingo haverá um dia de recuperação antes de três dias intensos onde o plantel estará ocupado entre os encontros e os treinos. Na tarde de quinta-feira, a Itália parte para Lisboa, onde na manhã de sexta-feira a corrida de capitão está marcada para as 11 horas no Estádio do Restelo, que receberá o primeiro jogo contra Portugal no sábado às 17 horas locais (18 Itália) .

Portugal e Itália, já é história: pela primeira vez só árbitras de equipas femininas

por Massimo Calandri


O blues foi chamado

constelações: Pietro Cicarelli (Breve), Simone Verratti (Benetton), Danilo Fichte (Zepri), Ion Nicolai (Zepri), Evan Nemer (Benetton), Sheriff Traore (Benetton). prostitutasIbalaham Fifa (Benetton), Gianmarco Lucchesi (Benetton), Giacomo Nicotera (Benetton). segundas linhas: Nicolo Cannon (Benetton), Marco Fuser (Newcastle Falcones), Federico Rosa (Benetton), David Cisse (Zepre), Andrea Zambonin (Zepri). As terceiras linhas: Renato Giamarioli (Zebri), Toa Halfehi (Benetton), Michele Lamaro (Benetton), Giovanni Bettinielli (Benetton), Manuel Zuliani (Benetton). Meio Scrum: Manfredi Albanese (Calvisano), Alessandro Fusco (Fiame Oro/Zepri), Alessandro Garbese (Benetton). Médias de abertura: Tommaso Allan (Arlequins), Giacomo da Re (Rovigo / Benetton), Paolo Garbessi (Montpellier). centros: Juan Ignacio Brix (Benetton), Leonardo Marin (Benetton), Tommaso Menoncello (Benetton), Marco Zanon (Pau). asas / extremistas: Pierre Bruno (Zepri), Angie Caposo (Grenoble), Eduardo Padovani (Benetton), Jacobo Trulla (Zebri).