Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Israel – O Hamas está em guerra, notícias de hoje ao vivo

Nove meses de guerra: manifestações em Israel

Os protestos eclodiram hoje em Israel, o nono mês desde que um ataque do Hamas a Israel desencadeou a guerra na Faixa de Gaza. Os manifestantes, que bloqueiam estradas principais e se concentram em frente às casas dos membros da coligação que apoia o governo de Benjamin Netanyahu, exigem eleições antecipadas e um acordo sobre o regresso de todos os reféns.

Com logotipo “Pare Israel”O grande movimento de protesto pró-democracia pretende reunir mais de um milhão de pessoas para exigir a dissolução do Knesset, o parlamento de Israel. O dia começou de madrugada com protestos em frente às casas de ministros e representantes da actual coligação governante, incluindo o ministro da Defesa Yoav Galant, bem como o presidente do Knesset, Amir Ohana, ambos do partido Likud de Netanyahu.

Gritos como “Acorde, a nação merece mais do que isto”, “Nove meses de fracasso abjecto” ou “Há sangue nas suas mãos”, são atribuídos a membros do governo. Responsável pela morte de mais de 1.600 israelenses em nove meses – Entre as vítimas do 7 de Outubro e os soldados que tombaram em Gaza – e sobre o destino dos 116 reféns que ainda se encontram detidos na Faixa Palestiniana.

O dia de protesto culminará esta noite com uma manifestação Em frente à casa de Netanyahu No bairro de Rehavia, em Jerusalém, e em frente à base militar de Kirya, em Tel Aviv, o quartel-general do exército e do Ministério da Defesa, onde estarão os familiares dos 251 reféns feitos pelo Hamas em 7 de outubro, incluindo 116 que permanecem detidos, demonstrar. Em cativeiro. Nos arredores de Tel Aviv, os manifestantes também fizeram fila em frente à residência de Arnon Bar-David, chefe da Histadrut – a federação dos sindicatos do sector público em Israel – para exigir que ele convocasse uma greve geral nacional. Os manifestantes também se reuniram em cruzamentos rodoviários para obstruir o trânsito e organizaram comboios de veículos que perturbariam o trânsito nas principais autoestradas do país, especialmente aquelas que ligam Tel Aviv às restantes cidades da costa mediterrânica.

READ  Os desembarques de migrantes estão a diminuir. O novo acordo alegra a Europa