Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Israel – O Hamas está em guerra, as notícias de hoje |  A guerra entre Israel e Gaza: Inglaterra e Alemanha pedem um cessar-fogo “permanente”.

Israel – O Hamas está em guerra, as notícias de hoje | A guerra entre Israel e Gaza: Inglaterra e Alemanha pedem um cessar-fogo “permanente”.

• É o 71º dia de guerra: mais de 19 mil palestinos foram mortos, incluindo 7.112 crianças, segundo o Hamas. Em Israel, 1.200 pessoas foram mortas no ataque de 7 de outubro.
• O exército israelita: “Três reféns foram mortos por engano durante os combates em Gaza.”
• Dois navios de carga foram alvo de rebeldes Houthi no Iémen, no Mar Vermelho.
• Palavras e abreviaturas para compreender o conflito: Aqui está o glossário.
• A história do conflito entre palestinos e israelenses, explicada aqui.

09h09 – O Ministro das Relações Exteriores da França em Israel: “A trégua deve ser imediata e permanente.”

A chefe diplomática francesa, Catherine Colonna, chegou hoje a Israel, onde irá solicitar uma trégua “imediata e permanente” na Faixa de Gaza. Colonna deverá encontrar-se com o seu homólogo israelita, Eli Cohen, em Tel Aviv. A França condenou no sábado o bombardeio israelense na Faixa de Gaza, que levou à morte de um de seus diplomatas, e pediu “esclarecer”. Além das conversações oficiais, Colonna deverá reunir-se com as famílias dos reféns franceses e solicitar uma “nova trégua humanitária imediata e permanente”, que conduza a um cessar-fogo, à libertação de todos os reféns e à capacidade de fornecer ajuda humanitária aos os residentes de Gaza, segundo um comunicado de imprensa do Quai d’Orsay.

8h44 – O número total de soldados israelitas mortos em Gaza sobe para 121

O exército israelense anunciou que outros dois soldados foram mortos durante as batalhas, um no norte de Gaza e outro no sul de Gaza. Eles são Joseph Avner Duran (26 anos) e Shalev Zaltzman (24 anos). Segundo estimativas oficiais, o número de mortos desde o início da operação terrestre na Faixa de Gaza é agora de 121 soldados mortos em combate.

08h36 – Wafa: “O número de mortos dos mártires de Tulkarm na Cisjordânia aumentou para 4.”

O número de palestinos mortos na operação israelense no campo de refugiados de Nour Shams, perto de Tulkarm, na Cisjordânia, aumentou para quatro. Agência Wafa informou, citando fontes médicas. Os dois mortos – segundo a mesma fonte – foram Walid Abdul Razzaq Asaad Zahra (22 anos) e Asaad Fathi Asaad Zahra (33 anos). Dois outros palestinos foram mortos anteriormente – segundo a mesma fonte – por “forças de ocupação dentro do campo” num ataque que também ocorreu “com drones”. O exército israelense ainda não comentou o assunto.

READ  Mais de 50 mortos num ataque israelita a Gaza no mercado de Jabalia - notícias

08h20 – Al Jazeera apresenta queixa ao Tribunal Penal Internacional depois de um dos seus fotógrafos ter sido morto em Gaza

Al Jazeera A Amnistia Internacional anunciou que pretende submeter uma petição ao Tribunal Penal Internacional relativamente ao assassinato do seu fotógrafo, Samer Abu Daqqa, em Gaza. A estação de televisão do Catar disse ter instruído o seu advogado a apresentar urgentemente o caso do “assassinato do nosso fotógrafo” ao tribunal com sede em Haia. De acordo com a reconstrução Al Jazeera O homem de 45 anos, pai de quatro filhos, foi atingido por um drone israelense na sexta-feira enquanto preparava uma reportagem em uma escola em Farhana. As forças de segurança israelitas rejeitam estas acusações: “Não visamos e não iremos atacar intencionalmente jornalistas”, sublinhando que estar em “zonas de combate activas” é uma actividade associada a riscos.

08.06 – Alemanha e Grã-Bretanha: “É necessário um cessar-fogo sustentável e o Hamas não pode permanecer.”

“Devemos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para preparar o caminho para um cessar-fogo sustentável que conduza a uma paz sustentável. Quanto mais cedo fizermos isto, melhor, mais urgente se torna a necessidade.” É por isso que os Ministros dos Negócios Estrangeiros do Reino Unido e da Alemanha, David Cameron e Annalena Baerbock, apelam a um “cessar-fogo sustentável” em Gaza. no Sunday Times, salientaram que “muitos civis estão a ser mortos”. devem defender-se.” “O Hamas atacou brutalmente Israel, e continua a fazê-lo.” Foguetes são disparados todos os dias para matar israelitas. “O Hamas deve depor as armas”, escreveram os dois ministros, sublinhando que “deixar o Hamas no poder em Gaza será um obstáculo permanente a uma solução de dois Estados, e um cessar-fogo insustentável resultaria rapidamente em nova violência.” “Só conduzirá a mais violência.” É difícil construir a confiança necessária para a paz. Num discurso ontem à noite, Benjamin Netanyahu declarou explicitamente que não apoia uma solução de dois Estados, qualificando os Acordos de Oslo de um “grande erro”.

READ  Imprudente, além do encontro - Libero Quotidiano

07h48 – Reféns do Hamas mortos por fogo amigo em Gaza: as histórias de Samer Al-Talalqa, Yotham Haim e Alon Shamarez

(Por Lorenzo Cremonesi, enviado a Tel Aviv“Foram mortos duas vezes”, dizem as famílias dos três jovens que morreram sob o “fogo amigo” disparado por soldados israelitas sob os escombros do norte de Gaza, quando pensavam que estavam a um passo do fim do Calvário. foi quando não sabíamos nada sobre eles no massacre: “cometido pelo Hamas em 7 de outubro e agora em zombaria da armadilha de Gaza”.

Em primeiro lugar, falamos de Samer Al-Talaqa (24 anos), porque também havia alguns beduínos do Negev entre as vítimas do Hamas. Samer pertence ao grupo de beduínos que prestam serviço militar, muitas vezes no corpo selecionado como batedor, e trabalhava no Kibutz Nir Am quando os jihadistas o prenderam e levaram com as mãos amarradas (…).


– Yotam Haim, Alum Shimrez, Samer Al-Talaqa

07h17 – Os ataques aéreos continuam em Gaza. Dois soldados israelenses foram mortos

Embora aumentem os apelos para que Israel negocie a libertação dos reféns, há uma nova onda de ataques na Faixa de Gaza. Segundo o Hamas, várias pessoas foram mortas em ataques aéreos em Deir al-Balah; A cidade de Bani Suhaila, a leste de Khan Yunis, a segunda cidade da Faixa de Gaza e reduto do movimento Hamas, também foi alvo de bombardeamentos aéreos e de artilharia, onde ocorrem confrontos há dias. Ao mesmo tempo, Tsahal anunciou a morte de mais dois dos seus soldados, totalizando 121 soldados israelitas mortos desde o início do ataque a Gaza no final de Outubro.

03h15 – Um cinegrafista de televisão foi morto em Gaza e a Al Jazeera está preparando uma reportagem

A Al Jazeera designou o seu departamento jurídico para apresentar uma queixa ao Tribunal Penal Internacional relativamente ao assassinato do seu cinegrafista, Samer Abu Daqqa, em Gaza. A rede de televisão do Catar afirmou isso – conforme relatado pela CNN – em um memorando: “No sábado, 16 de dezembro de 2023, a rede estabeleceu um grupo de trabalho conjunto, composto por sua equipe jurídica internacional e especialistas jurídicos internacionais, que lançará um processo que iremos leia-se: compilação de arquivo completo para apresentação.Sobre o Ministério Público. Abu Daqqa morreu na sexta-feira passada em consequência dos ferimentos num ataque israelita. A Al Jazeera descreveu sua morte como um “assassinato”. “Ataques repetidos contra operadores de rede que operam e operam nos territórios palestinos ocupados e casos de incitamento contra eles” também serão incluídos no arquivo do TPI.

READ  Xenofobia, anti-semitismo e vencedores. O boom da AfD assusta a Alemanha - Corriere.it

02h02 – Gaza, Londres e Berlim pedem um cessar-fogo “permanente”.

Londres e Berlim apelam a um “cessar-fogo permanente” na Faixa de Gaza. O pedido vem do ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, David Cameron, e da sua homóloga alemã, Annalena Baerbock, que acreditam haver uma “necessidade urgente” de um “cessar-fogo permanente”. “Devemos fazer todo o possível – lemos num comunicado conjunto publicado pelo jornal “The Sunday Times” – para abrir caminho a um cessar-fogo permanente, que conduza a uma paz duradoura. Quanto mais, melhor, mais urgente é a necessidade. Muitos civis foram mortos. O nosso objectivo não pode ser simplesmente acabar com os combates hoje. Deve ser uma paz que dure dias, anos e gerações. “Portanto, apoiamos um cessar-fogo, mas apenas se for permanente.” Mas acrescentam: “Não acreditamos que pedir um cessar-fogo geral e imediato agora, na esperança de que se torne permanente, de uma forma ou de outra, seja o certo. Isto equivaleria a “ignorar a razão pela qual Israel é forçado a defender-se: o Hamas atacou Israel de uma forma bárbara e continua a disparar foguetes todos os dias para matar cidadãos israelitas. O Hamas deve depor as armas.