Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Israel e Netanyahu irritam todos na entrevista: não desistirei de eliminar o Hamas

Israel e Netanyahu irritam todos na entrevista: não desistirei de eliminar o Hamas

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, disse estar disposto a suspender os combates em Gaza em troca de um “acordo parcial” em troca da libertação de vários reféns mantidos em Gaza, mas insistiu que a guerra não terminaria até que o grupo terrorista fosse eliminado. Ele disse na sua primeira entrevista a um jornal israelita desde 7 de Outubro, publicada ontem à noite: “Somos obrigados a continuar a lutar mesmo depois da trégua, para alcançar o nosso objectivo de destruir o Hamas, e não estou disposto a desistir de este assunto.” Via Canal 14, considerado próximo de suas posições políticas.

Seu navegador não suporta tags iframe

O Primeiro-Ministro anunciou também que o período de combates violentos na Faixa de Gaza, especialmente em Rafah, se aproxima do fim, mas Israel prepara-se para uma possível escalada. Quando questionado se estava disposto a chegar a um acordo com o Hamas uma vez terminada a fase intensa do conflito, como parte do compromisso de acabar com a guerra, Netanyahu disse claramente: “Não. Não estou disposto a acabar com a guerra e deixar o Hamas no poder. “Estou preparado para fazer um acordo parcial, não um acordo secreto, que nos traga algumas pessoas de volta”, sublinhou Netanyahu. , ansioso por estabelecer uma “administração civil, se possível com os palestinos locais e apoio regional para a administração dos suprimentos humanitários e depois dos assuntos civis na Faixa. O primeiro-ministro israelita, que se opõe ao regresso da Autoridade Nacional Palestiniana ao enclave costeiro, não entrou em detalhes sobre o futuro de Gaza, mas disse que está a ser tentado “outro plano” apresentado pelas forças armadas. No entanto, a opção do regresso dos colonos israelitas à Faixa de Gaza foi excluída, tal como solicitado pelos seus aliados no governo de extrema-direita: “É irrealista e não atinge os objectivos da guerra”.

READ  Não deite fora, descubra o que pode fazer com ela e como reciclá-la

Leia também: Oriente Médio, Sinwar exposto: Ele quer a guerra entre Israel e o Líbano, não o acordo

Considerando a frente norte na fronteira com o Líbano, o Primeiro-Ministro explicou que pretende “realocar algumas forças para o norte… principalmente para fins defensivos.” Sobre um potencial conflito em grande escala com o Hezbollah, disse esperar uma solução diplomática, mas prepara-se para a possibilidade de que isso não aconteça: “Podemos lutar em múltiplas frentes e estamos prontos para isso”. O objetivo é remover efetivamente o grupo xiita pró-iraniano da fronteira, a fim de “devolver os residentes do norte às suas casas”. Apelando à “unidade” interna contra as violentas manifestações antigovernamentais que começaram novamente a abalar o país e a pressão da oposição, Netanyahu evitou mais uma vez assumir qualquer responsabilidade pelo que aconteceu em 7 de Outubro, apelando-lhes para que se concentrassem na guerra e adiassem qualquer avaliação assim que estiver concluída. “Este não é o momento para discutir o assunto. Haverá tempo para fazê-lo quando este conflito violento terminar.” Após a entrevista, os jornais israelitas publicaram comentários negativos de fontes participantes nas negociações, tanto do lado palestiniano como israelita: As declarações do Primeiro-Ministro dificultam a obtenção de um acordo, afirmam. O Fórum de Famílias de Reféns também apontou o dedo para suas declarações. “Abandona 120 reféns e prejudica o dever moral do Estado de Israel para com os seus cidadãos”, afirmou o grupo num comunicado. Mas o gabinete de Netanyahu reiterou que “o Hamas é quem se opõe ao acordo, não Israel”.