Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

“Humanidade ancorada para verificar emergências. Ajude apenas quem tem direito”

“Humanidade ancorada para verificar emergências. Ajude apenas quem tem direito”

  • Atualizações especiais

  • Piantedosi: “Navios não governamentais em águas italianas só podem ser para ajuda humanitária”

Piantedosi: “Navios não governamentais em águas italianas só podem ser para ajuda humanitária”

“De acordo com o artigo 1.º, n.º 2, do Decreto Legislativo 130 de 2020, ordenamos que o navio Humanity1 funde à chegada. Só pode permanecer nas nossas águas territoriais o tempo necessário para nos permitir verificar se existem emergências a bordo. Ministro do Interior Matteo Piantedosi O Conselho de Ministros, falando sobre o navio Humanity1, disse uma conferência de imprensa no final. “Este é o primeiro passo em que formalizamos a posição sobre a primeira ONG que entrou nas águas territoriais italianas para Catania – observou o ministro – e não atendeu aos pedidos para nos fornecer a identificação das pessoas. A bordo, onde foram socorridos e quais eram as condições objetivas».

O navio Humanity 1 também entrou em águas italianas

O navio Humanity 1 também entrou em águas italianas e se dirige para Catania.

Nav Rise acima entra em águas territoriais italianas

Aquele navio Ele sorriu no topo Entrou em águas italianas e está abrigando-se em direção à costa. Condições difíceis a bordo. O barco é pequeno e resgatou 95 pessoas. Metade são mulheres e menores. Isso inclui 8 crianças. O clima está piorando.

Ocean Vikings quase não tem comida

Devido a uma previsão de mau tempo esta noite, o Ocean Viking está se movendo. É o que dizem da ONG Sos Méditerranée. “Está em mares internacionais, mas com o mau tempo vindo do noroeste, ele se moverá para leste em vez de ficar ao sul da Sicília. Tentaremos nos proteger o máximo possível do mar previsto 6 ». Além disso, a situação do navio é “se deteriorando rapidamente. Os suprimentos de comida e água começam a se esgotar. “As 234 pessoas a bordo estão estressadas, exaustas e têm condições de saúde que requerem tratamento urgente”, acrescentaram.

Molteni (Subsecretário do Interior): “Foco na ordem de marcha”

“Temos que focar em uma ordem de fluxo, obviamente calibrada com base nas necessidades do mercado italiano e do país”. O subsecretário do Interior, Nicola Molteni, disse ao Sky Tg24. Molteni disse que “os fluxos devem ser gerenciados e não afetados” e a Itália não aceitará ordens de outros, uma responsabilidade universal dos migrantes..

ONG: “Envolver os países da UE para aliviar a Itália”

“Há anos defendemos que os países da Europa Central deveriam assumir a responsabilidade de aliviar a pressão das chegadas de migrantes à Itália e Malta: o importante para nós é que o Ocean Viking desembarque no porto seguro mais próximo, o que esperamos que aconteça. Em breve”. É o que diz a ONG Sos Méditerranée, afirmando: “Não é nossa competência redistribuir os migrantes, por isso não temos nada a comentar”.

Noruega rejeitou o pedido italiano para aceitar os imigrantes

A Noruega insiste que “as pessoas que viajam em navios particulares não têm responsabilidade sob os direitos humanos ou a lei do mar” ou “ONGs que arvoram a bandeira norueguesa no Mediterrâneo”. Johan Wiebe, embaixador da Noruega em Roma, fez as observações em um e-mail à Reuters em resposta ao apelo da Itália a Oslo e à Alemanha para assumir a responsabilidade pelos migrantes retidos no Mediterrâneo.

França: Ocean Viking pronto para receber 234 migrantes

A França está “pronta como qualquer país” para receber os 234 migrantes resgatados no Mediterrâneo pelo navio Ocean Viking. Jean-Christophe Combe, ministro da solidariedade da França, disse ao France Info, sublinhando que se trata de uma “questão de humanidade”. “Deve haver um porto na Europa ou na França que possa recebê-los, curá-los – continuou Combe – não os deixaremos morrer no meio do Mediterrâneo, não os deixaremos sair”.

Siracusano: “A Itália não pode se tornar um campo de refugiados na Europa”

“A Itália sempre foi solidária com os migrantes. Mas é claro que nosso país não pode se tornar o campo de refugiados da Europa. A União Europeia deve assumir as suas responsabilidades. Falando na Rádio 1 “Rádio Angio”, a subsecretária de Relações com o Parlamento Matilde Sirasuzano deu a conhecer. “Sabemos bem que os acordos de Malta estão no papel: a transferência de migrantes, por outro lado, deve acontecer de fato, não abstratamente. A posição geográfica da Itália torna esta situação urgente. É hipócrita não reconhecer que a Itália, abandonada pela Europa há anos, é o principal problema. Nisto a UE deve cumprir o seu dever até ao fim” sublinhou Siracusano.

A França está pronta para receber “parte dos migrantes”.

“Dissemos à Itália, junto com a Alemanha, que se recebermos aquele navio humanitário (Ocean Viking) na Itália, também acolheremos parte dos migrantes, mulheres e crianças, para que a Itália não tenha que arcar com o fardo sozinha. O fardo deste afluxo de migrantes ”: o ministro do Interior francês Gérald Dormanin, em entrevista à RMC-BFMTV esta manhã.

Locatelli: “Não vamos recuar na recuperação”

“Nunca recuamos na recuperação. Claro que sim, se as pessoas estão doentes e precisam de ajuda, nunca recuamos. Portanto, tenho certeza de que o ministro competente e o governo responderão. Durante uma transmissão do Agora no Roy 3, a ministra da Pessoa com Deficiência Alessandra Locatelli respondeu a uma pergunta sobre se era necessário resgatar os migrantes em barcos à espera de porto seguro devido à previsão de mau tempo para os próximos dias. Sobre os migrantes “o governo italiano – sublinhou o ministro – quer partilhar com o resto da Europa este importante compromisso de respeitar e proteger vidas” e evitar outras tragédias como as que vimos nestes anos.

Migrantes, mais de 1.300 em Lampedusa

110 migrantes vão deixar Lampedusa hoje. A transmissão do hotspot de Lampedusa chegou ao anfitrião após o último pouso. O evento de 400 lugares e 1.372 convidados foi organizado pela província de Agrigento, que trabalha incansavelmente para reduzir a pressão no centro em um acordo com o Ministério do Interior. 110 migrantes vão embarcar num barco que chega a Porto Empédocles à noite. O último desembarque na ilha ocorreu à noite: 28 pessoas, incluindo 7 mulheres e 2 menores, saindo de Sfax, na Tunísia, foram interceptadas por homens da Autoridade Portuária a 16 milhas da costa da ilha. Eles são da Costa do Marfim, Guiné e Camarões.

são 110 Imigrantes Eles vão embora hoje Lampedusa. Transferir deCompartilhamento Após o último pouso, Lampedusa veio para receber. 1.372 convidados com 400 lugares, organizado pela Província de Agrigento. lá Ministra da Pessoa com Deficiência Alessandra Locatelli: “Não vamos recuar na recuperação.” lá França Entretanto, sublinha: “Temos a certeza de que a Itália acolherá o Ocean Viking”.

Migrantes, acidente de veleiro na Grécia: busca por dezenas de desaparecidos

READ  Metrô, bondes e ônibus correm o risco de serem parados