Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Frederic Willem de Klerk, o último presidente branco da África do Sul, morreu

Frederic Willem de Klerk, o último presidente branco da África do Sul, morreu aos 85 anos. Durante seus anos presidenciais de 1989 a 1994, de Klerk adotou políticas cada vez mais abertas em relação à maioria negra e levou a África do Sul a um governo não branco. Em 1990, após 27 anos de prisão, foi anunciado que Nelson Mandela foi libertado. Junto com Mandela, ele recebeu o Prêmio Nobel da Paz de 1993 por seus esforços para acabar com o apartheid e buscar uma transição democrática.

De Klerk nasceu em Joanesburgo, a capital, em 1936. Ele veio de uma família de políticos brancos, intimamente associados ao Partido Nacionalista da África do Sul, que adotou e apoiou a maioria das políticas de apartheid que criaram o apartheid. De Klerk também cresceu nesse ambiente.

Ele estudou direito em uma universidade cristã na África do Sul, e sua carreira política começou oficialmente em 1972, quando foi eleito membro do Parlamento pelo Partido Nacional, e se tornou ministro em 1978 e líder do partido em 1989, ano em que ele também se tornou presidente. .

De Klerk estava convencido da necessidade de dialogar com a maioria negra, em vez de continuar a mantê-los separados. Entre os seus discursos mais famosos encontra-se o que proferiu no Parlamento sul-africano a 2 de Fevereiro de 1990, no qual anunciou uma mudança radical nas relações entre brancos e negros, que deveria ter dado forma a uma “nova África do Sul”. Uma das decisões mais importantes que tomou durante sua presidência, conforme mencionado, foi a libertação de Mandela, com quem as relações se tornaram mais complexas nos anos seguintes.

Em 1994, depois que Mandela foi eleito presidente, ele serviu como vice-presidente até 1996, depois se mudou para a oposição.

READ  Acordo de Israel e Bennett Lapid: Nasceu o CEO do Anti-Netanyahu. Bibi deixa o governo após 12 anos: "É a farsa do século"