Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Filosofia da ciência: palavras-chave

O componente “pseudociência”: disciplinas ou teorias que se apresentam como científicas, mas não o são, como a astrologia, o criacionismo e – não deve ser dado como certo – a homeopatia. Este último, formulado por Samuel Hahnemann em seus princípios na primeira metade do século XIX, promete curar certas doenças com doses muito diluídas de partículas tratadas de acordo com certos procedimentos. Ele se envolve com os termos e métodos da medicina (e administrado por médicos e farmacêuticos), mas não, não é uma ciência. Então, o que é ciência? Na definição dos epistemólogos, em andamento, é “um projeto sistemático que visa conhecer o mundo ao nosso redor, explicando e prevendo seus fenômenos”. Em outras palavras, e com significados semelhantes, é também uma “tentativa de aplicar certos métodos ao estudo do mundo”… O elemento de “descoberta e justificação”: é a contradição entre a concepção de uma nova hipótese e sua confirmação, através de previsões, verificações e avaliações. Em 1928, Fleming descobriu a penicilina, examinando o efeito do mofo na cultura de bactérias (não é um spoiler: o mofo eliminou as bactérias malignas). Foi uma descoberta acidental, mas não apenas atribuível à sorte: a experiência e a intuição do cientista desempenharam um papel decisivo na observação do fenômeno, procedendo a experimentos para verificar sua validade e, assim, justificá-lo … O elemento “feminista”: filosofias feministas introduziram novos temas no debate científico, os preconceitos masculinos, baseados na lógica e nas funções masculinas, emergem e desconstroem o conceito de conhecimento científico como “universal e objetivo”. E sim, a discussão e as práticas cognitivas se tornaram muito complexas, mas muitas das vantagens são (ou estão prestes a se desfazer) e a realidade está se tornando mais real…

Outras “vozes” sondam probabilidades, experiências, extrapolações, valores, no que parece ser um trecho de um dicionário enciclopédico. Na verdade, é um artigo que, para o modelo de vocabulário, só tem a possibilidade de consulta livre. O som após o som depende da sensibilidade e curiosidade do indivíduo. Ao final da leitura, dê sentido: uma introdução à compreensão dos tópicos mais recentes no debate filosófico sobre a ciência. A união, a inversão, entre as duas disciplinas é o caminho que foi adiado por muitas décadas, até que esses tempos são tão complexos e circulares, até o presente que precisa de clareza, baseado, de fato, no método científico. Os autores, Maria Cristina Amoretti e Davide Serpico, são filósofos engajados na prática (e ensino) desta disciplina. Alguém poderia dizer, mais do que ninguém, neste país com uma academia velha, que eles são “jovens filósofos”. Quem mais, senão com menos de 50 anos, pode ajudar a trazer a abordagem humanística e social para o mundo real? Há uma maneira de superar as tentativas de fazer um exercício filosófico popular tik tok ou mais alto Instagram e austeridade antidemocrática para cátedras de universidades italianas. É imersão no presente, conhecer e dar a conhecer os métodos mais inovadores, e pesquisar não só volumes de arquivo para uma parte inédita de outras épocas. A visão filosófica avançada por Amoretti e Serpico baseia-se no que está acontecendo nos laboratórios científicos e em uma sociedade que se transforma com a função digital humana; É abrangente e abrangente, mas não acha difícil excluir o conhecimento – pseudosaperi – prejudicial; A ciência é considerada “algo deste mundo”, imbuída de valores morais, políticos, de gênero e econômicos.

READ  "A ciência não é a Bíblia, não há certeza"