Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Explosões em uma base na Crimeia. Kyiv é apenas o começo – o mundo

A guerra na Ucrânia atingiu a Crimeia e o coração da defesa russa na península. Uma importante base aérea, uma ponte para as atividades da frota de Vladimir Putin no Mar Negro, foi danificada por várias explosões, algumas delas muito poderosas, sentidas a dezenas de quilômetros de distância. Também causou a morte de uma pessoa e feriu sete, incluindo duas crianças. Para Moscou foi um simples incidente em um depósito de munição. Kyiv negou oficialmente saber a causa das duas explosões, mas fontes militares ucranianas disseram que foi o ataque deles. “É apenas o começo”, twittou Mikhailo Podolyak, braço direito de Volodymyr Zelensky. Assim, um dia calmo nas praias da Crimeia lotadas de turistas russos foi subitamente interrompido por uma série de explosões, segundo testemunhas oculares, que alertaram pelo menos 12 pessoas no distrito de Saki, perto de um aeroporto militar russo. Nuvens crescentes de fumaça preta foram imortalizadas por vídeos postados nas redes sociais por nadadores em fuga. Após a publicação das primeiras notícias fragmentadas por autoridades locais pró-Rússia, o Ministério da Defesa de Moscou anunciou que as explosões ocorreram em um depósito de munição na área da base militar localizada perto da vila de Novedorovka, que também é usada para aeronaves navais. E que não foi um ataque deliberado, mas sim um acidente resultante da explosão de algumas munições, foi referido no memorando, sem explicar o motivo das explosões.

Moscou, uma munição explodiu em uma base na Crimeia: ferimentos leves, mas sem vítimas

Em Kyiv, a versão oficial, que foi confiada ao Ministério da Defesa, é que “desconhecem-se as causas do incêndio no território do aeroporto de Saki”. Mas um oficial militar de alto escalão disse ao New York Times que o ataque foi “uma base aérea da qual os aviões saem regularmente para atacar nossas forças no teatro sul”. Pouco depois veio o tweet do conselheiro presidencial Podolyak, que parecia ser uma afirmação da verdade. Zelensky escreveu que “o futuro da Crimeia será a pérola do Mar Negro, um parque nacional de natureza única e uma estância turística mundial. E não uma base militar para terroristas”. A mensagem termina com um aviso ao inimigo: “Isto é apenas o começo”. Se fosse realmente um ataque ucraniano, seria uma escalada significativa no conflito e o primeiro ataque em grande escala a uma área considerada sagrada para Putin, que se tornou parte integrante da Rússia após a anexação de 2014. Um drone explodiu na sede da Frota Russa do Mar Negro no porto de Sebastopol, ferindo seis pessoas, mas causando danos menores, caso em que os ucranianos negaram responsabilidade. O impacto do ataque à base aérea de Saki, localizada cerca de 200 quilômetros atrás das linhas de frente no sul da Ucrânia, é completamente diferente. Isso sugere que os ucranianos podem ter usado armas poderosas e precisas. O enfraquecimento das defesas inimigas na Crimeia seria eficaz em Kyiv para reforçar o contra-ataque a Kherson, enquanto os russos permanecem concentrados no Donbass, onde continuam a obter ganhos, embora lentamente: apenas 10 quilômetros por mês, segundo a inteligência britânica. Nesse contexto, para melhor monitorar seus alvos militares e os movimentos das forças ucranianas, Moscou pode recorrer ao satélite iraniano Khiam, que acaba de ser colocado em órbita do Cazaquistão. Teerã afirmou que o satélite sempre estará sob seu controle para fins civis, mas de acordo com vários dispositivos 007 ocidentais citados pelo Washington Post, a Rússia “planeja usar o satélite por vários meses ou mais” para ajudar seu esforço de guerra antes de permitir que o Irã para assumir.

Reprodução reservada © Copyright ANSA