Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Entre cobras e tamari, a tendência flexível venceu

Entre cobras e tamari, a tendência flexível venceu

Os segundos, os vampiros, as falsas sacerdotisas, os demônios, as panteras com escamas ou rendas, as bruxas vingadoras, os vikings obesos em aventais e meias brancas, os homens barbudos musculosos de salto alto e jargões, os gritadores em coletes de damasco, os animais em smokings cortados ao meio e depois aquecedores, círculos de chamas, explosões, tsunamis, relâmpagos, trovões, tornados, colunas de fogo, balançando, piscando e um pouco de folclore étnico espalhado aqui e ali, a final do Festival Eurovisão da Canção. foi uma maratona de dois dos cinco sentidos, nomeadamente audição e visão. A coisa toda era tão exagerada que o espectador acabaria precisando de férias de três dias em um spa relaxante.

Talvez seja também por isso que Nemo acaba vencendo, um anão suíço de saia rosa e jaqueta de penas que se identifica como não-binário e canta um hino decifrador de códigos, tema caro a este concurso, conforme demonstrado por Conchita Forrest com uma longa barba, falsa cílios e vestido sereia Bahar, ela conquistou a edição de 2014 como drag queen.
Se lermos esta competição como um espelho numa versão lírica da Europa de hoje, podemos dizer: 1) na imaginação prevalecem o guerreiro e o vingador, um macho algures entre o parafuso e o tamaru; 2) Acreditamos que gritar é mais eficaz que cantar; 3) Para ser notado é preciso bombardeio visual e auditivo; 4) Não existe uma música europeia, mas sim uma mistura de faixas onde a etnia resiste rumo ao sul enquanto no norte se inclina mais para o metaleiro.
Tudo isto explica porque é que uma canção cativante mas memorável como a italiana tedioso Trazida por Angelina Mango, ela nunca poderia vencer. Era muito normal naquele círculo extra.

READ  Reutilização e Eficiência dos Recursos Hídricos, Conferência Internacional em Siracusa

Tal como aconteceu com o Festival de Sanremo, que inspirou o Festival Eurovisão da Canção quando este nasceu, em 1956, e cuja primeira edição se realizou em Lugano, não se deve esperar inovação, mas sim um reflexo do presente, incluindo a hipocrisia que transformou alguns europeus em direção a. Sem concessões. O torneio de Malmö foi um dos torneios mais polêmicos tanto dentro da arena, com fortes vaias ao cantor israelense, quanto fora com as manifestações pró-Gaza.
Penso que boicotar artistas como retaliação política é uma má opção, por isso, se os cantores israelitas são permitidos, apesar do que o governo israelita está a fazer em Gaza, porquê excluir os cantores russos e bielorrussos por causa do que Putin está a fazer na Ucrânia? Ou todos os cantores são moralmente cúmplices ou nenhum deles o é. Ou pede-se a todos que se distanciem das más escolhas do seu governo ou ninguém é solicitado a fazê-lo. O público decidirá então, com base na música e na história do artista, se vai ouvi-lo, votar nele, aplaudi-lo, vaiá-lo ou ignorá-lo. É sempre melhor ter uma voz do que não ter voz nenhuma se quisermos verdadeiramente estar “unidos pela música”, como diz o lema desta edição.
Na Praça de Malmö, bandeiras croatas tremulavam ao lado de bandeiras espanholas, bandeiras gregas com bandeiras suíças, bandeiras suecas com bandeiras cipriotas e bandeiras irlandesas com bandeiras lituanas porque quando reunimos pessoas para cantar e dançar, a música vence. Transcende fronteiras e, por vezes, até nacionalidades, e todos sabemos da necessidade disso.
Depois, claro, ficou tudo inchado, mas, como eu ia dizendo, isso era reflexo dos tempos e dos gostos. Fugir da moda é um processo complicado. Só a vanguarda consegue, e a vanguarda, como sabemos, nunca despertou as massas, caso contrário não o teriam feito.

READ  Onde ir na Páscoa para o mar: os melhores lugares

[email protected]