Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Doença do coronavírus. Circular Tar Lazio Rejeição do Ministério da Saúde ao atendimento domiciliar: “Contra a atividade dos médicos”. Há um ano, o Conselho de Estado aboliu mais tarde uma ordem semelhante

A Comissão de Cuidados Domiciliários Covid-19 aceitou o recurso. “O conteúdo do memorando ministerial que impõe opções de tratamento precisas e vinculantes aos médicos está em contradição com a atividade profissional que lhe é delegada nos termos indicados pela ciência e pela ética profissional.” Uma decisão que parece se referir a uma ordem anterior do Lazio TAR que suspendeu a nota da Aifa sobre o atendimento domiciliar Covd em 2021. Essa portaria, no entanto, foi posteriormente rescindida pelo Conselho de Estado. Frase

17 anos – O conteúdo do memorando emitido pelo Ministério da Saúde, sobre a gestão domiciliária de doentes infetados com o vírus SARS-CoV-2, estipula a “espera vigilante” e a administração de AINEs e paracetamol “em contraste com a atividade profissional e delegada a um médico nos termos definidos pela ciência e ética profissional”.

Assim, o TAR do Lazio em sentença acolhe o recurso apresentado pela Comissão de Cuidados Domiciliários Covid-19 assinado pelo Presidente Eric Grimaldi E o advogado Valentina Periano, cancela parte da circular ministerial atualizada de 26 de abril de 2021 para tratamento domiciliar de pacientes com Covid.

Essas diretrizes, para o Ministério da Saúde, constituem “meras exceções”, ou seja, uma razão para excluir a responsabilidade criminal em caso de eventos desfavoráveis. Quanto ao TAR, por outro lado, “é dever primordial de todo profissional de saúde agir de acordo com o saber e a consciência, e responsabilizar-se pelo resultado do tratamento prescrito, fruto do profissionalismo e da qualificação especializada A prescrição e, portanto, a AIFA, emprestada do Ministério della Salute, contrasta com o profissionalismo exigido de um médico e com sua ética profissional e, com efeito, proíbe o uso de tratamentos que este considere adequados e eficazes em comparação com o Covid -19 doença como acontece com qualquer atividade terapêutica.”

READ  É um confronto por dever dos professores - Corriere.it

A decisão que incide sobre a liberdade de prescrição médica refere-se ao que realmente aconteceu em março de 2021 por ordem, novamente do Lazio TAR, com os mesmos Eric Grimaldi e Valentina Piraino como advogados de defesa, para o qual a nota da Aifa com apontamentos foi suspensa. Para atendimento domiciliar para pacientes covid. A matéria foi posteriormente rejeitada pelo Conselho de Estado, tendo sido aprovado o recurso da Efa e do Ministério da Saúde.

De acordo com o parecer do Conselho de Estado da época, “o memorando da Aifa não prejudica a independência dos médicos em prescrever o tratamento que ele considera mais adequado em ciência e consciência, pois está suspenso até que o julgamento seja determinado com base no mérito.” e, pelo contrário, a falta de princípios orientadores, baseados em provas científicas documentadas em tribunal, como a prestação de assistência (ainda que não vinculativa) a este espaço de independência obrigatória, porém garantida.”

Deve ser enfatizado que esta visão é agora explicitamente referida na nova sentença da TAR Lazio. Mas, na opinião dos juízes administrativos, o conteúdo da circular ministerial de hoje “que impõe aos médicos opções de tratamento precisas e vinculativas, está em contradição com a atividade profissional que lhe é delegada nos termos indicados pela ciência e pela ética profissional”.

No entanto, como anteriormente reconhecido pelo Conselho de Estado do Memorando da AIFA, mesmo na Circular do Ministério da Saúde sobre Atenção Domiciliar que inclui esses conteúdos, há uma referência expressa a ‘recomendações’ e ‘indicações’ e nunca são explicitamente definidas como vinculativas . Deve-se acrescentar também que a liberdade de prescrever um médico nunca é absoluta, mas há limites precisos estabelecidos não por juízes, mas pelas próprias profissões dentro do direito deongológico. Ali, de fato, o artigo 12º afirma que “o clínico não deve aprovar ou publicar práticas diagnósticas ou terapêuticas para as quais não haja documentação científica e clínica adequada que possa ser avaliada pela comunidade profissional e pela autoridade competente”. E por fim: “As prescrições devem ser baseadas em evidências científicas disponíveis, uso otimizado de recursos e cumprimento de princípios de eficácia clínica, segurança e adequação”.

READ  A geometria da visão nas obras de Escher e na música de Bach

Diante desses precedentes, uma nova decisão negativa do Conselho de Estado não pode ser descartada, desde que o Ministério da Saúde decida recorrer da nova decisão da lei “Lácio”, como fez no ano passado.

GR

17 de janeiro de 2022
© Todos os direitos reservados


Outros artigos em Governo e Parlamento

Imagem 1

imagem_2

imagem_3

imagem_4

imagem_5

imagem_6

Quotidianossanità.it

Jornal on-line
informação de saúde.

QS Edizioni srl

B 12298010001

via Boncompagni, 16
00187 – Roma

via Vittore Carpaccio, 18
00147 Roma (RM)

gerente do site

A tradução de César

editor chefe
Francisco Maria Avito

Presidente e CEO
Vicente Coluccia

Diretor geral
Ernesto Rodrigues

Copyright 2013 © QS Edizioni srl. Todos os direitos reservados
– PI 12298601001
– Registro no ROC n. 23387
Registro no Tribunal de Roma n. 115/3013 em 22/05/2013

Todos os direitos reservados.
Política de Privacidade