Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

“Desculpe, vou pagar o que é certo.”  O telefone de Giulia é encontrado no carro de Filippo

“Desculpe, vou pagar o que é certo.” O telefone de Giulia é encontrado no carro de Filippo

  • Atualizações em destaque

  • O telefone de Giulia no carro de Turetta

O telefone de Giulia no carro de Turetta

O telemóvel de Giulia Cecchettin, até agora dado como desaparecido, foi encontrado no Fiat Punto de Filippo Turetta e permanece nas mãos da polícia alemã após a detenção da adolescente na Alemanha. O anúncio foi feito no episódio de hoje do programa ‘Pomeriggio Cinquè’ do Canale 5, apresentado por Myrta Merlino. “Foi descoberto porque antes de vir para cá fiz um telefonema e me disseram que o celular da Giulia estava no carro, então ela voltaria para a Itália”, disse a jornalista Grazia Longo em contato com o estúdio. Um descuido que ainda não foi confirmado nos círculos de inteligência.

Duretta, nenhuma avaliação psiquiátrica neste momento

Nenhum pedido de avaliação psiquiátrica foi feito neste momento pela defesa de Filippo Turetta, que não respondeu às perguntas do juiz de primeira instância de Veneza na audiência de mandado de hoje, mas confessou o assassinato de Giulia Sechet com uma declaração voluntária. Ele explicou que estava “de coração partido” pelo que havia feito e queria “pagar”.

Tourette e o livro na prisão

Filippo Turetta na prisão pediu livros para passar o tempo na cela e ficou satisfeito. Da biblioteca da prisão de Montorio em Verona, onde foi preso pelo assassinato de sua ex-namorada Giulia Sechetin, Adnchronos soube, ele recebeu o romance “A Filha do Capitão”, de Alexander Pushkin, que fala de um amor diferente. Dois jovens e as inúmeras provações que devem superar e o mistério de Agatha Christie.

Duretta: me desculpe

Filippo Turetta disse aos agentes penitenciários que o acompanharam desde a sala de interrogatório até à sua cela na prisão de Verona que “estava arrependido”. O promotor de Veneza, Andrea Petroni, que investiga o assassinato da estudante universitária Giulia Cechet, poderá ser ouvido nos próximos dias, após a audiência desta manhã perante um juiz de primeira instância.

Duretta: Estou com o coração partido, estou pagando o que é certo”

“Estou com o coração partido e arrependido pela tragédia que causei. Não quero fugir das minhas responsabilidades, quero pagar o que é certo por matar minha ex-namorada. evocou em mim naquela noite. Foi minha intenção me render e me prender desde o início. Essa foi a minha intenção. Agora estou tão cansado que não tenho vontade de acrescentar mais nada.” Foi o que disse Filippo Turetta nas suas declarações voluntárias ao juiz de primeira instância.

O jovem de 22 anos fez várias confissões à polícia alemã

O procurador Caruso disse que o jovem de 21 anos exerceu o seu direito de não responder, mas “considerou necessário fazer declarações voluntárias. Basicamente, confirmou a confissão feita à polícia alemã”. Nessas declarações (não válidas no processo italiano), o jovem de 21 anos disse que matou Giulia e não teve coragem de se matar. Agora com estas declarações corroborantes, como o promotor as chamou, Turetta confessou o assassinato do jovem de 22 anos perante a juíza do inquérito de Veneza, Benedetta Vitolo.

Duretta fez declarações arbitrárias

“Durante o interrogatório, Filippo Turetta fez declarações arbitrárias, repetindo efetivamente o que já tinha dito à polícia alemã”.

Seu advogado disse isso após uma reunião com o juiz de primeira instância. “Eu matei a minha namorada”, explicou Turetta à polícia alemã quando o detiveram.

Duretta está chorando e sem responder

Filippo Turetta, acusado do assassinato de Giulia Cecchettin, chorou diante do juiz de primeira instância e exerceu o seu direito de não responder.

Duretta chorou, exercendo seu direito de não responder

Segundo algumas reconstruções, Duretta teria exercido o seu direito de não responder. E diante do juiz de instrução, ele teria começado a chorar

Duretta pode não ter falado

O julgamento começou às 10h e o juiz e o advogado saíram às 10h30. Isto sugere que o jovem não respondeu às perguntas e exerceu o seu direito de não responder. Ainda não se sabe se ele fez declarações espontâneas ou não. O advogado ainda não foi libertado da prisão.

Duretta, a investigação acabou

O julgamento de Filippo Turetta já terminou. Os carros saem da prisão de Verona com o juiz e o promotor.

Duretta está sob investigação

O julgamento de Filippo Turetta, acusado do assassinato de Giulia Cecchet em Viconovo (Veneza) no passado dia 11 de novembro, começou na prisão de Montorio, em Verona. O jovem de 21 anos compareceu perante a juíza Benedetta Vitolo, o promotor de Veneza Andrea Petroni e seu advogado Giovanni Caruso. Ele deverá responder por homicídio culposo agravado por rompimento de relacionamento afetivo e sequestro, conforme liminar.

Advogado Turetta, juiz de primeira instância e advogado de prisão de julgamento

O advogado de Filippo Turetta, Giovanni Caruso, acusado do assassinato de Giulia Cecchettin, chegou à prisão de Verona para o julgamento de um jovem de 21 anos perante a juíza de Veneza, Benedetta Vitolo, que começa apenas às 10 horas. A defesa ontem não quis esperar que o jovem exercesse o seu direito de permanecer calado caso falasse, mas deixou claro que não apresentaria pedido de prisão domiciliar. Depois dele, também entrou no presídio a juíza e advogada Andrea Petroni.

Advogado da irmã de Giulia: Turetta também fez o seguinte

Para o advogado de Elena Sechetin, o assassinato de sua irmã Giulia foi “agravado pela perseguição”. Filippo Turetta, de facto, explica o advogado Nicodemo Gentile, “provou ser um ‘perseguidor’, o seu comportamento, que emerge de vários elementos. Já recolhidos por nós, é caracterizado por muitos e repetidos comportamentos que descrevem ‘uma fome de posse em relação à nossa Giulia’. Isso, Ele esclareceu que “um cerco psicológico causou distração e ansiedade significativa à menina”. Novamente: “Um grande aproveitamento do relacionamento que primeiro motivou Duretta a torturar e controlar Duretta, por meio de ligações e mensagens incessantes, e depois, finalmente, matar, para satisfazer seu desejo de atormentar”. Um juiz de primeira instância interrogará Duretta às 10h de hoje em uma prisão de Verona.


Ele não explica, não dá detalhes, confessa o assassinato de Giulia Sechetin, como já havia feito antes à polícia alemã, porque nada pode ser feito diante das provas. No entanto, ele vai um passo além em relação às palavras de dez dias atrás, que não tiveram valor no julgamento italiano. Ele diz que está arrependido e pronto para cumprir a punição completa pelo que fez, embora não identifique sua ex-namorada e diga que pode ter tido algum tipo de apagão mental. Filippo Turetta chora ao terminar sua audiência de mandado perante a juíza de Veneza, Benedetta Vitolo, na prisão de Montorio, em Verona. Tudo dura menos de meia hora, tempo das formalidades cerimoniais, na frente do advogado Andrea Petroni e do defensor Giovanni Caruso. O jovem de 21 anos, ligeiramente indiferente desde o momento em que se senta diante do juiz, com os olhos brilhando, opta por exercer o seu direito de não responder.

Não há explicação e, portanto, nenhuma ajuda na investigação neste momento. Caruso, advogado e professor, disse aos repórteres fora da prisão, após cerca de duas horas de conversa com Duretta após o julgamento, que durante aqueles poucos minutos o jovem “sentiu necessário fazer uma declaração voluntária. Incluído na polícia alemã”. Quando foi preso perto de Leipzig, ao parar o carro sem gasolina, ele disse que matou Giulia, ainda a chamava de “namorada”, vagou por uma semana e tentou se matar, mas não o fez. Teve coragem. Hoje, o jovem, deportado da Alemanha há três dias, ainda se encontra no hospital da prisão de Veronese, onde continua a pedir para poder ver os pais, usando palavras diferentes sem referências a tentativas de suicídio. A aparente frieza, a maior consciência do crime hediondo cometido. “Estou com o coração partido – explicou conforme consta nos relatórios – sinto muito pela tragédia que causei. Não quero fugir das minhas responsabilidades, quero pagar o que é certo por matar minha ex-namorada. reconstruir na minha memória – repetiu – as emoções e o que me inspirou naquela noite. Desde o início eu era minha intenção entregar e prender. Essa era a minha intenção. Agora – concluiu – estou tão cansado que não sinto vontade de adicionar qualquer outra coisa”. Portanto, há uma referência a algo irracional que pode ser “acidentado”. Mesmo que nenhuma afirmação seja feita nesse sentido, isso pode ser mais explorado por meio de uma avaliação psiquiátrica. A defesa, de facto, deveria primeiro trabalhar nos seus próprios conselhos de saúde mental e depois pedir a opinião de um perito durante o julgamento ou investigação. E, nas palavras de Duretta, há também referência à “reconstrução” da “memória”, sugerindo que uma decisão poderá ser tomada nos próximos dias, a partir da conversa entre o menino e o advogado. Esteja preparado para contar ao Ministério Público o que aconteceu entre Vigonovo e Fosso em 11 de novembro, e novamente na estrada para o Lago Parsis, a área onde ele largou o corpo uma semana depois. Sua fuga terminou naquele dia, a centenas de quilômetros de distância. Desde suspeitas de planejamento premeditado até itens como um livro infantil deixado perto do corpo de um estudante, a investigação tem muitas vertentes. Se Duretta não quiser explicar em detalhes como as coisas aconteceram, as audiências o farão. Uma autópsia marcada para 1º de dezembro poderá fornecer respostas sobre as facadas, pelo menos dois outros ferimentos, incluindo um na cabeça. Enquanto isso, o advogado de Elena, irmã de Giulia, o advogado Nicodemo Gentile, pede que ela seja acusada de perseguição porque provou ser “faminta por posses” e “uma usuária mestre”. relacionamento’, mesmo com “chamadas e mensagens constantes”. Matar o ajudou, conclui ele, a “satisfazer seu desejo de perseguir”.

READ  Oitavos-de-final, all-in para os portugueses: Inter confia no Porto