Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

“Da punição coletiva de Tel Aviv a Gaza”

“Da punição coletiva de Tel Aviv a Gaza”

Israel cometeu crimes de guerra na Faixa de Gaza ao aplicar “punição coletiva” à população palestina após o massacre perpetrado pelo Hamas em 7 de outubro. A acusação vem do escritório das Nações Unidas que trata de questões humanitárias. ”Castigo coletivo é crime de guerra. Ravina Shamdasani, porta-voz do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, disse numa conferência de imprensa em Genebra que a punição colectiva imposta por Israel a todos os residentes de Gaza deve parar imediatamente.

A agência da ONU explica que o Hamas também cometeu crimes de guerra e atrocidades em 7 de outubro, e continua a cometê-los mantendo civis como reféns. Shamdasani pediu então aos grupos palestinos que parassem com os “ataques indiscriminados” contra Israel. Sobre o “bloqueio” completo anunciado por Israel a Gaza, Shamdasani disse que “para os 2,2 milhões de pessoas que vivem em Gaza, isto representa uma catástrofe humanitária e um castigo colectivo”.

Tensão severa entre Israel e as Nações Unidas

Nos últimos dias, as palavras do Secretário-Geral da ONU, Antonio Guterressa, cuja demissão foi solicitada pelo Embaixador de Israel na ONU, Gilad Erdan, suscitaram debate. Abrindo as discussões numa reunião do Conselho de Segurança da ONU dedicada à crise no Médio Oriente, Guterres disse que o horrível ataque do Hamas em 7 de Outubro ocorreu depois de “os palestinianos terem sido submetidos a 56 anos de ocupação sufocante”. Guterres sublinhou então que as reivindicações dos palestinianos “não podem justificar os ataques horríveis lançados pelo Hamas, tal como estes ataques horríveis não podem justificar a punição colectiva do povo palestiniano”.

Discurso e esclarecimento de Guterres

Guterres respondeu alguns dias depois aos duros ataques israelitas, dizendo: “Fiquei chocado com a distorção de algumas das minhas declarações, como se estivesse a justificar os actos terroristas do Hamas. Isto não é verdade. Pelo contrário, foi o oposto.” O Secretário-Geral da ONU acrescentou: “Acredito que é necessário restabelecer os factos, especialmente no que diz respeito ao respeito pelas vítimas e pelas suas famílias”. Guterres disse que, no seu discurso perante as Nações Unidas, condenou inequivocamente “os actos terroristas horríveis e sem precedentes perpetrados pelo Hamas em Israel”. Ele disse: “Nada pode justificar o assassinato, ferimento e sequestro intencionais de civis, ou o lançamento de mísseis contra alvos civis”.

READ  O mosquito pica sua testa e infecta seu cérebro, e a jovem de 21 anos morre em cinco dias

Ele acrescentou: “Mas falei sobre os erros cometidos contra o povo palestino e disse: Mas os erros do povo palestino não podem justificar os ataques horríveis cometidos pelo Hamas”.

Depois, o Secretário-Geral da ONU publicou uma nova mensagem sobre o fogo humanitário.

Leia também