Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Covid: 88.221 infectados, 253 mortes, 19,7% – Saúde

Covid: 88.221 infectados, 253 mortes, 19,7% – Saúde

Mesmo que a tendência de arrefecimento da curva se confirme, a Covid continua a registar um grande número de infeções e vítimas em Itália ao mesmo tempo que divide a hipótese de redução da quarentena nos positivos. E nas últimas 24 horas foram registradas 88.221 novas infecções, segundo o Ministério da Saúde (ontem 23.699). Por outro lado, o número de óbitos chegou a 253, o maior número dos últimos cinco meses. Um aumento semelhante, de fato, remonta a 23 de fevereiro, quando as mortes foram 252. A taxa ficou estável em 19,7% com 446.718 amostras coletadas. Por outro lado, há 434 pacientes em terapia intensiva – um aumento de 8 – e 11.124 pacientes em hospitais regulares, 43 a mais.

“Acho que o objetivo é conviver com o vírus e a coabitação também significa rever e reavaliar as regras no caso de positivos assintomáticos sem isolar os positivos e assintomáticos. caso de positivos assintomáticos, para retirar a quarentena”. Mais cauteloso Massimo Andreoni, professor de doenças infecciosas da Faculdade de Medicina e Cirurgia da Universidade de Roma Tor Vergata, que diz “concordar” que a escolha de isolar positivos assintomáticos “é um assunto sujeito a ligeira revisão à luz dos dados epidemiológicos” também porque “sempre fomos muito cautelosos e rigorosos.” Em relação ao sistema de isolamento em comparação com outros países.” Por outro lado, “ainda estamos a receber cerca de 100 mortes por dia e deve haver precauções mínimas porque quanto menos o vírus se espalhar e menos casos graves houver, menos novas variantes surgirão”, identifica. Freia Nino Cartabellotta, presidente da Fundação Gimbe, que “não há motivos” para alterar os procedimentos atuais. Por outro lado, há uma linha adotada pela Áustria onde o governo anunciou uma mudança drástica de rumo: os infectados pelo coronavírus não ficam mais automaticamente em quarentena, mas podem sair de casa usando uma máscara Ffp2. As novas medidas entrarão em vigor em 1º de agosto. Enquanto isso, na frente da vacina, quase quarenta milhões de reforços foram administrados na Itália. Mais de 2 milhões de italianos receberam a quarta dose. Os números divulgados ao ministro da Saúde, Roberto Speranza, decretaram um “grande sucesso” para a campanha de vacinação contra a Covid na Itália. Chega uma chamada para apresentar a quarta dose do Prêmio Nobel Giorgio Baresi, um certificado de um novo anúncio comercial produzido pelo Departamento de Mídia e Publicação da Presidência do Conselho de Ministros e do Ministério da Saúde. Sentado à mesa de um restaurante, Parisi ilustra – também com um gráfico desenhado na toalha da mesa – a importância de uma vacina que “protege contra doenças críticas”, lembrando que as pessoas com mais de 60 anos são as “mais em risco”. “Um problema complexo, uma solução simples”, diz o Prêmio Nobel por seus estudos de sistemas complexos. À luz do outono, há um nó da retomada do ano letivo. Uma investigação conduzida por Gimbe com a Associação Nacional de Gerentes Gerais e Profissionais de Escola Secundária (NPC), “promovendo” escolas italianas para higiene das mãos e parcialmente para controle de temperatura durante a ventilação de edifícios, estruturas ainda não prontas para iniciar com segurança o próximo ano letivo. E a falta de interferência na ventilação e ventilação dificulta o retorno às aulas sem máscaras.

READ  O oitavo círculo de fé e ciência “fica ao vento” na Epifania. Online da Câmara do Conselho de Greccio

Reprodução reservada © Copyright ANSA