Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

A anomalia do paciente abre novos caminhos para a pesquisa contra a AIDS – Corriere.it

A partir de Silvia Turim

A espanhola só recebeu os medicamentos em 2006 e, embora ainda tivesse o vírus no corpo, a carga viral foi interrompida. Pesquisadores identificaram um mecanismo que o ajuda e querem replicá-lo em outros

Dois novos casos foram apresentados na quarta-feira em A Conferência Internacional de AIDS em Montreal: Um homem com câncer que foi submetido a um transplante de células-tronco resistentes ao HIV de um doador foi curado e o outro a uma mulher após receber terapias de reforço imunológico em um ensaio clínico de HIV, Ele viveu 15 anos sem drogas e com carga viral indetectável.

transplante de medula óssea

A última pessoa a ser curada do vírus por meio de um transplante de células-tronco (necessário para lidar com a leucemia) é um americano de 66 anos, o mais velho que parou de tomar remédios. Uma abordagem que provou ser bem sucedida em Outros casos
Ele usa células-tronco de um doador que tem uma anormalidade genética rara que faz com que as células do sistema imunológico apareçam normalmente resistente a vírus. O homem recebeu o transplante há 3 anos e meio e por 17 meses Seu tratamento antirretroviral para o HIV foi suspenso. Duas outras pessoas foram consideradas como tendo se recuperado do HIV dessa maneira: Timothy Ray Brown, o paciente de Berlim (nascido em 1966) e o paciente de Londres (agora com 42 anos). Ambos foram submetidos a um transplante de células-tronco resistentes ao HIV.

Os mecanismos envolvidos na remissão foram identificados

É por isso que o caso de uma mulher que vive sem drogas há 15 anos é muito interessante:Hospital das Clínicas Barcelona, Conforme noticiado pelo jornal El PaisEles foram capazes de entender as características inatas do sistema imunológico da mulher que lhe permitiram fazê-lo Mantenha a doença longe e derrote partes do vírus em seu corpo Ano após ano. A mulher não identificada (mas com 59 anos) desenvolveu uma infecção aguda em 2006 e foi então selecionada junto com outros 20 pacientes para tratamento medicamentoso. Ela foi a única do grupo a passar em mais de 50 testes de carga viral nos próximos 15 anos. A novidade da pesquisa realizada ao longo dos anos em seu sistema imunológico que era reconhecível Quais subpopulações do sistema imunológico estavam envolvidas em um processo estranho Defesa contra o HIV: são as células natural killer que possuem memória e também outras células chamadas de células T gama-delta, aquelas que conferem imunidade inata. O paciente tem níveis muito altos de ambos. Um mecanismo que não foi visto antes em outros tópicos que também controlam doenças (muito poucos). Não somente. ao longo dos anos Ms. tanque viral está encolhendo Pode chegar um momento em que chega a zero.

O perdão é diferente para todos os casos

Caso Barcelona Difere de outros casos Da conhecida e mencionada cura (há também um paciente de São Paulo que está livre do HIV graças a uma combinação de medicamentos e não graças a transplantes de medula óssea): No caso da senhora da análise celular, Ainda existe um vírus viável capaz de causar novas infecções. Por outro lado, os pacientes que utilizaram o transplante de medula óssea realizam-no completamente remover vírus do seu corpo.
O próximo passo da pesquisa espanhola será identificar com precisão a combinação de fatores específicos do paciente, juntamente com aqueles causados ​​pelos medicamentos recebidos em 2006, que levaram a esses achados. Ter esperança Repetindo as circunstâncias para os outrosMesmo que não tenham cura, podem viver sem drogas, com carga viral indetectável e sem possibilidade de contágio por muitos anos.

READ  Covid Positive vai para o trabalho e para a academia e infecta 22 pessoas, presas com ferimentos - Corriere.it

27 de julho de 2022 (alteração em 27 de julho de 2022 | 18:59)