Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Conferências sobre Cultura e Epidemia: O que precisa mudar

A pandemia também destacou a necessidade de repensar as conferências dedicadas à cultura. É assim que eles deveriam ser.

conferência em londres

Nos últimos dias houve um encontro durante o qual, como lemos no convite, foi analisado, discutido e descrito, com chave comparativa, Conteúdos da Itália, Espanha, França, Alemanha e Portugal relançam planos, com foco em estratégias, projetos, reformas e investimentos para apoiar toda a cadeia cultural.
O encontro, organizado pela Associazione Civita, contou com a presença de alguns nomes eminentes: após as saudações de Gianni Letta (Presidente da Associação Civita), Paolo Gentiloni (Comissário Europeu para a União Fiscal e Aduaneira), Vala (Perito dos Fundos Europeus) , De Massi (Professor Honorário e Sociólogo do Trabalho) e Amendola (Subsecretária para os Assuntos Europeus), administrados por Simonetta Giordani, como Secretária Geral da Associação Civita. O encontro apresentou conteúdos interessantes, mas com alguns esclarecimentos.

Um novo tipo de conferência cultural

Sim, porque em uma época como a nossa, com o tempo e os ritmos impostos a nós em parte pela pandemia, e em parte também pelos acordos da UE, um “ponto de partida interessante” não é suficiente. Nosso tempo, marcado por fechamentos e reaberturas, simultâneas ao refresco e ao apoio, precisa diminuir a distância entre o pensamento e a ação.
Em uma era como a nossa, Mesmo a festa e o pragmatismo das conferências não é o que era há vinte anos. O conhecido processo que exige que dignitários se despedam e depois o remorso desaparece, deixando espaço para profissionais e professores escalarem suas apresentações, pequeno estilo TEDx, pequeno estilo acadêmico, para depois finalizar com um bufê, ainda que virtual, onde a possibilidade de os cartões de visita de troca (inteligentes) também podem ser estritamente) é uma coisa boa se a presença de funcionários do governo não for esperada nesta reunião.

“A cultura deve deixar de ser um hábito astuto e conveniente para se tornar consumo diário, reflexão democrática e prazer universal.”

Nesse momento, é muito importante estar informado e a divulgação desempenha um papel importante. Mas a Itália nunca precisa agir como faz hoje. Principalmente no campo da cultura, porque apesar da opinião pública, a cultura hoje é um setor industrial cujos investimentos são desenvolvidos por profissionais todos os dias e aprenderam a transferir esse patrimônio cultural individual e coletivo na lógica empresarial, para que a cultura deixe de ser hábito amoroso e confortável, e se tornar o pensamento democrático de consumo diário, gozo universal.

READ  Fluxos financeiros da UE sob estreita supervisão

A necessidade de acordos e sinais precisos

Portanto, o que seria importante se surgisse não é uma reflexão, uma chave de interpretação ou uma tendência internacional. O que se pode esperar de reuniões deste tipo, na presença de governantes, são os procedimentos, acordos e indicações exatos. À cultura e ao turismo e, em geral, a todos os atores que atuam nesse conjunto de setores produtivos a meio caminho entre as indústrias culturais, criativas e experimentais. Hoje tudo é necessário excluir:

  • para lembrá-lo disso A cultura é um componente importante da nossa sociedade, para a coesão social e económica, e por isso é necessário reforçá-la (eles sabem disso muito bem, sobretudo depois de todos os bloqueios dos últimos dois anos);
  • O que é importante cooperação comunicação social, parainternacionalização e a ajuste sazonal.

Para além do caso particular, é necessária uma nova forma de compreender as conferências, as mesas redondas e as sessões, que, também a partir do que se passa noutros sectores, caracterizam os encontros “dedicados à cultura” de uma forma eficaz, seca e cada vez mais continental. .

Não só análise

É razoável esperar que as ações cooperativas já iniciadas entre o governo italiano e outros governos europeus encorajem (desta vez realmente) a cooperação não entre as PME, mas entre as pequenas empresas (que representam uma grande parte da demografia da nossa instituição cultural) de diferentes nações para facilitar a participação em atividades culturais. É razoável esperar a apresentação de ferramentas prontas, desenvolvidas pelo meio acadêmico para compartilhar parte dos recursos que serão destinados à pesquisa com empresas, bem como iniciativas de desenvolvimento regional em processo de implementação, conforme devidamente solicitado pelos nacionais oportunidades de financiamento dirigidas às autoridades locais.
Uma simples “análise”, ainda que comparada, não é mais suficiente. A comparação pode ser feita facilmente por conta própria. Leia os planos.

READ  Os cidadãos são os campeões da transformação energética, graças ao GRETA - UniboMagazine

– Stefano Monti

www.civita.it