Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Ciência e Fé, Papa Francisco: “Trilhas de pesquisa multidisciplinares devem ser empreendidas”

Cidade do Vaticano – “Condução e acompanhamento de caminhos de pesquisa interdisciplinar Envolvendo diferentes centros de estudos para nos conhecermos melhor, e almejamos sempre esse horizonte transcendente para o qual se encaminha o nosso ser ”. Papa Francesco Em vídeo mensagem enviada na abertura da V Conferência Internacional organizada pelo Pontifício Conselho para a Cultura e a Fundação Cora. O Sumo Pontífice confirma na mensagem A importância da união do “pensamento teológico filosófico com a pesquisa científica, especialmente na área médica”Daí o “agradecimento do Santo Padre” a quantos optaram, como compromisso pessoal e profissional, por cuidar dos enfermos e apoiar os mais necessitados. Neste momento Todos nós temos um sentimento de gratidão por aqueles que se dedicam incansavelmente ao combate à pandemia, Que não para de fazer vítimas, o que, ao mesmo tempo, põe à prova o nosso sentido de solidariedade e fraternidade. É por isso que pensar e manter as pessoas no centro também exige pensar em modelos de sistemas de saúde que estão abertos a todos os pacientes, sem qualquer variação. ”Abaixo está o texto completo da mensagem de vídeo:

Caros amigos,
Dirijo-me a todos os participantes da conferência internacional intitulada “Mente, Corpo e Espírito”, um tema sobre o qual se empenharam ao longo dos séculos pesquisas para compreender o mistério humano. Saúdo e agradeço ao Cardeal Gianfranco Ravasi, Presidente do Pontifício Conselho para a Cultura, aos organizadores do evento, bem como aos responsáveis ​​das instituições “Cura” e “Scienza e Fede” e aos expositores.

Sua conferência combina pensamento filosófico teológico e pesquisa científica, especialmente na área médica. Isto oferece-me, antes de mais nada, a oportunidade de expressar uma gratidão mútua a todos aqueles que optaram por cuidar dos doentes e apoiar as pessoas mais necessitadas como um compromisso pessoal e profissional. Neste período, todos agradecemos a todos aqueles que se dedicam incansavelmente ao combate à pandemia, que não param de matar as vítimas e que, ao mesmo tempo, estão a testar o nosso sentido de solidariedade e fraternidade. É por isso que a reflexão e a retenção do ser humano no centro também exigem pensar em modelos de sistemas de saúde abertos a todos os pacientes sem nenhuma variação.

O programa do evento reflete os principais elementos descritos no título: corpo, mente e espírito. Essas três categorias são incompatíveis com a visão cristã “clássica”, e o modelo mais conhecido é o modelo da pessoa, entendida como uma unidade indissolúvel entre corpo e alma, que por sua vez é abençoada com inteligência e vontade (ver Catecismo de o espírito Santo). A Igreja Católica, 1703-1705). No entanto, esta opinião não é exclusiva. São Paulo, por exemplo, fala de “sua pessoa perfeita, sua alma, sua alma e seu corpo” (1 Tessalonicenses 5:23): Esta é uma concepção tripla depois daquela que foi adotada por muitos Padres da Igreja, bem como por muitos pensadores contemporâneos. Para manter sua dicotomia, parece-me que seus grandes méritos são apontar que algumas dimensões de nosso ser, que hoje muitas vezes se encontram separadas, na verdade formam um entrelaçamento profundo e indissociável entre elas.

A camada biológica de nosso ser, que se expressa por meio de nossa fisicalidade, constitui a dimensão mais envolvente, mas não por essa razão que é a mais fácil de entender. Não somos almas puras. Para cada um de nós, tudo começa com a nossa carne, mas não só: da concepção à morte, não temos apenas um corpo, somos um corpo – e a fé cristã nos diz que também estaremos na ressurreição. Nesse sentido, a história da pesquisa médica nos dá uma dimensão da jornada maravilhosa do homem para se descobrir. E pensemos não apenas na medicina acadêmica, por assim dizer “ocidental”, mas na riqueza dos diferentes medicamentos nas diferentes civilizações do mundo. Não há dúvida de que a ciência abriu diante de nós horizontes de conhecimento e interações que seriam inimagináveis ​​alguns séculos atrás.

Graças aos estudos interdisciplinares, podemos compreender melhor a dinâmica que existe entre a nossa condição física e o meio em que vivemos, entre a saúde e o que comemos, entre o nosso bem-estar psicossomático e o cuidado com a vida espiritual – também através da prática da oração ou meditação nas suas várias formas – e até entre saúde e arte, principalmente na música. Na verdade, não é por acaso que a medicina faz a ponte entre as ciências naturais e as humanidades, tanto que no passado era definida como um corpo filosófico, como evidenciado por um dos manuscritos preservados na Biblioteca Apostólica Vaticana.

Portanto, uma visão mais ampla e um compromisso de pesquisa interdisciplinar definem um avanço do conhecimento que, quando aplicado às ciências médicas, se traduz em pesquisas mais avançadas e tratamentos mais adequados e precisos. Pense apenas no amplo campo de pesquisas em genética, que visa a superação de diversas doenças. Por outro lado, também levanta algumas questões antropológicas e éticas básicas, como, por exemplo, a questão da manipulação do genoma humano para controlar ou mesmo superar o processo de envelhecimento, ou para conseguir uma melhoria variável do ser humano. .

Igualmente importante é a segunda dimensão: a dimensão da mente, que constitui a condição para a nossa autocompreensão. Na verdade, a questão fundamental que enfrentei foi aquela que tem impulsionado a humanidade por milhares de anos a buscar a essência do que nos torna humanos. Atualmente, geralmente tendemos a identificar esse componente primário com o cérebro e seus processos nervosos. No entanto, ao mesmo tempo que enfatiza a importância vital do componente biológico e funcional do cérebro, não é o elemento capaz de explicar todos os fenômenos que nos definem como seres humanos, muitos dos quais não são “mensuráveis” e, portanto, devem ir além. materialismo físico. Na verdade, um ser humano não pode possuir uma mente sem substância cerebral; Mas, ao mesmo tempo, sua mente não podia ser reduzida à mera fisicalidade de seu cérebro. Esta é uma equação a seguir.

Nas últimas décadas, graças ao entrelaçamento das ciências naturais e humanas, multiplicaram-se os esforços para compreender melhor a relação entre as dimensões materiais e imateriais de nosso ser. Desse modo, a relação entre mente e corpo, que foi explorada principalmente por filósofos e teólogos durante séculos, também se prestou à investigação daqueles que estudam a relação entre mente e cérebro.

O uso do termo “mente” no campo científico levanta algumas dificuldades, por isso é imprescindível que você seja capaz de compreendê-lo e descrevê-lo de forma interdisciplinar. Com a categoria “mente” geralmente queremos nos referir a uma realidade ontologicamente distinta, capaz de interagir com nosso substrato biológico. Na verdade, a palavra “mente” geralmente denota a complexidade das faculdades humanas, especialmente no que diz respeito à formação do pensamento. Portanto, a questão da origem das faculdades humanas, como a sensibilidade moral da pessoa, compaixão, simpatia e amor solidário que se traduz em gestos benevolentes e devoção desinteressada nos outros, permanece sempre relevante, ou o sentido estético, para não falar a busca do infinito e do transcendente. Como você pode ver, é uma coisa muito complicada e interdependente.

Na tradição judaico-cristã, assim como na tradição grega clássica e helenística, essas expressões humanas remontam à dimensão transcendente, definida com o princípio imaterial de nossa existência, ou seja, com a alma, o terceiro elemento do tema de sua conferência. Embora esse termo, ao longo do tempo, tenha assumido significados diferentes em diferentes culturas e religiões, a ideia que herdamos da filosofia clássica define para a alma o papel do princípio fundacional que organiza todo o corpo e do qual surgem as qualidades intelectuais. Afetivo e voluntário, incluindo a consciência moral. De fato, a Bíblia e, sobretudo, a contemplação teológico-filosófica do conceito de “alma” definiam a singularidade humana, a peculiaridade da pessoa irredutível a qualquer outra forma de seres vivos, inclusive sua abertura a uma dimensão sobrenatural, e assim esta abertura ao transcendente, a algo maior do que a si mesmo, é constitutiva e testemunha o valor infinito de cada ser humano. Podemos dizer, em uma linguagem comum, que é como uma janela que olha e conduz ao horizonte.

Caros amigos, fico muito feliz que estudantes de diferentes universidades ao redor do mundo também participem deste evento. Encorajo-vos a empreender e continuar com a investigação interdisciplinar, que inclui vários centros de estudos para nos compreendermos melhor, e almejamos sempre este horizonte transcendente que tende a ser o nosso ser. Confio o vosso trabalho a Deus e espero que todos sejais sempre entusiasmados. Gostaria de dizer o espanto diante da humanidade, que nunca acabámos de descobrir. Como Santo Agostinho nos lembra esta afirmação bíblica, é sempre: “Que profundo abismo para o homem! ” (Confissões 4, 14, 22). Obrigada!

(Il Faro online) Fotos © Vaticano MediaClique aqui para ler todas as notícias do Papa e do Vaticano
Clique aqui para se inscrever no canal Telegram, só notícias sobre o Papa e o Vaticano

READ  Tunísia quer aderir à Horizon Europe - Science