Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Centeno: “Portugal interpretou as regras europeias à sua maneira e é agora o ‘queridinho’ da Europa”

Centeno: “Portugal interpretou as regras europeias à sua maneira e é agora o ‘queridinho’ da Europa”

O chefe do Eurogrupo e o ministro das Finanças de Lisboa esperam alcançar soluções de compromisso para combater a austeridade na sequência da experiência portuguesa

Anúncio

No último episódio de Conversa globalHospede-nos Mário Centeno. O ministro das Finanças português tornou-se famoso por ajudar o país a transformar-se de um patinho feio sob o controlo da Troika num cisne com uma das taxas de crescimento mais elevadas da União Europeia.
A partir de 13 de Janeiro Centeno é Presidente do Eurogrupo Com a promessa de procurar consenso sobre a reforma da zona euro. Foi entrevistado pela jornalista da Euronews Isabel Marques da Silva.

Será que o exemplo de Portugal e a nova narrativa de austeridade menos restritiva já são coisa do passado ou serão necessários grandes esforços para convencer países mais tradicionais como os Países Baixos, a Finlândia e a Alemanha?

Centeno: “Portugal faz sucesso na Europa. É chamado de coco europeu”. Forte crescimento, baixo desemprego, que é o que lideramos na Europa… Portugal sempre esteve empenhado em respeitar as regras com uma interpretação diferente das formas como essas regras podem ser aplicadas. “Essa foi uma novidade que chamou mais atenção para o nosso exemplo”.

Como presidente do Eurogrupo, falou frequentemente sobre as eleições em França e nos Países Baixos. Agora a situação na Alemanha continua por resolver. No governo de coligação entre a CDU e o Partido Social Democrata, o Ministério das Finanças poderia ir para Olaf Scholz, do Partido Social Democrata de centro-esquerda; Você acha que isso poderia ajudar a impor uma nova visão com menos austeridade? Uma visão também encorajada pelo Presidente francês Macron, que espera uma maior solidariedade europeia e um maior investimento público?

READ  A Generali aposta na saúde com 400 milhões. Negociações para La Medicale de Agricale

Centeno: “Temos trabalhado de forma muito construtiva com o governo alemão desde que fui presidente do Eurogrupo. A retoma do processo de conclusão da união bancária é muito importante, pois aproveita o excelente momento económico que todos os países europeus vivem e também beneficia do ciclo político que mencionei. Não creio que isso aconteça “Não há dúvidas sobre as concessões que a Alemanha continuará a fazer como parte deste processo nesta nova fase.”

Falemos então da reforma da zona euro, que tem duas prioridades muito claras: completar a união bancária e reformar o Mecanismo Europeu de Estabilidade. Na questão bancária, estariam os países realmente dispostos a partilhar riscos e a criar um sistema europeu de seguro de depósitos, para que os contribuintes estivessem melhor protegidos no caso de uma nova crise?

Centeno: “Esta reforma é extremamente importante para garantir a todos os cidadãos europeus, no caso da próxima crise, que o sistema financeiro europeu esteja preparado, melhor equipado e mais robusto.” necessário para completar a união bancária E garantindo que temos todos os meios, todas as ferramentas necessárias. Para viver em união – e é isso que vemos no nosso quotidiano – é sempre necessário reforçar os laços de confiança e as garantias mútuas prestadas em todos os momentos. Penso que o importante é chegar a um consenso sobre instituições e soluções que respondam aos desejos e preocupações que todos temos na Europa neste momento.

A verdade é que as pequenas e médias empresas ainda se queixam de que nem tudo isto se traduz na economia real. Como conseguir mais crédito para empreendedores, melhorar qualidade de vida, criar empregos…

Centeno: “Por exemplo, vou dar um indicador para Portugal, mas isso repete-se noutros países europeus. As PME em Portugal têm atualmente um défice de financiamento que, em comparação com empresas semelhantes, é o mais baixo desde o início do século. Isto significa que recuperámos muito dos choques a que estivemos expostos.” Durante a crise, agora, em Portugal, as PME e os bons projetos de investimento são financiados, no curto prazo, a taxas inferiores a 1%.

READ  Motociclistas gratuitos em andamento

Queria abordar o caso da Grécia, porque é um país onde a situação ainda é muito difícil, onde ainda temos de virar a página para encerrar este capítulo. Pierre Moscovici está muito optimista e, aparentemente, o presidente do Eurogrupo também. Será que a Grécia conseguirá pôr fim ao programa de resgate no verão?

Centeno: “Esta aposta foi feita e será bem sucedida. Continuaremos certamente optimistas nos próximos meses. O mais importante agora é dar ao governo grego, às autoridades e à sociedade grega um sentido de propriedade relativamente ao seu futuro. Depois, a mesma coisa – e dou grande importância a esta questão – durante todo o período de transição entre… “Ciclos políticos e eleitorais na Grécia. É muito importante que os futuros governos mantenham um sentido de apropriação de todo o processo, porque é um processo muito difícil.”

Gostaria de falar agora sobre o orçamento. A Comissão Europeia apresentará propostas para o orçamento da UE de 2020 a 2026, altura em que o Reino Unido deixará de ser um grande contribuidor. O governo português propôs três novos impostos europeus: sobre o setor energético, sobre as empresas que poluem muito, sobre as transações financeiras internacionais e sobre as plataformas digitais. Acha que estas ideias, que já contam com um forte apoio de outros países do Sul, serão do interesse de outros parceiros europeus, para criarem novo capital?

Centeno: “Apoiar este tipo de financiamento faz todo o sentido no contexto do orçamento europeu. Se os europeus se sentirem mais próximos das questões de como os orçamentos são financiados e tiverem uma melhor compreensão destas fontes de financiamento, isso certamente melhoraria o maior desafio que enfrentamos. Europa.” : Que consiste em aproximar os cidadãos do projecto europeu. A ligação entre causa e efeito será mais clara e mais fácil de compreender. Existem hoje novos desafios na Europa: segurança, defesa, migração, problemas demográficos… Enfrentamos na Europa e afectam quase todas as sociedades e todos os países e, em muitos casos, “poderia ser melhor abordado a nível europeu”.

READ  De Domino's a Gap, o que está acontecendo

Para saber mais

Entrevista com o Ministro da Economia português em Davos

Portugal, apoio à recuperação, mas dívida continua elevada

Portugal, o PIB está a subir