Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Caos no Sudão e forças paramilitares atacam o exército – o mundo

Caos no Sudão e forças paramilitares atacam o exército – o mundo

O Sudão acordou no caos. A rivalidade política entre os dois generais à frente do conselho soberano que atualmente dirige o país, Abdel Fattah al-Burhan, e o pró-russo Mohamed Hamdan Dagalo, explodiu em confrontos e violência em Cartum. As Forças de Apoio Rápido paramilitares do Sudão estão tentando tomar o poder e desalojar o exército em um confronto de incursões, tiroteios, ataques aéreos, veículos blindados e declarações conflitantes. À noite, a posição, que cercava nada menos que 150 italianos, parecia estar em jogo. Apenas o número provisório de mortos seria de pelo menos três civis e nove feridos, incluindo um oficial.

As forças armadas comandadas pelo major-general Abdel Fattah al-Burhan, chefe do Conselho de Soberania, afirmaram ter “reocupado todas as áreas vitais” e que a situação resultante dos ataques paramilitares estava “prestes a terminar”. O Exército admitiu ter perdido o controle parcial e momentaneamente, e confirmou ter restaurado os aeroportos de Cartum e Marwa, duas cidades ao norte da capital, e expulsou a Frente Revolucionária, liderada por Muhammad Hamdan Dagalo, conhecido como “Hamidti”, com fama próxima. Para a Rússia e ficou em segundo lugar no Conselho. No ataque ao aeroporto, o RSF incendiou aeronaves civis, incluindo um avião da Saudi Arabian Airlines. Os primeiros tiros foram ouvidos em Cartum por volta das sete, informaram membros da ONG italiana Music for Designs of the Night, enquanto a emergência obrigou ao fechamento de um centro pediátrico na periferia da capital e à evacuação do pessoal.

A Força Aérea Sudanesa anunciou o bombardeio de duas bases paramilitares em Cartum, e fotos de tanques em movimento foram vistas nas redes sociais. Um funcionário da ONU relatou confrontos “literalmente em todos os lugares” na capital, inclusive na área “Cartum 2”, onde fica a embaixada italiana. O ministro das Relações Exteriores, Antonio Tajani, como parte de um “apelo ao diálogo e ao fim da violência”, pediu aos cerca de 150 italianos residentes no país (quase metade deles em Cartum) que não “saiam de casa”.

READ  Gaza 119 palestinos e 7 israelenses. Save the Children: “Tel Aviv invade 31 escolas.” Negou a invasão terrestre da Faixa

Apelos pelo fim dos combates também foram feitos pelas Nações Unidas, Estados Unidos da América, União Européia, União Africana, Liga Árabe e Rússia. A cisão entre o exército e os paramilitares vem se agravando há meses, bloqueando uma transição com base no acordo-quadro assinado em 5 de dezembro. De facto, no cerne da disputa está a reforma militar, com o exército sudanês a pretender integrar a RSF nas suas fileiras já dentro de dois anos, enquanto Dagalo pretende colocar-se à disposição de uma autoridade civil num processo mais lento que poderá durar até dez anos. O exército, que mostra fotos de Al-Burhan ocupado na sala de operações, diz que ele sempre controlou seu quartel-general e negou ter anunciado a tomada do palácio presidencial. Um coronel admitiu que houve “perdas” no exército, mas não soube especificá-las.

Dagalo alertou que “a batalha será decidida nos próximos dias”. As Forças de Apoio Rápido, que participaram no golpe militar de abril de 2019 que pôs fim ao reinado do tirano Omar al-Bashir, terão cerca de 100 mil homens. Eles são uma evolução das notórias milícias “Janjaweed”, os “demônios a cavalo” que lutaram para que Bashir reprimisse a rebelião em Darfur no início dos anos 2000, um conflito com pelo menos 2,5 milhões de refugiados e quase 300.000 mortos. Daglo compartilha uma mina de ouro com a milícia Wagner, foi à Rússia na véspera da invasão da Ucrânia e disse que apoiava a construção de uma base russa no Mar Vermelho no Sudão.