Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

BCE: Recessão menos terrível, mantenha a pressão

A zona euro caminha para a recessão, mas não será o “banho de sangue” que se poderia imaginar em setembro com o preço do gás acima dos 200 euros. Assim, o BCE não interrompe o aperto monetário, mesmo que com base nisso o Fed possa desacelerar o ritmo de alta dos juros já em dezembro. Menos de um mês após a reunião de 15 de dezembro, Frankfurt começou a resumir os dados das últimas semanas, como o PMI de novembro ou o índice de confiança IFO da Alemanha, que são melhores do que o esperado. Apesar de algumas previsões sobre um 2023 “negro” com recessão global, “as expectativas do Banco Central Europeu e da União Europeia vão na mesma direção, para um menor crescimento da economia europeia e uma inflação mais elevada”, explica o vice-presidente do BCE, Luis de Guindos. Em milão. Os relatórios da reunião do Banco Central Europeu no final de outubro descrevem a situação da seguinte forma: após a estagnação no terceiro trimestre, nos próximos dois trimestres, a economia do século XIX “caminha para uma recessão técnica. Mas o economista-chefe Philip Lane explicou ” um cenário completamente diferente daquele de um período prolongado de crescimento negativo E o cenário oposto (com picos de preços de energia e racionamento) descrito no “Perspectivas de Pessoal” do BCE em setembro.

O que o BCE decidirá em dezembro talvez esteja bem resumido nas palavras do governador irlandês: “as taxas devem subir”, e é muito cedo para dizer quanto, “não descartarei nada”. De Guindos espera que a inflação comece a abrandar “na primeira metade do próximo ano” e “podemos estar muito perto do pico”. Palavras que descartariam a possibilidade de o BCE querer fazer o mesmo no próximo mês, depois de seus aumentos máximos de três quartos de ponto em setembro e outubro. Afinal, o Fed está propondo uma desaceleração em meio às dificuldades que a economia americana enfrenta. A ata da reunião de 26 e 27 de outubro já deixou claro quantos “muitos membros” gostariam de aumentar cautelosamente a taxa de referência em meio ponto. A frente “pombas”, com uma nova atitude, foi despertada, nas últimas semanas, por governadores como Ignazio Fiesco, do Banco da Itália, ou o CEO Fabio Panetta. Mas a última palavra não foi dita. Isabelle Schnabel, também membro do comitê executivo do BCE e não um ‘falcão’ como o holandês Klaas Knot, que pede para trazer o (ainda enorme) custo do dinheiro para uma área restrita, diz que o espaço de manobra para desacelerar o aperto monetário “ainda é limitada”. . Certamente “teremos que aumentar mais”, essa é a lógica também, visto que a taxa de depósito do BCE ainda tem um longo caminho a percorrer, ainda em 1,50% contra os 3,75-4% do Fed. É provável que o acordo de dezembro reduza a pressão para meio ponto. Mas é um compromisso que pode ser vítima de um afrouxamento quantitativo: já em dezembro “vai haver uma discussão”, explicou Guindos, após pressão dos “falcões” ter previsto o agendamento da operação pela qual o Banco Central Europeu iria começar a obter a alienação de centenas de bilhões de títulos comprados em Anos passados.

READ  e-Power, a Nissan revoluciona o mundo dos carros elétricos com um novo motor

A reprodução é reservada © ANSA Copyright