Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Aqui está o último truque de Conte: “Com meu governo, os portos nunca fecharam.”

A foto será o suficiente para restaurar a memória Giuseppe Conte, Que hoje afirma nunca ter praticado uma política de “portos fechados”: é a foto que fez com o então ministro do Interior, Matteo Salvini, carregando o post com a hashtag #decretosalvini e a frase “segurança e imigração”. Isso foi uma apoteose para compartilhar a política de imigração da Liga do Norte. Nesta ocasião, o Primeiro-Ministro sorriu nas melhores ocasiões e mostrou a sua determinação, mesmo na conferência de imprensa, em defender a decisão.

Afinal, o texto foi aprovado no Conselho de Ministros em 24 de setembro de 2018 diante de seus olhos, não é que ele estivesse realmente fazendo outra coisa enquanto a aprovação chegava na sede do governo. O selo vem da declaração oficial: que o Cdm atendeu “São 23h41 no Palazzo Chigi, sob a presidência do presidente Giuseppe ConteSó ele, o defensor do povo, está com toda a equipe ministerial.

Caso Conti e Aquarius

Em junho, há apenas alguns meses, Conte também compartilhou a abordagem de seu aliado para a causa de Aquário. Em suma, não foi um sucesso do nada, já que o Partido Democrata o havia criticado ferozmente. “Solicitei claramente ao Primeiro-Ministro maltês Muscat que pelo menos assumisse a responsabilidade pela assistência humanitária às pessoas em dificuldade no Aquário, mas foi confirmado que Malta e, portanto, a Europa, não está disposta a intervir e assumir a responsabilidade pela emergência.Um teste de força para mostrar como seu governo está empenhado, de forma conturbada, em defender a linha implacável contra os imigrantes, disse Conte.Portos fechados estão, de fato, contornando a tecnologia.

Com relação à questão do Sea Watch, depois de forçar o comandante Carlola Racchetti, o ex-primeiro-ministro usou palavras duras:Sea Watch foi uma chantagem política de chicotear 40 pessoasE mais uma vez: em julho de 2018, Conte afirmou no Facebook como resultado da distribuição de outros migrantes perdidos no mar por dias em meio a um alvoroço de oposição:A França e Malta recebem 50 dos 450 migrantes, respectivamente, a bordo dos dois navios. Em breve, as aderências chegarão a outros países europeusCom essas suposições, a aprovação do decreto de segurança foi quase direta, o que é uma consequência mais natural.

READ  GB, PM Boris Johnson na calçada: "O fim do mês não vai chegar"

Confie no decreto de segurança bis

Os fatos nos lembram outro fato: o decreto de segurança repetia a última medida do Parlamento antes da crise que levou à queda do primeiro governo Conte. Em agosto de 2019, o governo confiou no texto para permitir sua aprovação. Um gesto importante que indica o nível de participação. Além disso, mesmo naquela ocasião, na Cdm em 11 de junho de 2019, o primeiro-ministro esteve presente enquanto o executivo disse sim às regras que Salvini quer apertar ainda mais os parafusos da imigração. É o disco do Palazzo Chigi que fala sobre sua presença no encontro, não é uma dissertação abstrata para a crítica.

É claro que hoje, como jurista hábil, Conte está tentando acertar a ficha, expondo sofisticação técnica, argumentando que os portos não foram fechados e que Salvini era apenas propaganda. Portanto, as portas estavam muito abertas e abertas, e não é verdade que estivessem fechadas. Mas entendemos muito bem naquela época, e agora entendemos o significado da fórmula adotada pelo líder da Liga do Norte. Não foi o nível de abertura dos portos que não pudemos ser blindados porque não estamos em guerra, mas antes uma expressão da linha mais rígida contra os desembarques. O conde participou plenamente dele nessa época, a ponto de assinar decretos nos conselhos de ministros que presidia.