Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

“Aqueles que…com Luca” e a importância da pesquisa sobre leucemia pediátrica

“Aqueles que…com Luca” e a importância da pesquisa sobre leucemia pediátrica

Luca Ciccione Ele tinha apenas 10 anos quando foi diagnosticado com leucemia mieloide em 17 de setembro de 2011, após uma batalha de 18 meses entre casa e família. IRCSS rua Geraldo para Monza. Poucos dias depois, em 12 de outubro de 2011, nasceu a associação “Aqueles que…com Luca” Pela vontade do Padre Andrea e de um grupo de amigos que se juntaram a Luca na luta. Estou entre esses amigos e nos últimos anos pude constatar como a associação tem sido uma referência para muitas famílias.
A leucemia pediátrica é a forma mais comum de câncer infantil. É uma doença rara, na verdade, afecta cerca de 47 casos por milhão de crianças anualmente. Actualmente, em Itália, cerca de 400-500 crianças adoecem todos os anos. Distinguem-se duas formas agudas: leucemia linfoblástica aguda e leucemia mielóide aguda.

tratamento de primeira linha para câncer de sangue infantil É composto Quimioterapia.
As crianças que não respondem à quimioterapia veem o transplante de medula óssea como uma segunda chance de recuperação. Progresso significativo foi feito no tratamento da leucemia pediátrica nas últimas décadas. Na verdade, se nenhuma criança recuperasse na década de 1970, a sobrevivência média hoje é de cerca de 80%.

A última fronteira terapêutica é chamada de “terapia molecular”. É uma verdadeira obra-prima da bioengenharia genética, e consiste, para torná-lo muito simples e quase trivial, em extrapolar células do corpo de uma pessoa doente, e executá-las num laboratório usando máquinas muito caras e futurísticas que implantam uma espécie de ‘radar’ no corpo. As células são reimplantadas e reinfundidas no corpo do paciente, “destruindo” as células doentes.

Os resultados dos estudos realizados nos últimos anos são muito encorajadores, “Terapia Molecular” Hoje fui para a cama quando, há pouco mais de dez anos, era apenas um sonho poder pensar nisso, e nesta história grande parte do financiamento da investigação científica também foi feita pelo terceiro sector como em muitos outros casos Em todo o território nacional, dezenas de associações e instituições sem fins lucrativos estão empenhadas em garantir que o combate a estes tumores e a investigação científica não pare. É por isso que hoje conto a história de Luca e da associação que leva seu nome.

READ  o professor. Calabrese recebeu o Prêmio Montecitorio entre as "Excelências em Ciências Italianas" » Corriere Illorino

o objetivo da associação, Desde o início, o objetivo foi financiar os investigadores do laboratório de terapia genética “Stefano Ferri”, nascido em 2002, que funciona no Hospital San Gerardo de Monza, e que atua na área da investigação científica, em particular, no estudo de moléculas. Já no primeiro ano, a associação havia arrecadado recursos para comprar um nucleofator, as máquinas necessárias para “fazer” células e equipá-las com radar. Mas o ponto de viragem ocorreu em 2013, quando a AIFA deu luz verde para avançar com a construção da nova sala LUCA, sala dedicada exclusivamente ao projeto de Terapia Molecular onde serão instalados citofluorómetros e dispositivos Nucleofector.

Ao longo de doze anos de atividade, a associação angariou mais de um milhão de euros Fundos inteiramente dedicados à investigação científica. É justo e necessário repetir “absolutamente” porque a associação, desde o início e com a vontade de Andrea e dos fundadores, goza do carácter absolutamente voluntário dos participantes.

Estes fundos permitiram fazer progressos significativos na luta contra a leucemia infantil, desenvolver a investigação através do financiamento de vários investigadores e, finalmente, chegar ao “leito do paciente”, que não é o objectivo final, mas um importante ponto intermédio na luta contra a leucemia. câncer de sangue. Levaria anos para aperfeiçoar esta ferramenta, e muitos laboratórios e hospitais estão trabalhando nesse sentido. Mas hoje podemos dizer que a terapia molecular é mais uma ferramenta à disposição dos médicos para lidar com a doença, e grande parte desse sucesso se deve às inúmeras associações e fatos como “Quelli che…con Luca” que trabalham incansavelmente. em toda a Itália para divulgar e financiar pesquisas científicas que muitas vezes passam despercebidas e que salvam a vida de muitas crianças.

READ  Como o conhecimento é transmitido e disseminado? Scientific Press Review, novembro de 2021

Num futuro não muito distante, esperamos que seja possível levar estas tecnologias também para tumores sólidos que afetam principalmente a idade adulta. Nos últimos anos, a associação também se destacou pelas suas iniciativas sociais: além da “Casa de quem …com Luca”, sede da associação em Upoldo (Virgínia), a associação também produziu uma história ilustrada em duas versões para crianças da escola primária porque os colegas muitas vezes sofrem de doenças por medo e falta de conhecimento.

No próximo dia 17 de setembro completam-se 12 anos do falecimento de Luca e, como sempre, será organizado um grande jantar em sua homenagem. O sonho de Luca era ser chef e esta é a melhor forma de construir uma comunidade mantendo viva a sua memória. Sua luta continua nas pernas, mãos e corações de seu pai Andrea e de todos os amigos que ajudam e apoiam “Quelli che…con Luca”.