Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Alpinistas, viveiristas, apicultores, castanheiros: se o futuro passasse pela universidade

Alpinistas, viveiristas, apicultores, castanheiros: se o futuro passasse pela universidade

Jovens escaladores de árvores formados em ciências, viveiristas e apicultores formados em ciências agrárias ou florestais, castanheiros formados em história ou em economia e comércio, graduados no ensino médio clássico ou em contabilidade: todos com smartphones, tablets e parafusos nas mãos, para combinar treinamento Seus caminhos com uma carreira são visualizados para o futuro. Eles percebem: os aplicativos não substituem o conhecimento, nem mesmo na agricultura, e o conhecimento por si só não produz plantas ou frutas ou geleira Maroon ou lenha. Neles está a ideia de que ser castanheiro, agricultor ou podador não é necessário estudar muito, enquanto muita gente ainda acredita que os trabalhos ligados à agricultura não exigem pensar, mas sim trabalhar arduamente de cabeça baixa.

Por outro lado, um diploma é pessoal, é seu, contribui para a satisfação de longo prazo e pode ajudar a planejar investimentos e retornos de longo prazo. Daí o desafio enfrentado pelos institutos de ensino médio de várias disciplinas e universidades: fornecer habilidades que permitam que aqueles com entusiasmo e paixão sejam uma parte essencial da economia agrícola hoje e no futuro próximo. Não apenas consultores de outras empresas, mas empresários e produtores treinados e modernizados, porque a agricultura não pode permitir uma fuga de cérebros, muito menos de mãos e conhecimentos.

O encontro entre universidades e escolas é um momento importante na vida de muitos jovensEscolher o caminho depois de obter o diploma e o título mais adequados é uma decisão que, se errada, pode desperdiçar tempo, dinheiro e auto-estima preciosos. Este ano, os alunos do Instituto Virginio Donadio de Cuneo visitaram o Centro Regional de Cultivo da Castanha, uma infraestrutura de investigação da Universidade de Turim que inclui, como o Laboratório de Tecnologia Alimentar «G. Nicola », em Cuneo no Departamento de Ciências Agrárias, Florestais e Alimentares. O Centro de Cultura da Castanha faz parte da rede Eurocastanea e favorece a abertura de uma cultura que sempre foi marginal e montanhosa para os objetivos de internacionalização da universidade.

READ  Luz verde para acordo de continuidade para Cin e Moby. Conexões garantidas. Estado também paga os custos dos desastres de Onorato

Nos últimos meses, graças a colaborações com institutos de pesquisa europeus e não europeus, alguns alunos estão aprofundando seus conhecimentos na Espanha, Portugal, França, Áustria, Turquia e Chile. O Istituto Virginio-Donadio e as infraestruturas de pesquisa da universidade são o elo perfeito entre treinamento, pesquisa e negócios.

Neste momento histórico particular, o papel da universidade no setor agroalimentar é crucial pelo contributo inovador que pode dar, a começar por quem fundamentalmente molda o território através do estudo e do trabalho.

* Departamento de Ciências Agrárias, Florestais e Alimentares – Universidade de Torino