Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Afeganistão, um carro-bomba em Cabul: um massacre em frente a uma escola para meninas, um número oficial de 50 mortos

Na verdade, as colegiais, com medo da explosão, fugiram do prédio em pânico, mas foram mortas nas explosões subsequentes.

A explosão ocorreu na área Dasht-e-BarchiOeste da capital afegã, onde os residentes faziam compras para o feriado Eid al-Adha que se aproximava Eid al-Fitr O que marcará o fim do Ramadã na próxima semana.

É a mesma área que foi atingida pelo ataque do ISIS à maternidade pelos Médicos Sem Fronteiras em junho de 2020. “Eu vi corpos manchados de sangue em uma nuvem de fumaça e poeira, enquanto alguns dos feridos gritavam”, disse Rida, que sobreviveu ao explosão. . “Vi entre os corpos uma mulher procurando sua filha”, acrescentou. Então ela encontrou a mochila de sua filha e desabou. “

Pode ter causado a explosão Bomba de carro Explodiu por conta própria Enquanto as meninas saíram da escolaIsso foi seguido por dois foguetes. A Missão da União Europeia no Afeganistão e a Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão expressaram a sua raiva e condolências pelo ataque. Os Estados Unidos condenaram o ataque.

O Ministério do Interior afegão anunciou que havia aberto uma investigação sobre terrorismo. Ele também está no campo em Cabul para ajudar os feridos Emergência“No momento, já recebemos 26 pacientes feridos, quase todas as meninas têm entre 12 e 20 anos, enquanto uma pessoa já morreu na chegada”, disse Marco Pontin, coordenador do programa de emergência no Afeganistão. A organização mantém um de seus dois centros cirúrgicos na cidade para atender os feridos de guerra. “Estamos muito preocupados com isso Escalada de violência Isso atingiu Cabul e outras partes do país nas últimas semanas, Após o anúncio da retirada das forças da OTANPontine disse.

READ  Essas variantes que vêm da África: "vacine-as para nos salvar"

Depois de um ano de acordos entre os Estados Unidos e o Talibã, assinados em Doha no dia 29 de fevereiro, e depois de vários meses de negociações com o governo afegão, não houve descanso para a população, como afirma a ONG: segundo a missão da ONU OnamaNo primeiro trimestre de 2021, o número de vítimas civis já voltou aos níveis de 2019, anulando as esperanças criadas com a diminuição da violência registrada no início de 2020.