Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

A triste história dos heróis Azzurri da Europa em Il Tirreno

A triste história dos heróis Azzurri da Europa em Il Tirreno

A festa continua e tem que continuar. Porque a conquista dos sub-19 da Itália no Campeonato da Europa é uma injeção extraordinária de confiança no nosso futebol, cada vez menos habituado a vencer.

Depois de derrotas nas três finais da Copa da Europa para Fiorentina, Roma e Inter – além de uma decepcionante Eurocopa Sub-21 e a eliminação da Azzurra no último capítulo do Mundial Sub-20 vencido pelo Uruguai – na noite deste domingo 16 de julho também finalmente comemoramos. A Itália vencedora é uma fábrica de talentos mal crescidos que, no entanto, não encontram glória em nossas grandes ligas. E aqui cabe uma reflexão amarga: acreditamos mesmo nessas crianças? Os números dizem que não.

“Muito Jovem”

“Há uma falta de programação em nossos setores juvenis.” E ainda: “As crianças não jogam mais futebol na rua como antigamente, e hoje passam as tardes na frente do celular”. Quantas vezes ouvimos esses clichês cheios de retórica nos últimos anos – e muito mais? bastante. reintroduzido spray Principalmente depois das derrotas contra a Suécia em 2017 e a Macedônia do Norte, que nos levaram a assistir do sofá a duas edições consecutivas da Copa do Mundo. Sem a nossa seleção. No entanto, o triunfo da equipa de sub-19 diz-nos o que é Coisa boa No Berçário Azul. Há espaço para a esperança de um novo ciclo, de outras vitórias, de outras noites passadas na rua com a bandeira tricolor nos ombros enriquecida pelas buzinas comemorativas dos carros. Mais do que a falta de esmolas, o grande problema agora parece ser outro: Somos os primeiros a não acreditar na nossa juventude. Porque na Itália ainda existe um medo claro de apostar nas crianças, de jogá-las na batalha com grandeDê a eles uma chance. Ainda estamos presos a essa ideologia totalmente italiana, segundo a qual os ‘muito jovens’ não podem jogar no time principal.

READ  Juve, dias decisivos para Bonucci: negociações detalhadas com o Union Berlin e a verdade sobre a Lazio | primeira página

Números

Não é uma consideração filosófica. Nossa dificuldade em confiar em meninos que sabem fazer com a bola nos pés vem dos números. Em particular, desde os minutos que jogou pela primeira equipa na época passada. Sem exagerar nas estatísticas, basta olhar para os onze que participaram na final contra Portugal. Apenas quatro fizeram pelo menos uma aparição em uma das três divisões profissionais do nosso futebol. Estamos falando de jovens de 18 anos, não de bebês. Nesta idade já se pode brincar com adultos, como confirmam alguns exemplos mais recentes – iremos detalhar em breve. Agora vamos começar com os dados. Guarda-redes Sub-19 da Itália Davide Mastrantonio, nascido em 2004, propriedade da Roma: 990 minutos na época passada na Serie C em Triestina, onde muitas vezes acabou no banco. No papel de lateral-direito – no 4-3-3 de Pollini – está Filippo Missouri: também em 2004 e no ano passado somou 180 minutos na Serie A com a Roma, o treinador Mourinho, um dos treinadores mais corajosos da época . Venha para o campo para os jovens. Os zagueiros Alessandro e Lorenzo Delaval, ambos registrados no Torino e na Juventus, respectivamente, em 2004, jogaram pelo time. vai cantar De seus clubes sem provar a Série A, assim como o lateral-esquerdo da Atalanta, Iacopo Rigonesi (2004). E como o braço direito do meio-campo da Juventus, Luis Haasa. Metrônomo Sub-19 Giacomo Vaticante marcou 13 minutos na Liga Europa com a Roma. Dos três atacantes, apenas Samuel Fignato, nascido em 2004, viu o Campeonato Italiano com 57 minutos, assim como a Copa da Itália – 58 minutos – com a camisa do Monza. É preciso dizer que Francesco Esposito, atacante do Inter, é o único em 2005 nas primeiras 11 partidas da final. Também é justo destacar que Michael Cayode, lateral-direito, assinou pela Fiorentina em 2021 após 34 partidas e dois gols na Série A com Gozzano. Assim, viveu o futebol para os grandes – ainda que fosse classificado como amador. Destaque também para os 320 minutos do craque Luca D’Andrea na Série A – que, no entanto, não foi titular na final do dia 16 de julho – pelo Sassuolo.

READ  "Marquês? O tempo passa para todos."

Aprenda de fora

Um dos onze jogadores que defrontaram Portugal na final do Campeonato da Europa, na noite de domingo, desapareceu. Trata-se de Sher N’Dour, um meio-campista com características ofensivas que completará 19 anos no próximo dia 21 de julho. Sua história é uma prova de plástico do fato de que, se os jovens jogam no time principal, amadurecem rapidamente. E logo eles se tornam jogadores preparar. Mesmo nos grandes palcos. E no exterior eles entenderam isso muito bem. Mesmo nos níveis mais altos. Crescendo na Atalanta, no verão de três anos atrás, o português comprou N’Dour do Benfica. Ao contrário de Itália – onde até agora o único clube com uma equipa ‘B’ para jogadores jovens jogarem é a Juventus registada na Série C – em Portugal a equipa ‘B’ do Benfica joga na Série B. Segundo torneio mais importante do país, Ndour somou 2.401 minutos na última temporada, ou 30 partidas, marcados por quatro gols e uma assistência. Ao contrário de seus colegas de seleção, N’Dour tem um ano inteiro em um torneio-teste, o que significa muito em termos de experiência. E, de fato, N’dour era um jogador novo no PSG há alguns dias. Ele foi escolhido e comprado por um dos clubes mais ricos e importantes do mundo.

exemplos

Vamos começar com o mais recente. Em 2019, Erling Haaland – nascido em 2000, agora no Manchester City – foi titular e marcou pelo Salzburg na Premier League austríaca. Em seguida, Kylian Mbappé, a estrela do Paris Saint-Germain, nasceu em 1998: 29 partidas e 15 gols na temporada 2016-2017 em Mônaco. Mais recente é o exemplo de Bellingham, desde 2003 reforço do Real Madrid, que aos 16 anos estreou na equipa principal do Birmingham. Histórias no estrangeiro. Onde eles acreditam na juventude

READ  il gol negato da Abisso a Zaniolo ai raggi X

© Reprodução Reservada