Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

“A OTAN e a UE devem acolher todos os países que fazem fronteira com a Rússia” – Corriere.it

“A OTAN e a UE devem acolher todos os países que fazem fronteira com a Rússia” – Corriere.it

Do nosso correspondente
Polboaka – “Todo país que faz fronteira com a Rússia e não quer ser dilacerado deve ser membro pleno da União Européia e da OTAN. E há apenas duas alternativas para isso: ou uma guerra aberta ou uma ocupação insidiosa da Rússia. Brutal e direto, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky fala pessoalmente na cúpula do Grupo Político Europeu (CPE), realizada em Castel Mimi em Polboaka.uma vinícola histórica no leste da Moldávia, a quarenta quilômetros de Chişinău, não muito longe da fronteira com a Ucrânia e perto da Transnístria, a região separatista pró-Rússia.

Numa reunião muito simbólica, os chefes de estado e de governo dos 27 mais 20 outros países e os chefes das três instituições europeias reuniram-se para enviar um forte sinal ao Presidente russo Vladimir Putin e expressar o seu apoio ao governo de Chisinau no seu caminho para aderir à União Europeia. Mas com uma ausência significativa: o presidente turco Recep Tayyip Erdogan, que não aplicou nenhuma sanção contra Moscou. Ele foi convidado e finalmente anunciou que não participaria. Mesmo San Marino não estava lá, mas devido à crise governamental em andamento.

Zelensky pediu que a cúpula da OTAN em Vilnius em julho chegasse “um convite claro para a Ucrânia se juntar à aliança” e “uma decisão positiva clara sobre a adesão da Ucrânia à União Europeia”. O ímpeto e as exigências foram frustrados pelo líder holandês Mark Rutte, que disse que a adesão da Ucrânia à Otan “não é possível” agora, com uma “guerra contínua” em seu território. O primeiro-ministro Giorgia Meloni foi mais cauteloso: “Somos partidários da política de portas abertas, mas a adesão de Kiev à OTAN será o assunto da cúpula de Vilnius.”

READ  Edoardo Parmesan foi selecionado entre os aspirantes a médicos mais talentosos dos Estados Unidos

O CPE é a criatura lançada pelo presidente francês Emmanuel Macron em 2022 para estruturar as relações europeias fora da União. A primeira reunião, realizada em outubro passado, foi realizada em Praga, e a próxima reunião será em Granada. Grandes ambições mas poucos resultados tangíveis, aliás o texto das conclusões não era esperado, mas para a Moldávia, o país mais pobre da Europa, foi um sinal importante. Especialmente porque em fevereiro a presidente Maia Sandhu acusou a Rússia de tramar um golpe para derrubar o governo. Sandu disse que esta cimeira é “uma expressão clara da nossa unidade”, acrescentando que é “uma família europeia em que os países dentro e fora da União Europeia trabalham juntos para impedir a agressão e promover a paz”.

Zelensky também manteve conversas bilaterais com o primeiro-ministro britânico Sunak e depois com a presidente da Comissão da UE, Ursula von der Leyen, com quem falou sobre como implementar a paz na Ucrânia e reforçar o apoio global. Divididos em mesas temáticas, os líderes da UE discutiram segurança (incluindo imigração ilegal), energia e conectividade. Parte essencial da cúpula, os encontros são paralelos, como o encontro sobre a crise de Kosovo entre o presidente sérvio Vucic, um presidente otomano do Kosovo, o presidente Macron e o chanceler alemão Schulz.. A França e a Alemanha lançaram um apelo a novas eleições nos municípios do norte do Kosovo.