Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

A guerra na Ucrânia, Prigozhin: «As forças regulares russas fogem de Bakhmut».  Zelensky chega a Roma: amanhã ele encontrará Mattarella.

A guerra na Ucrânia, Prigozhin: «As forças regulares russas fogem de Bakhmut». Zelensky chega a Roma: amanhã ele encontrará Mattarella.

Prigozhin: forças regulares russas “fugem” para Bakhmut

As forças regulares do exército russo fugiram para Bakhmut. Isso foi afirmado por Yevgeny Prigozhin, chefe do Wagner PMC. O porta-voz do Ministério da Defesa de Moscou, Igor Konashenkov, disse que as unidades russas “se reagruparam” para assumir uma posição mais vantajosa. “O que Konashenkov disse é chamado de fuga, não de reagrupar”, comentou Prigozhin em seu canal no Telegram.

Moscou: Repelindo um ataque na frente de 95 km em Donbass

As forças russas repeliram um ataque ucraniano ao longo de uma frente de 95 quilômetros em Donbass. O anúncio foi feito pelo Ministério da Defesa da Rússia, citando agências russas. O ministério especifica que na área de Solidar foram repelidos 26 ataques das forças ucranianas, nos quais foram utilizados até 40 tanques e mais de mil soldados.

Amanhã é jogo do Matrala Zielinski

O Presidente da República, Sergio Mattarella, se reunirá amanhã com o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky. Os detalhes da visita são confidenciais por razões de segurança.

Canais do Telegram Z: o contra-ataque começou

Os canais russos do Telegram que documentam e apoiam a guerra e, portanto, comumente referidos como Z, começaram a escrever que a contra-ofensiva ucraniana começou. O blogueiro Yevgeny Poddubny afirma que as forças de Kiev “iniciaram uma operação para cercar” as forças russas perto de Bakhmut e conseguiram quebrar a frente russa na área de Solidar. E Alexander Coats anunciou que tanques foram avistados na estrada de Kharkiv para a fronteira russa, segundo ele, para forçar uma expansão dos recursos russos usados ​​para “parar a ameaça na região de Belgorod”. Poddubny também informou sobre a atividade militar ucraniana perto de Kharkiv. O ex-ministro da Defesa da República de Donetsk, Igor Strelkov, explicou que, no momento, estamos lidando com “apenas ataques locais, mesmo que sejam bem-sucedidos”.

READ  Os EUA, Grã-Bretanha, Rússia, China e França estão comprometidos com um "futuro livre de armas nucleares"

O enviado especial chinês deve visitar Kiev e depois Moscou na segunda-feira

O enviado especial da China para a crise na Ucrânia irá a Kiev na segunda-feira e depois a Moscou. O anúncio foi feito pelo Ministério das Relações Exteriores de Pequim.

Encontro entre Wagner e Shoigu em Bakhmut

O comandante da milícia Wagner, Yevgeny Prigozhin, convidou o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu, a ir pessoalmente “avaliar a situação” em Bakhmut, a cidade no leste da Ucrânia onde uma batalha feroz vem acontecendo há meses entre as forças ucranianas e russas. A mídia bielorrussa independente Nexta escreve no Twitter postando a carta de Prigozhin para Shoigu datada de 11 de maio.

Poderosa explosão em Melitopol

O prefeito exilado Ivan Fedorov relatou uma grande explosão em Melitopol, região de Zaporizhia na Ucrânia, citando o RBC Ucrânia. “Uma grande explosão ocorreu em Melitopol, no centro da cidade”, disse Fedorov. Segundo a RIA Melitopol, a explosão foi bem ouvida pelos moradores da parte central da cidade, no parque e no bairro de Beshanaya. Segundo as forças russas na cidade, a explosão foi uma bomba colocada em uma lixeira pelo exército ucraniano.

Prigozhin “irritando a liderança do Kremlin”

O líder e fundador do Grupo Wagner, Yevgeny Prigozhin, vai ainda mais longe. E suas recentes mensagens de vídeo, nas quais ele ataca Moscou de frente, questionando sua capacidade de proteger a Rússia, também estão “irritando seriamente a alta liderança” do Kremlin. Isso foi afirmado pelo Instituto para o Estudo da Guerra (ISW), citando fontes do Kremlin sob condição de anonimato em sua última atualização sobre o conflito na Ucrânia.

Kiev: os russos mentem sobre a falta de munição

É possível que as autoridades militares russas estejam mentindo sobre a suposta falta de munição na Ucrânia. Isso foi confirmado pela vice-ministra da Defesa de Kiev, Hanna Malyar, em uma postagem no Telegram, na qual destacou como os ataques aéreos russos “aumentaram dramaticamente” nas últimas semanas, e isso contrasta com as observações de alguns militares de alto escalão. líderes, como o chefe do Grupo Wagner, Yevgeny Prigozhin. Segundo Malyar, os russos intensificaram seu ataque às localidades de Liman e Bakhmut. “Durante a guerra, qualquer informação de natureza militar é uma arma. O inimigo está simplesmente nos enganando para seus propósitos militares.”

READ  Corriere.it notificará cortes de funcionários por e-mail

Moscou nega Kiev: não se submeta a Bakhmut

O Ministério da Defesa da Rússia negou relatos de que as forças ucranianas haviam penetrado em vários pontos ao longo da linha de frente e disse que a situação militar estava sob controle. O Guardian relatou isso. Moscou respondeu depois que blogueiros militares russos escreveram no Telegram que a Ucrânia estava avançando ao norte e ao sul da cidade oriental de Bakhmut, com alguns sugerindo o início de uma contra-ofensiva em Kiev.