Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

A direita sobe, Macron leva embora – Corriere.it

A partir de Stefano Montefiore

A mudança sob o Arco do Triunfo em Paris dura apenas algumas horas: Marine Le Pen apela ao Conselho de Estado, devido à fúria gaullista de Vallée Preis contra a identidade nacional

do nosso repórter
PARIS – Já foi baixada a bandeira europeia sob o Arco do Triunfo, a primeira polémica do ano que durou algumas horas, mas foi o suficiente para mostrar o quanto A campanha eleitoral francesa será realizada em ícones E em que medida a Europa se tornou – apesar de si mesma – um instrumento na corrida pelo Eliseu. A partir de 1 de janeiro de 2022, cabe à França assegurar a presidência rotativa de seis meses do Conselho da União Europeia, e parece que o Chefe de Estado Emmanuel Macron está determinado a explorar esta circunstância para relançar a integração e encontrar a verdadeira soberania europeia, em linha com a política que sempre apoiou nos últimos anos desde a noite da sua vitória, a 7 de maio, 2017, quando quiseram atravessar o pátio do Louvre na noite do Hino de Beethoven, hino de alegria, hino europeu.

Depois que o Brexit atrapalhou o calendário das presidências europeias, a República Tcheca se colocou à disposição para negociar com Paris para evitar que a votação para o Eliseu – 10 e 24 de abril de 2022 – caísse bem no meio do semestre francês. No entanto, Macron preferiu manter o seu compromisso de fazer da presidência da União Europeia o momento decisivo para o fim do seu primeiro mandato. Sua campanha também (embora ele ainda não tenha sido oficialmente renomeado). Assim, no passado dia 9 de Dezembro, foi realizada uma grande conferência de imprensa para explicar as etapas do semestre europeu do jornalismo internacional; As contínuas intervenções dos ministros para enfatizar o significado histórico do evento; A Torre Eiffel e o Palácio do Eliseu são iluminados em azul, a cor da Europa; E Na noite entre sexta-feira, 31 de dezembro e sábado, primeiro de janeiro, uma enorme bandeira azul com 12 estrelas apareceu sob o Arco do Triunfo, o local da bandeira francesa que geralmente é hasteada em ocasiões oficiais.

READ  Israel bombardeou um arranha-céu na sede da Al-Jazeera e da Associated Press em Gaza. Jornalistas: "Trabalhamos desde o hospital." "Estamos apavorados." A Casa Branca: "A segurança da mídia é uma responsabilidade primária"

A bandeira europeia já tinha aparecido em 2008, sob a liderança de Sarkozy, mas nessa ocasião ao lado da bandeira nacional. Desta vez azul branco vermelho à parte, embora por algumas horas, este Ele irritou candidatos de direita e extrema direita – Estes são os únicos que podem no momento alarmar Macron – e também partidários da França Insoumise (a esquerda radical). Marine Le Pen falou sobre a provocação Um recurso foi anunciado perante o Conselho de Estado. Eric Zemmour proteste a raiva, e Vale La Giulista em Cris (Talvez o adversário mais perigoso de Macron) denunciou a abolição da identidade francesa.

Ontem a bandeira europeia desapareceu: De acordo com a programação, confirma o Eliseu, que inicialmente falou de alguns dias sob o Arco do Triunfo. Marine Le Pen e os outros aplaudem como se tivessem repelido com sucesso a invasão do inimigo, e Macron se vê tendo que lidar com o impacto indesejado de sua corajosa escolha pró-europeia: A Europa, intimamente associada à pessoa do atual presidente, pode se tornar uma vítima colateral da campanha do Elysee, rejeitada por muitos franceses que não votariam em Macron (ou seja, a maioria, pelo menos no primeiro turno).

2 de janeiro de 2022 (alteração 2 de janeiro de 2022 | 22:10)