Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

A criança foi encontrada morta em uma lata de lixo.  “Dedicação à vida na cidade agora”

A criança foi encontrada morta em uma lata de lixo. “Dedicação à vida na cidade agora”

Lixeira onde corpo de bebê foi encontrado – foto

O corpo de um bebê recém-nascido, nascido algumas horas antes, foi encontrado sem vida dentro de uma lixeira de coleta de roupas usadas no Citta Study District, em Milão, por meio de Sandro Botticelli e Cesare Saldini.

Ontem, por volta das 20h, ele se aproximou da lixeira e alertou o 118 ao encontrar um bebê recém-nascido. O corpo estava visível, não havia sido trazido: ainda estava preso à placenta. Envolto em um moletom. A pessoa notou uma mãozinha e chamou outra pessoa para alertar o 118.

O Esquadrão Voador está investigando o caso. Câmeras da região e de hospitais estão sendo checadas, e o legista também está trabalhando para saber se a criança foi abandonada com vida ou já está morta. A hipótese mais reconhecida é a segunda: a área é popular, então se a menina tivesse chorado, alguém teria notado. Estamos tentando entender se dificuldades ou dificuldades específicas foram relatadas aos serviços sociais da área. Neste momento, o processo por infanticídio contra desconhecidos será aberto pelo advogado Paolo Storari.

Algumas semanas atrás, em Milão, um recém-nascido Enea foi deixado em um berço para toda a vida no Policlínico, enquanto outro foi entregue por sua mãe ao hospital logo após o parto, que ocorreu em um armazém abandonado na periferia da cidade. .

Ficamos horrorizados ao saber da mídia a trágica notícia de uma menina encontrada morta em uma lixeira de roupas usadas em Milão. Também “expressamos nossa mais profunda dor pelo que aconteceu”, bem como “nossas orações pelas pequenas vidas perdidas e pelos envolvidos”. Ele escreve em uma nota Luciano Qualcetti, diretor da Caritas AmbrosianaRessalta ainda que nenhum dos operadores da cooperativa esteve envolvido na descoberta do cadáver em uma lixeira administrada pela Cooperativa Cita e Salute (que integra a Rede Reutilizar).

READ  MDL: 4,4 bilhões de ajuda para famílias e empresas, gasolina caiu 25 centavos - mundo

“Nossos centros de escuta e nossos serviços – explica Gualchetti – apoio e apoio diário, muitas vezes em colaboração com centros de suporte à vida, pais e mães que lutam com partos indesejados ou difíceis”. Portanto, “acontecimentos dolorosos como o de ontem confirmam nosso compromisso de proteger e promover a vida nascitura, apoiar famílias carentes e intensificar esse foco”.

“Numa cidade civilizada, com todos os tipos de serviços, no hospital Mangiagalli, na manhã de Páscoa, quando a menina Enya foi salva, alguém guardou o recém-nascido em uma lata de lixo? – ele se pergunta. Marina Cassini, Presidente do Movimento Italiano pela Vida -. Por que exatamente a lixeira da caritas é usada para coletar roupas usadas e não a lixeira municipal: alguma mensagem nessa escolha? A criança parece colocada em visibilidade: expõe a possibilidade de ser salva por alguém? O que levou a mãe ou alguém a dar um passo tão trágico? O bebê estava vivo quando foi levado para a lixeira ou já estava morto?” São “muitas perguntas num instante” que não aliviam a dor de mais uma vez enfrentar notícias comoventes sobre bebês recém-nascidos, vítimas da degradação e da solidão. Desta vez, em Milão, uma menina recém-nascida foi encontrada sem vida em uma lixeira da Caritas que recolhe roupas usadas.

Marina Cassini ecoa os sentimentos de muitos: “Que dor nesta descoberta”. Mas a dor da morte de um filho recém-nascido não pode ter fim: “É certo que não podemos ficar tristes e sufocar diante de tal notícia – comenta a líder do movimento pela vida e as lideranças. “Um de nós” , a rede europeia de associações pró-vida – Agitação social (não só econômica), humana, é preciso reagir e prevenir o que leva a uma combinação de angústia emocional, espiritual, isolamento e desespero”. Diante do pequeno corpo inerte da menina em uma rua de um bairro rico de Milão, é preciso fazer promessas concretas: “Toda a sociedade – acrescenta Cassini – é obrigada a assumir a responsabilidade de preparar todos os instrumentos possíveis. Os filhos mais novos, inclusive os nascituros, são rejeitados, jogados fora, removidos, rejeitados, até a morte. Pare de ser vitimizado, abandonado e morto. Uma sociedade evoluída não pode se dar ao luxo de ficar indiferente a apenas relatar a mensagem como uma mensagem. Temos que fazer algo juntos.” Assim, a proposta: «MPV traz sua experiência combinada em público ao Município e ao Prefeito de Milão através de uma rede de Centros de Assistência à Vida, Casas de Acolhimento, Sos Vita e o Projeto Gemma – sem preconceitos e barreiras ideológicas – para buscar soluções múltiplas. – Tabela de itens. Queremos finalmente nos unir em nome de uma justa e obrigatória responsabilidade pelos mais fracos e indefesos?».

READ  "Juve for life": notícias oficiais sobre a contratação - CalciomercatoWeb.it

A reflexão que flui do coração é cheia de dor Soemia Sibillo, Diretora do Centro de Suporte à Vida da Clínica Mangiagalli em Milão: “É uma grande tristeza. Sem palavras. Apenas um silêncio que nos abala e nos questiona. Um silêncio que faz tanto barulho e dor. Uma vida deixada ali, junto com coisas que não precisamos mais, nos livramos sem pensar muito . De desperdício, indiferença, solidão. A cultura nos lembra de nossa responsabilidade de proteger uma nova vida.”