Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

A Comissão promove parcialmente a manobra orçamental de Itália – EURACTIV Italia

A Comissão promove parcialmente a manobra orçamental de Itália – EURACTIV Italia

A Comissão Europeia está a promover parcialmente a manobra orçamental empreendida pelo governo italiano liderado por Giorgia Meloni, juntamente com a Áustria, a Alemanha, o Luxemburgo, a Letónia, Malta, os Países Baixos, Portugal e a Eslováquia.

Ao apresentar o Pacote do Semestre Europeu de Outono ao Parlamento da UE em Estrasburgo e delineado pelo Comissário da Economia Paolo Gentiloni, Vice-Presidente da Comissão da UE e Comissário Europeu do Trabalho e Direitos Sociais Nicola Schmitt, a Comissão promoveu apenas sete países, nomeadamente Chipre. Estónia, Grécia, Espanha, Irlanda, Eslovénia e Lituânia, enquanto Bélgica, Finlândia, França e Croácia podem não estar alinhados.

A Comissão Europeia observa que a Itália, no plano orçamental apresentado, não respeita integralmente o limite máximo de despesas previsto para o próximo ano com base nas recomendações do Conselho da União Europeia.

A Comissão Europeia especifica que Roma deve estar “pronta para tomar as medidas necessárias” para colocar as finanças públicas de volta nos trilhos.

Esta situação pode ser um precursor de medidas relativas ao défice excessivo em 2024.

Garantir políticas fiscais mais prudentes

Na conferência de imprensa organizada em Estrasburgo, o vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, disse que Bruxelas recomenda “aos Estados-membros que garantam políticas fiscais mais prudentes”.

Por seu lado, o Comissário Gentiloni afirmou que embora o Banco Central Europeu continue a combater a inflação, é necessário “adotar políticas fiscais coordenadas e prudentes, começando pela redução das medidas de apoio ao poder”.

Segundo Gentiloni, é necessário “melhorar a sustentabilidade das finanças públicas e evitar pressões inflacionistas, ajudando assim as famílias a recuperar o poder de compra”, sendo igualmente importante que os governos permaneçam flexíveis, dado que as tensões geopolíticas lançam incerteza sobre a situação económica. “Horizontes”.

“Apelamos também aos governos da área do euro para que garantam níveis elevados e sustentáveis ​​de investimento, tanto público como privado”, disse o Comissário da UE.

Sem falha

Respondendo aos jornalistas em Estrasburgo, Gentiloni afirmou que a Comissão Europeia, quando diz que a Itália e outros países que não estão totalmente alinhados com as recomendações do Conselho devem estar preparados para adoptar medidas adequadas, não está na verdade a pedir hoje que prossigam com manobras correctivas.

READ  Preços dos combustíveis, ainda subindo para gasolina e diesel

“Os nossos apelos são unificados para diferentes grupos de países e dizem respeito a países que não estão totalmente alinhados com as recomendações, nove países. São apelos para tomar medidas apropriadas, mas não para implementar ações corretivas.”

No passado dia 14 de julho, com base nas propostas da Comissão, o Conselho recomendou à Itália o objetivo de um aumento nominal da despesa pública líquida não superior a 1,3%, de 2023 a 2024.

A Itália cumpre, ainda que nominalmente, as recomendações, porque de acordo com as previsões económicas de outono do executivo da UE, a despesa pública líquida aumentará 0,9% em 2024, em comparação com 2023, o que está bem abaixo do máximo de 1,3%.

No entanto, como observou a Comissão Europeia, o aumento das despesas teria sido maior do que parecia. A meta de 1,3% baseou-se nas previsões económicas da primavera passada, que previam um aumento muito menor nas despesas em 2023 do que realmente ocorreu.

Subjacente a esta diferença está a reclassificação governamental dos créditos fiscais previstos no Super Bónus, que passarão a ser exigíveis em 2023 e incobráveis ​​em 2024. Isto assistiu-se a um forte aumento de pedidos de Super Bónus em 2023, com um aumento significativo do bónus. Primário. Despesas públicas, equivalentes a 0,8% do PIB a mais do que o esperado na primavera.

Segundo a Comissão, se a recomendação sobre o limite máximo de despesas para 2024 tivesse sido feita com dados reais para 2023, e não com base nas previsões da primavera, a Itália teria ultrapassado o limite no equivalente a 0,6% do PIB.

O ponto 15 do parecer do Comité sobre os planos orçamentais italianos afirmava que a despesa pública primária nacional líquida foi avaliada como não estando totalmente em conformidade com a recomendação.

READ  Leilão BOT de amanhã, 9 de junho de 2023: Retorno esperado de até 3,6% por 12 meses

Assim, de acordo com as previsões da Comissão, o crescimento da despesa primária líquida financiada a nível nacional deverá respeitar a taxa máxima de crescimento recomendada em 2024. “No entanto – lemos nas conclusões da Comissão – se a despesa líquida em 2023 fosse a mesma que o esperado em … No momento da recomendação, a taxa de crescimento resultante da despesa líquida em 2024 será superior à recomendada.

A opinião da Comissão Europeia surge depois de a agência de rating Moody’s ter revisto a sua perspetiva para Itália de “negativa” para “estável”, afirmando a notação em Baa3, que é o nível mais baixo entre as opiniões de grau de investimento. A desvalorização teria levado a Itália ao chamado nível de “lixo”.

[A cura di Simone Cantarini]