Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

A China não forneceu armas à Rússia.

A China não forneceu armas à Rússia.

“Não subestimo a China ou a Rússia, mas acho que superestimamos” a aliança deles. Estas são as palavras do Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, que assim responde a questões sobre a relação entre a Rússia e a China após a visita do Presidente chinês Xi Jinping a Moscovo e o seu encontro com Vladimir Putin no Kremlin.

Leia também

“Falamos há 3 meses” sobre o possível contributo de Pequim para a guerra travada pela Rússia na Ucrânia, diz Biden, em Ottawa, em conferência de imprensa conjunta com o primeiro-ministro canadiano Justin Trudeau, mas os chineses “ainda não forneceram a Moscovo ” com armas. . “Isso não significa que não o farão”, diz o presidente dos Estados Unidos, “mas ainda não o fizeram”. “Se algo acontecer, o Ocidente está disposto a fazer mais”, diz ele.

O Canadá e os Estados Unidos darão o apoio necessário à Ucrânia. “Como você bem sabe, senhor presidente, o Canadá continuará a apoiar a Ucrânia custe o que custar. Somos ambos parceiros com os quais a Ucrânia e o mundo podem contar”, disse Trudeau. De Biden, novos golpes para Putin.

“Seu desejo de conquista e poder até agora não foi satisfeito”, disse o primeiro homem na Casa Branca. “O amor do povo ucraniano por seu país prevalecerá.” Ele repetiu: “Putin estava confiante de que neste ponto ele quebraria a OTAN. Manteremos a aliança forte e unida e defenderemos cada centímetro do território da OTAN: um ataque a um de nós é um ataque a todos.”

READ  Gás, defesa e alianças, é assim que a nova geopolítica redefine o equilíbrio no Mediterrâneo a partir do papel da Grécia