Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Voar perto de um asteróide, mas sem os riscos

Voar perto de um asteróide, mas sem os riscos

Apenas duas semanas após o sobrevôo do Asteróide 2023 EY de 2023 EY em 17 de março, outra rocha espacial está prestes a roçar nosso planeta em 25 de março, passando novamente dentro da distância que separa a Terra da Lua: desta vez é o asteróide 2023 DZD 2Que atingirá uma distância não inferior a 168.000 km da superfície da Terra, menos da metade da distância entre nosso planeta e o satélite, mas em qualquer caso é totalmente seguro.

Espera-se que seja a aproximação mais próxima da Terra Às 20h52, horário italiano, em 25 de marçoOu, mas o novo visitante também ficará visível nas horas seguintes. Para poder observar o asteróide, visível no hemisfério norte, necessito de um Telescópio com um diâmetro de pelo menos 15 cm: 2023 DZ2 aparecerá como uma estrela que se move lentamente acima do horizonte sudeste, a leste das constelações de Orion e Canis Major e Minor.

Também será possível assistir ao vivo, graças ao evento organizado pelo Virtual Telescope, que também será transmitido online pela ANSA Scienza a partir das 00h30 da noite de 25 a 26 de março.

O asteróide 2023 DZ2 tem um diâmetro entre 40 e 100 metros, pelo menos três vezes maior que o que explodiu em 2013 sobre Chelyabinsk e viaja a cerca de 28.000 quilômetros por hora.

a primeira nota Deste asteroide caiu fevereiro de 2023Graças ao Observatório de La Palma nas Ilhas Canárias. A princípio, parecia que 2023 DZ2 teria uma chance em 430 de atingir a Terra em sua próxima passagem, em 2026, uma vez que orbita o Sol em uma órbita completa em pouco mais de três anos. Mas cálculos posteriores, baseados em dados mais precisos, eliminaram essa remota possibilidade, Conforme observado pela Agência Espacial Europeia (ESA) no Twitter.

READ  Upgrade para Extra e Premium pode ser descontado, até 50% - Nerd4.life

https://www.youtube.com/watch?v=gNogH02VERo

A reprodução é reservada © ANSA Copyright