Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Ucrânia, The Times: “Putin prepara teste nuclear na fronteira ucraniana” – Europa

Teste de armas nucleares na fronteira ucraniana. Após dias de expansão verbal sobre a ameaça nuclear da Rússia, Vladimir Putin pode estar pronto para um gesto demonstrativo confuso para aumentar ainda mais as tensões com o Ocidente. Segundo o Times, o alarme foi desencadeado por um relatório de inteligência enviado pela OTAN aos Estados membros: um relatório alertando Moscou sobre possíveis testes de força por meio de simulações envolvendo o uso de armas nucleares. Com a recente interceptação do submarino Belgorod no Mar Ártico e um possível teste do torpedo Poseidon na plataforma de lançamento, o novo alerta será sinalizado por um trem militar da divisão nuclear em direção à Ucrânia. As últimas geolocalizações conhecidas ainda são dadas na região de Moscou, a centenas de quilômetros da fronteira. Segundo o analista Konrad Musica, a unidade é responsável pelas armas nucleares, seu armazenamento e manutenção, podendo ser utilizada em um “exercício estratégico de dissuasão”. Os movimentos do trem foram relatados no domingo pelo canal pró-russo Rybar Telegram, que descreveu veículos blindados carregados com novas peças de artilharia equipadas com canhões, metralhadoras e granadas.

Rússia, trem da divisão nuclear a caminho da frente ucraniana


De acordo com uma fonte sênior de defesa ocidental citada pelo jornal britânico, a demonstração de poder de Putin usando armas nucleares ocorrerá no Mar Negro. Armas nucleares na Ucrânia. No entanto, nesse caso, os riscos de Moscou seriam inevitavelmente maiores. “Eles podem cometer um erro e acidentalmente atingir uma cidade russa como Belgorod, perto da fronteira com a Ucrânia”, explicou a fonte. Para o professor da Universidade de Leicester e especialista em armas nucleares Andrew Footer, mobilizar o trem de armas nucleares agora representa o alerta de Putin ao Ocidente. No entanto, em preparação para a provocação nuclear, a inteligência amiga permanece cautelosa. “Não temos indicação de que as forças armadas russas estejam acumulando seus recursos ou pessoal relacionado a armas nucleares: tudo está normal no momento”, explicou um alto funcionário da defesa ocidental. Mas a Otan não negou oficialmente a reportagem do Times e os temores de um gesto irresponsável do czar diante da contrainsurgência em solo ucraniano de Kharkiv a Kherson permanecem fortes. Em entrevista à CBS, o diretor da CIA, Bill Burns, alertou que “Putin se sente encurralado e pode ser muito perigoso e imprudente. o número um na inteligência dos EUA. Apesar da promessa de “amizade”, ele lembrou. A China se recusou a fornecer apoio militar para o ataque à Ucrânia.

Durante seu briefing diário, o Ministério da Defesa russo mostrou um mapa militar mostrando uma retirada significativa das forças de Moscou de algumas partes do norte da região de Kherson, no sul da Ucrânia. O mapa mostra tropas russas deixando vários locais, incluindo Datsani, na margem oeste do rio Dnieper, onde o exército ucraniano lançou uma contra-ofensiva.
A bandeira ucraniana foi hasteada pelas forças de Kiev na aldeia de Davydiv Brit, na região de Kherson. O deputado Roman Losinsky, que serve nas forças de segurança de Kiev, disse no Facebook. David Britt “estuprado pela ocupação russa. Vai se tornar uma das pérolas de nossa viagem pelo sul da Ucrânia após a vitória. Nos vemos no rio Inhulek!” Ele escreveu. O progresso da contra-ofensiva ucraniana no sul continua com a retomada de várias posições, e ontem as defesas de Moscou admitiram ter violado suas linhas de defesa em Kherson.

Em 30 de setembro, o presidente da Ucrânia Volodymyr Zelensky aprovou a decisão do Conselho Nacional de Segurança e Defesa, afirmando que as negociações com o presidente da Federação Russa Vladimir Putin são impossíveis e a necessidade de fortalecer as capacidades de defesa da Ucrânia.
Tendo em conta os resultados da reunião, “foi confirmado que é impossível negociar com o Presidente da Federação Russa Vladimir Putin”. Isto é relatado por Ukrainska Pravda.