Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Ucrânia: A cúpula Kiev-Moscou falhou e não havia prazo. Os primeiros ataques no oeste do país – o mundo

A TV e a mídia ucraniana relataram explosões em Lutsk, No noroeste da UcrâniaE também em Dnipro, uma cidade do interior localizada no rio Dnieper, na parte centro-leste do país. Isso foi relatado pela BBC, confirmando que não houve bombardeios russos nessas cidades até agora. O ataque em Lutsk teve como alvo um aeroporto, segundo moradores locais. Há também relatos de que o ataque russo atingirá uma fábrica, que é o único lugar onde alguns motores a jato de caça podem ser reparados.
O prefeito de Lutsk confirmou que as explosões ocorreram perto do aeroporto e pediu que as pessoas se refugiassem. O canal ICTV da Ucrânia informou que uma fábrica perto do aeroporto pegou fogo. Lutsk é uma cidade no noroeste da Ucrânia, capital da região de Volyn, localizada 150 km ao norte de Lviv, para onde muitas embaixadas ocidentais se mudaram.
Em Dnipro, a mídia ucraniana relatou três explosões, uma das quais teria atingido uma fábrica de calçados de dois andares. As outras duas explosões ocorreram perto de um berçário e de um prédio de apartamentos, segundo reportagens publicadas pela BBC.

Oeste tem como objetivo isolar a Rússia cada vez mais Na frente econômica, em resposta à invasão da Ucrânia. Com a liderança dos EUA que quer agarrar todas as franquias de negócios em Moscou.
Após o grande fracasso da reunião entre os chanceleres de Moscou e Kiev, Sergey Lavrov e Dmytro Kuleba, ontem na Turquia, o vislumbre do armistício foi concluído.
Pelo contrário, a defesa americana registou outra aproximação do exército a Kiev, a cerca de 5 quilómetros. Imagens de satélite de um comboio russo mostraram a redistribuição do exército em áreas próximas – um sinal de pressão renovada sobre a capital ucraniana.
A cidade de Chernihiv ao norte foi severamente danificada. Em outras frentes, as autoridades ucranianas denunciaram o ataque ao Instituto de Pesquisa Nuclear de Kharkiv, que abriga um reator experimental.
A situação mais dramática para as cidades sitiadas continua sendo Mariupol. O vice-prefeito informou que mais de 1.200 corpos foram retirados das ruas e começaram a ser enterrados em valas comuns. De Kiev, Volodymyr Zelensky acusou os russos de lançar um ataque ao corredor humanitário da cidade do sul. “Estamos diante de um estado terrorista”, declarou o presidente ucraniano, no qual 100.000 civis foram evacuados das zonas de combate.
Por outro lado, Moscou solicitou a convocação do Conselho de Segurança da ONU para discutir “atividades militares biológicas dos EUA na Ucrânia”. Zelensky respondeu que estava preocupado que isso fosse uma desculpa para Moscou lançar ataques com armas proibidas: “Se você quer conhecer os planos da Rússia, veja o que a Rússia acusa outros de conspirar”.
Uma reunião do Conselho das Nações Unidas sobre esta questão foi convocada hoje.
Enquanto isso, Joe Biden, que já atingiu a Rússia com duras sanções e também parou de importar gás e petróleo, quer ir ainda mais longe. A Bloomberg informou que o presidente dos EUA está se preparando para exigir o fim das relações comerciais normais com a Rússia, abrindo caminho para um aumento nas tarifas de importação. O anúncio da abolição das concessões comerciais virá com os líderes do Grupo dos Sete e da União Europeia. A suspensão das relações comerciais normais, também conhecida como cláusula da nação mais favorecida, colocaria a Rússia em pé de igualdade com países como Cuba e Coreia do Norte. Isso permitiria aos Estados Unidos impor tarifas muito mais altas do que outros membros da Organização Mundial do Comércio.
Os líderes da União Europeia, que se reuniram em Versalhes sob a presidência do semestre francês, também estão prontos para impor novas sanções.
Na declaração de encerramento, os 27 chefes de Estado e de governo pediram à Rússia que suspendesse as operações militares, garantisse o acesso humanitário e a segurança das usinas nucleares.
Por outro lado, a atitude em relação ao pedido de adesão apresentado por Kiev é mais preliminar. A declaração afirma que “o Conselho convidou a Comissão a dar o seu parecer sobre este pedido de acordo com as disposições pertinentes dos tratados. Enquanto aguarda e sem demora, continuaremos a reforçar os nossos laços e a aprofundar a nossa parceria para apoiar a Ucrânia no seguimento da sua caminho europeu”. Por outro lado, a China descreveu as sanções como “danos à recuperação global” e indicou que “trabalharia com a comunidade internacional para evitar uma maior escalada”.
Continua sendo um alarme internacional para o estado das usinas nucleares. A Agência Internacional de Energia Atômica anunciou as inspeções depois que Kiev disse que havia perdido contatos com Chernobyl. Até agora, a Agência Internacional de Energia Atômica não conseguiu confirmar os relatos de que as linhas de energia da usina serão reparadas no dia seguinte à perda da fonte de alimentação externa.

READ  'Tudo como antes, aqui está a grande mentira do governo Draghi': Barcos venezianos protestam contra a partida do navio de cruzeiro

1.207 corpos foram recuperados nas ruas de Mariupol. Para o vice-prefeito Serhii Orlov lidar com a BBC. De acordo com o New York Post, um número exato de mortos atualmente não é possível: os necrotérios da cidade estão cheios e os corpos começam a ser enterrados em valas comuns.

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky acusou Moscou de lançar um ataque a um corredor humanitário em direção a Mariupol. Então Zelensky acusou as forças russas em um vídeo de impedir a evacuação de civis das cidades de Mariupol e Volnovaka e violar o cessar-fogo. O líder ucraniano acrescentou que em dois dias cerca de 100.000 pessoas foram evacuadas das cidades localizadas nas zonas de combate.

A Rússia abrirá unilateralmente corredores humanitários para a evacuação de civis ucranianos para seu território a partir de amanhã às 10h, horário local (9h, horário italiano). Isso foi afirmado pelo Ministério da Defesa, citando a TASS.

A tão esperada reunião na Turquia Entre os ministros das Relações Exteriores da Rússia e da Ucrânia, Sergey Lavrov e Dmytro Kuleba, a primeira reunião diplomática de alto nível desde o início da invasão, terminou com muro contra muro.

Não haverá cessar-fogo no momento, acusações mútuas de brutalidade persistem no conflito e ainda é difícil vislumbrar uma solução diplomática. Mas nos bastidores, algo pode ter acontecido, indicando tímidos vislumbres de uma futura reunião de cúpula – “a única saída”, segundo o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky – quando a situação militar no terreno estiver mais próxima dos objetivos reais de Moscou, que entretanto decidiu deixar o Conselho da Europa. Também porque no cabo-de-guerra sobre as penalidades, O chefe do Kremlin não mencionou nenhum retrocesso e alerta que as repercussões de uma “guerra econômica” contra a Rússia terão repercussões para o Ocidente.

READ  A noite está em perigo »- Corriere.it

Putin: Respeitamos as obrigações de exportação de energia


Em Antalya, os dois principais diplomatas sentaram-se frente a frente, junto com um de seus negociadores da Bielorrússia, para sinalizar a continuação do curso das negociações que foram seguidas até agora. Mas para aqueles que esperavam um avanço, os últimos pronunciamentos foram um banho frio.

“Recebemos a garantia de que não temos alternativa. Aqueles que enchem a Ucrânia de armas devem entender que são responsáveis ​​por suas ações”, disse Lavrov, enfatizando que não deseja “substituir ou reduzir” as negociações no terreno. Por sua vez, Kuleba criticou a estagnação no nível humanitário, tentando ferir seu colega de orgulho.. “Em relação ao cessar-fogo de 24 horas, não avançamos, parece que outras pessoas estão decidindo isso na Rússia”, atacou o ministro ucraniano, reclamando do impasse nos corredores humanitários de Mariupol sitiada.

Ucrânia e Koliba: ‘Pouco progresso desde as conversações de hoje’

A cisão vem das palavras do mediador, chefe da diplomacia turca, Mevlut Cavusoglu. “Precisávamos de um começo e, se continuarmos neste caminho, juntos podemos alcançar um resultado”, desejou, prometendo trabalhar para uma reunião de cúpula: “Kuliba disse que o presidente Zelensky estava pronto para isso” e Lavrov “que o presidente Putin não era contra ela em princípio.”

No entanto, o curso das negociações ainda é muito longo – espera-se agora uma quarta rodada na Bielorrússia – como confirmado pela chuva de bombas ainda caindo sobre a Ucrânia e também pela grande fuga de Kiev, que foi abandonada em 15 dias de guerra por metade. da população, segundo o prefeito Vitali Klitschko.

“Com o chanceler Schulz, falamos hoje novamente com Putin para obter um cessar-fogo” na Ucrânia “e uma saída para o conflito que pode ser político. Digo aos franceses, estou preocupado, pessimista, não vejo um cessar-fogo nos próximos alguns anos”, advertiu o presidente francês Emmanuel Macron. “A curto prazo – acrescentou – não vejo soluções diplomáticas, mas espero que sim e continuaremos a insistir.”

READ  Depois da Áustria, a Eslováquia também voltou ao bloqueio

Enquanto isso, de Moscou, Putin volta à ofensiva, traindo os efeitos cada vez mais severos do isolamento e das sanções internacionais, que estão deixando a economia russa de joelhos. Mas empurrá-lo para o abismo, como o líder do Kremlin ameaçou, custaria caro ao resto do mundo.

Começando com um boom da inflação também impulsionado pelos alimentos. “Rússia e Bielorrússia – enfatizou em videoconferência com seus ministros – estão entre os maiores fornecedores de fertilizantes minerais nos mercados mundiais. Se continuarem a criar problemas de financiamento, seguro, logística e entrega de nossos produtos, então os preços, que são já exorbitante, subirá novamente”. Também na outra frente quente, ou seja, os preços da energia, o czar trouxe de volta acusações de especulação ao despachante, garantindo que Moscou cumpriria todas as suas obrigações de abastecimento, inclusive através da Ucrânia. Enquanto ameaça tomar medidas “decisivas” contra empresas estrangeiras que deixam a Rússia, Putin está relançando seu desafio ao equilíbrio global. “Vamos encontrar uma solução para todos os problemas com nossos parceiros que não reconhecem as sanções”, disse ele.

Ucrânia, Lavrov: ‘O Hospital Mariupol era uma base para o Batalhão Azov’