Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

“Somos como zumbis ambulantes.  “Não há lugar seguro na Strip” – Corriere.it

“Somos como zumbis ambulantes. “Não há lugar seguro na Strip” – Corriere.it

A última notícia é que ficamos sem arroz. Este é outro problema além de todos os problemas que já temos. Acabei de voltar da aula de culinária, que não era uma aula. Imagine centenas de pessoas reunidas, gritando e berrando para conseguir um pão antes dos outros, não chega para ninguém. Sou Muhammad, tenho 40 anos, esposa e quatro filhos. Mudamos de campo de refugiados durante cinco dias. Estamos no campo UNRWA Kitak, que é um campo de refugiados no sul, muito perto do mar. Viemos da Cidade de Gaza, onde não resta mais nada e não sei se a minha casa ainda está de pé. Viemos aqui com nossas famílias: somos 46.

Desta vez é diferente

O campo é enorme, Há 45 mil pessoas deslocadas. Quarenta e cinco mil Gazawi (Moradores de Gaza, Sr. Dr.) que perderam tudo, até a dignidade. Sei que nasci num país complicado e vi guerras e bombardeamentos, mas não conseguia imaginar o que estava a acontecer. Nunca pensei que me sentiria como um animal. Eles nos transformaram em animais Os que fedem, os que não lavam, os que passam fome e brigam por um pedaço de pão. Todos nós perdemos alguémIrmão, amigo, esposa, filho. Não há nada que você possa fazer, desta vez é diferente. Nunca os vi bombardear um hospital. Parece que o exército está jogando videogame e somos personagens imaginários fugindo, não humanos. Bombas em mesquitas, escolas e igrejas.

Penso que se sentem à vontade para o fazer porque não há ninguém aqui para testemunhar o horror deste massacre. Não há imprensa internacional e independente. Há repórteres corajosos de Gaza, mas muitos deles foram mortos. Perdi seis dos meus amigos jornalistas este mês e em dez dias de guerra. Eles querem ouvir que condenamos o Hamas? Condenamos o Hamas. Eles nos perguntam: eles são terroristas para nós? Bem, para nós eles são terroristas. Mas como você justificará o assassinato de nossas crianças e de civis inocentes? O Hamas não pode ser uma desculpa para esta injustiça.

READ  França prende senador acusado de drogar e estuprar parlamentar com bebida em sua casa
Nunca seguro

Disseram-nos para virmos para o sul para não termos bombas na cabeça, mas nós as trazemos para cá também. Não há lugar seguro na Strip. Sabemos que, quando terminarem com o Norte, farão o mesmo noutros lugares, com a desculpa habitual: o Hamas. Eles estão prestes a fazer isso e nos dizem que estão vindo para o sul.

Mas queremos ficar em Gaza, onde nascemos. É por isso que estamos fugindo hoje para nos salvar. Há alguns meses estive na Itália, me ofereceram para me mudar para vocês, seria ótimo, mas sou daqui e adoro esse setor esquecido por Deus.

Nas últimas semanas, a Cidade de Gaza tem sido um inferno, no entanto O campo de refugiados é outro tipo de inferno. Estamos andando zumbis. Comemos uma vez por dia, por volta das cinco da tarde. As crianças choram porque estão com fome. Damos de comer aos mais pequenos ainda de manhã cedo, ao acordarem. As crianças mais velhas compreendem a situação e tentam não reclamar, mas as crianças de um, dois, três ou quatro anos protestam. Nós, adultos, comemos o mínimo possível para deixar o pouco que resta para nossos filhos. Dormimos ao ar livre para que possamos dar-lhes um teto e uma barraca para ficarem. Os últimos dias, à noite Faz frio em Gaza e adoecemos facilmente. Temos gastroenterite, bronquite e manchas na pele. Não podemos nos lavar e a fila para ir ao banheiro dura pelo menos uma hora. Até para pegar uma garrafa de água é preciso ficar na fila. Passamos nossos dias na fila para sobreviver.

Observação amarga

a Net esta lenta. Lá, assistimos a vídeos que mostram o exército israelense em ação e escrevemos para nossos amigos no WhatsApp para saber se estão vivos. Há poucos dias, um amigo que mora longe me perguntou se nos sentíamos abandonados pela comunidade internacional. Eu disse a ele que não. Estamos acostumados a não existir. Quando a guerra eclodiu em Kiev, o mundo inteiro estava preocupado com os ucranianos. Nós também estávamos. Ninguém se preocupa com o povo de Gaza, mas nós sabemos disso.

READ  Covid, a infecção segue para a Europa Oriental com poucas vacinações: pico de mortes na Ucrânia e na Romênia, Bulgária oferece via verde

(Texto compilado por Greta Privitera)