Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Situado após dois meses de água e lama: a cidade vive entre trabalho e expectativas

Situado após dois meses de água e lama: a cidade vive entre trabalho e expectativas

planilhas de balanço. Em 5 de abril, 15.000 metros cúbicos de água chegaram à cidade a partir de um oleoduto. Sete pessoas ainda estão longe de suas casas. A Enel está trabalhando nos reparos e o município está empenhado em agilizar o processo de indenização.

Dois meses depois do acidente que chocou Ardesio, a cidade se olha no espelho. Ainda não eram sete horas da manhã do dia 5 de abril quando O muro de contenção do oleoduto Enel Green Power, parte da estação vizinha de Ludrigno, cedeu, liberando cerca de 15.000 metros cúbicos de água que inundaram violentamente a área abaixo. Lama, água e detritos também envolveram a estrada regional abaixo e algumas casas na aldeia de Karpignolo. A via Piemonte, Monte Secco e a via Alpini são as que mais sofrem: duas famílias e uma pessoa foram evacuadas desta última para um total de sete moradores, que ainda estão longe de casa. Ao longo do caminho, o trabalho ainda está em andamento para proteger a área.

Cálculo de obras e danos

Desde o início, a Enel contratou uma empresa para limpá-lo e torná-lo seguro, primeiro via Monte Secco e depois via Alpini. Ainda há trabalho em andamento. A empresa também faz o projeto de segurança de Monte Secco, a estrada que liga a cidade, que sofreu danos em um deslizamento de terra causado pela água.. Atualmente, a estrada está aberta ao tráfego alternativo de mão única, regulada por um sistema de semáforos, e os cruzamentos são permitidos em intervalos. Semana passada – comentou o prefeito, Ivan Caccia -Após um relatório de um engenheiro civil da Enel, algumas das casas da rua Alpini foram declaradas estruturalmente viáveis ​​e o acesso foi dado aos proprietários, embora algumas ainda estivessem evidentemente danificadas por dentro. Mas para outros, o relatório ainda não foi enviado e a proibição de acesso ainda está em vigor. Desde 5 de abril, a Enel sempre esteve presente. Nosso principal compromisso, neste momento, é fazer com que os tempos de compensação e regularização de áreas sejam os mais curtos possíveis».

Casas inabitáveis ​​e dúvidas

O evento iniciou uma corrente de solidariedade na vila, com muitas pessoas, inclusive jovens Pro Loco, na linha de frente para socorrer os atingidos nas horas que se seguiram ao acidente. A vida das duas famílias deslocadas virou de cabeça para baixo em alguns momentos. Um deslizamento de terra mudou seus planos para o futuro. “Nesses dois meses – disse Miriam Felicity, 34 anos – nada mudou para nós. Ainda estamos na casa para onde nos mudamos após o acidente. Ela é pequena para quatro (mora com o companheiro e dois filhos), mas a conselho de um psiquiatra, decidimos que é melhor não se mudar novamente: Na verdade, o objetivo é restabelecer o equilíbrio e voltar a viver com tranquilidade o nosso dia a dia, principalmente para os nossos filhos. O choque ainda é forte o suficienteLevará muito tempo para a ferida cicatrizar. Nossa casa foi declarada estruturalmente viável, mas por dentro haverá muitos trabalhos a serem feitos antes que possamos retornar. Esperamos que eles compensem totalmente os danos sofridos”.

Despesas e um bebê a caminho

A expectativa de um retorno à vida normal simplesmente não flui mais se também houver um “recém-chegado” no horizonte da família. Ele diz: “Faz dois meses.” Roberta Bergamini, 37 anos, mora em Alpine Road com sua companheira e está grávida de seis meses – mas podemos dizer que ele não se mudou muito. A casa foi declarada estruturalmente viável na semana passada, mas não podemos mexer em nada, aguardando relatórios. Enquanto isso, encontramos moradia temporária e nos deparamos com despesas inesperadas. Nosso futuro estava focado na chegada de nossa filha, mas agora tudo virou de cabeça para baixo: há muitas ideias. Espero que haja uma solução rápida e tudo volte ao normal».

© Reprodução Reservada

READ  Lagarde prepara o edital de Sintra. Ou seja, Bund como garantia implícita de BTPs. Muitas felicidades