Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Salvar a Itália do Catar 2022? Porque é quase impossível: o ranking da FIFA não tem nada a ver com isso

“Existe a possibilidade de a Itália ser salva da Copa do Mundo no Catar 2022, e é uma possibilidade mais realista do que você pensa.” como ele Franco Chimenti, o antigo diretor do esporte italiano, mas também do futebol – hoje ele é presidente de Federgolf, em 1986 comandou a Lazio por um curto período – ele restaurou as esperanças de milhões de torcedores, que foram queimados pela decepção de Palermo contra a Macedônia do Norte. Chimenti, durante a entrevistaEle também observou: “A regra da FIFA fala de re-processamento e fala do time de mais alto escalão”. Na verdade, as coisas não são bem assim, e o retorno da Itália ainda é uma possibilidade muito remota da possibilidade de realmente acontecer. Vamos ver por quê.

Porque se fala de um possível retorno à Itália. A hipótese, ou melhor, o sonho, já era temática na esteira da dramática derrota de Barbera. na hora – Foi no final de março – A nação que deveria “dar espaço” é o Irã, sob os holofotes, porque se recusou a entrar no estádio para cerca de duas mil mulheres, que costumam ter ingressos, por ocasião da partida contra o Líbano. Os desdobramentos posteriores (o Irã vai à final da Copa do Mundo e o cenário oposto não se fala mais) mostram por si só o quão complexo é – a Rússia é um caso à parte – a FIFA pode expulsar uma seleção da Copa do Mundo.

Hoje é o caso do Equador. Tendo contornado a questão do Irã, o tema das esperanças para aqueles que não irão ao Catar nos últimos dias se tornou o Equador. A seleção sul-americana, que terminou em quarto lugar nas eliminatórias, participou de oito partidas Byron Castillo, nascido em 1998, zagueiro do FC Barcelona. o problema? De acordo com o Chile, que apresentou queixa à FIFA, o jogador nasceu na Colômbia e não tem cidadania equatoriana. Zurique abriu uma investigação disciplinar sobre os fatos, caso em que, se for constatada uma violação das regras, é muito provável que uma penalidade seja aplicada. No entanto, é difícil para a FIFA optar por excluir o Equador da Copa do Mundo: a hipótese mais adotada, além da inevitável exclusão de Castillo, leva a uma penalidade por escolher Quito nas próximas eliminatórias da Copa do Mundo. em 2026.

READ  Campeão do Sporting Lisboa após 20 anos

E as esperanças da Itália? Depois de explicarmos como e por que a expulsão de uma seleção classificada para o Catar 2022 é um cenário que está sendo apresentado atualmente, vamos falar sobre a Azzurra. Inicialmente dito, Chimenti falou de uma regra que, em caso de desclassificação, será dada prioridade à seleção mais bem classificada. A questão é que essa regra não existe. A única regra a ser mencionada é aquela dada no ponto 6 do Regulamento da Copa do Mundo da FIFA, Disponível neste endereço. Intitulado “Substituição”, ele afirma de forma muito sucinta: “Se alguma Associação (Nacional, Editorial) se retirar ou for desclassificada da competição, a FIFA decidirá a seu exclusivo critério e tomará as medidas que julgar necessárias”. Ou seja: a colocação no ranking não terá influência na decisão da Zurich. De fato, por razões geopolíticas, é muito mais crível que se o Equador for realmente excluído, a FIFA aloque seu lugar para uma das seleções inelegíveis da América do Sul, como a Colômbia ou o próprio Chile, se não o futuro -jogou time peruano. Copa do Mundo contra os Emirados ou Austrália. Para a Itália, em conclusão, é difícil ter esperança.