Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Portugal não tem uma grande tradição de desportos de inverno, mas alguns perseguem o sonho olímpico

Portugal não tem uma grande tradição nos desportos de inverno, mas pelo menos dois atletas no país pretendem chegar aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim em 2022, embora o seu produto seja sobre rodas.

José Cabena, de 25 anos, conquistou algo que ninguém conseguiu antes: uma atuação em um campeonato mundial que lhe permite representar Portugal em um evento de esqui cross country em Pequim.

Nada mal para quem aprendeu a esquiar em um ano para realizar seu sonho olímpico.

“As pessoas perguntam – dentro de um ano ele vai poder competir nos Jogos Olímpicos do ponto de não voltar ao esqui, como vai ser ele o primeiro português a se qualificar para o Campeonato do Mundo?” Diz Cabena.

“Tem havido muito trabalho árduo ao longo dos anos, obviamente não no esqui. O triatlo desempenha um papel importante. Pude aprender um pouco e tudo sozinho. Não tenho um treinador de esqui. Aprendi observando outros atletas e vendo videos.”

Cabena iniciou a sua aventura de esqui de fundo em França há um ano e meio, onde viveu dois meses e meio “para treinar” porque era “impossível em Portugal”.

Poucos meses depois, em fevereiro deste ano, com uma pontuação no Campeonato Mundial de Esqui Nórdico na Alemanha, ele atingiu o ponto mais alto da vida do esporte, abrindo uma vaga para Portugal nos Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim 2022.

De patins a patins de velocidade no gelo

Diego Marriros a 10 km. Medalha de prata no Campeonato Mundial de Patinação de Velocidade. Ele se transformou em gelo para realizar seu sonho olímpico.

Actualmente treina quase todos os dias em Lagos numa das duas pistas aptas para esta modalidade na região e está otimista quanto ao desafio das condições de treino para os Jogos de Inverno em Portugal.

READ  A Ordem Real nomeia o Embaixador da Arábia Saudita em Portugal

“Nessa época do ano, os patinadores de velocidade vão para países mais quentes e se mantêm em forma durante o ciclismo e a patinação. Ficar longe não é um grande problema, já que atualmente todos os patinadores estão longe da neve”, diz Mariros.

Mariros começou a usar patins aos quatro anos e ganhou a sua primeira medalha no Campeonato da Europa aos 16 anos.

O patinador de 29 anos acumulou medalhas sobre rodas, incluindo o co-campeão europeu e campeão mundial de 10 km Pontos.

Nos últimos quatro anos, ele se prepara para o inverno na Alemanha e na Holanda, onde tem aprimorado sua “técnica e forma corporal”, o que lhe permite “se classificar para as Copas do Mundo” programadas para o final deste ano.

Ele começou uma campanha de crowdfunding para financiar o gelo e seu produto Treinar na Holanda.

Sua classificação em quatro Copas do Mundo consecutivas no fim de semana na Polônia, Noruega, Canadá e Estados Unidos, de 14 de novembro a 14 de dezembro, determinará se ele estará na China em fevereiro.