Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Para enviar humanos a Marte, a ciência está estudando as fezes dos participantes do experimento Mars500

Revendo os dados obtidos no projeto Mars500, uma equipe de cientistas canadenses revelou detalhes intrigantes obtidos da análise de fezes humanas dos participantes do experimento. Em condições de coexistência próxima e prolongada, a flora intestinal parece sofrer certas mutações e tende à “simetria”.

O Mars500 foi um projeto conjunto entre China, Rússia e Agência Espacial Européia, que viu seis voluntários ao vivo por 520 dias dentro de uma espaçonave simulada colocada no prédio do Instituto de Problemas Biomédicos da Academia Russa de Ciências, em Moscou.

O objetivo era simular as condições de estresse biológico e psicológico a que os astronautas seriam expostos durante uma viagem real ao Planeta Vermelho.

De acordo com a análise de cientistas canadenses dos dados fornecidos pelo projeto (institutos NJBB, FEP e EG), Publicados No ScienceDirect, o corpo humano passará por mudanças que não devem ser subestimadas quando exposto às condições do experimento. As anomalias inferidas pela análise das fezes dos participantes do ensaio foram três.

Alteração do metabolismo da glicose devido à perda de bactérias

Aquele será revelado primeiro Alterando o metabolismo Glicose.

A glicose é uma das melhores fontes de energia do corpo humano. Os cientistas dizem que todos os participantes do Mars500 experimentarão uma perda de bactérias benéficas, que previnem a inflamação, absorvem nutrientes e quebram o amido.

Bactéria desconhecida

Os pesquisadores identificaram 10% de bactérias intestinais até então desconhecidas. Isso também foi observado em outros estudos científicos, mas os cientistas dizem que permanece “em parte um mistério” por que isso está acontecendo e quais são as implicações.

Tendência para padronizar o legado bacteriano

Outro detalhe interessante é que os participantes compartilharam mais de um 200 tipos diferentes de bactériasEla observa que pessoas que vivem juntas por longos períodos acabam desenvolvendo a mesma bactéria com o tempo.

READ  A prevenção começou nas “I Quintas-feiras de Medicina” com Luigi Cavanna, oncologista

Segundo os biólogos, essas descobertas podem ter consequências desastrosas para a saúde a longo prazo dos astronautas, embora eles admitam que no momento não entendam exatamente como tudo isso afeta o corpo humano.

“Devemos ter cuidado para não presumir que existe uma relação puramente causal entre as mudanças no microbioma intestinal e o distúrbio do metabolismo da tripulação”, disse Nicholas Breriton, pesquisador da Universidade McGill, alertando que o assunto deve ser investigado em detalhes primeiro. A decisão de enviar tripulações humanas a Marte.