Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Os países do BRICS estão desafiando o domínio do dólar como nunca antes

Os países do BRICS estão desafiando o domínio do dólar como nunca antes

por Stefano Briganti

A décima quinta acontecerá na África do Sul no dia 22 de agosto Cúpula do BRICS. Lembro-me de ter conhecido os BRICS pela primeira vez quando a multinacional americana em que trabalhei desenvolveu uma estratégia dedicada a aproveitar o enorme potencial oferecido pelas então chamadas economias emergentes. Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul foram países com crescimento econômico significativo e, portanto, Mercados muito atrativos. Não foi uma previsão errada se hoje esses cinco países sozinhos produzem 30% do PIB mundial, ou seja, mais de 40% da população mundial.

O BRICS não é uma organização de países nos moldes da União Européia ou da OTAN, estruturas baseadas em critérios únicos aos quais pertencem aqueles que pertencem deve alinhar. Está organizada segundo um modelo multipolar de gestão das relações entre os Estados membros, mantendo cada país o seu próprio soberania total e gerir as suas próprias políticas sociais e económicas internas sem ter de as alinhar por regras ou modelos comuns. Basicamente relacionamentos tipo comercial Poder-se-ia pensar numa espécie de mercado entre países como a União Europeia, mas sem os constrangimentos monetários e fiscais e com as fronteiras de soberania nacional que caracterizam o modelo europeu.

Há dez anos existe o Banco dos BRICS, o Novo Banco de Desenvolvimento, hoje presidido pela ex-presidente brasileira Dilma Rousseff, que não cunha dinheiro porque (no momento) não existe uma moeda única usada pelos países do BRICS, mas administra operações e investimentos em moedas dos Estados-Membros. A China é a porta-estandarte do modelo multipolar apoiado pela Global Development Initiative e pela Global Security Initiative, que se opõe ao modelo unipolar da matriz EUA-UE. Em 1945 A.I. Bretton Woods O dólar tornou-se a moeda de referência utilizada nas operações comerciais globais. Durante décadas, o dólar alimentou fundos de investimento de países de todo o mundo, administrados por instituições financeiras americanas. Lembramos do petrodólar saudita em 1973 e do petróleo negociado em dólares. Isso fez dos Estados Unidos a potência econômica dominante por quase oitenta anos.

READ  Lamorgese preside o Comitê de Segurança - Chronicle em Palermo

A política externa americana nas últimas décadas tem sido amplamente utilizada Sanções econômicas Como uma ferramenta de soft power para gestão de conflitos. O sistema se mostrou muito eficaz para os Estados Unidos, pois era muito oneroso para aqueles que eram penalizados porque grandes operações e investimentos naquele país eram feitos em dólares. O conflito russo-ucraniano e antes mesmo entre a Líbia e os Estados Unidos e o Afeganistão e os Estados Unidos revelaram a simplicidade e a rapidez com que podem gerir a moeda americana. Congelar fundos soberanos ou impedir o pagamento de juros sobre investimentos que constituem dívida denominada em dólares, causando inadimplência em nível nacional.

Os países do BRICS, por meio de sua estratégia de utilização de moedas nacionais para investimento e comércio, mitigam os riscos de exposição Possível chantagem econômica Ou sanções dos Estados Unidos ou da União Europeia. Talvez seja justamente esse aspecto que torna o grupo BRICS tão interessante hoje, que Argentina e Irã estão prestes a ingressar, enquanto outros 14 países, incluindo Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, se candidataram à adesão. O paradigma unipolar e a hegemonia do dólar estão sendo desafiados como nunca antes, os EUA estão tentando se agachar com a Índia bajulando Modi para mantê-lo dentro de sua própria esfera, eles estão fazendo acrobacias com a China para “contê-lo” sem interrupção, mas sem esquecer Para mostrar seus músculos militaresvisando acabar com a Federação Russa com a guerra na Ucrânia e buscar nas costas da África do Sul aumentar a presença americana na África.

O BRICS é uma realidade em evolução e a seguir para adivinhar como será a nova ordem mundial no final do primeiro meio século e o resultado da batalha ideológica (apenas?) “democracia contra a tirania” que Biden mencionou publicamente em Março de 2022.

READ  “A resposta é importante para todos nós.” Quem pode acabar com as guerras - tempo
O blog do Apoiador hospeda postagens escritas por nossos leitores que decidiram contribuir para o crescimento do ilfattoquotidiano.it e se inscrever na oferta do Apoiador e, assim, tornar-se parte ativa de nossa comunidade. Entre as postagens enviadas, Peter Gomez e a equipe editorial selecionarão as mais interessantes e as publicarão. Este blog é fruto da imaginação de nossos leitores, continue fazendo dele o seu espaço. Tornar-se apoiador também significa colocar sua cara, assinatura ou compromisso com eles: junte-se às nossas campanhas e considere ter um papel ativo! Se quiser participar, pelo preço de “um cappuccino por semana” também pode acompanhar a reunião editorial de quinta-feira em directo – enviando-nos as suas sugestões, notícias e ideias em tempo real – e Entrar no fórum Reservado onde você discute e interage com o conselho editorial. Conheça todas as vantagens!