Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Os japoneses se casaram com uma boneca, Hatsune Miku, descrevendo-se como fictícia – Nerd4.life

Após um relacionamento de dez anos, Akihiko Kondo, um homem japonês 38 anos que se conhece imaginárioEu decidi me casar com uma boneca Hatsune Miku, um conhecido personagem dos videogames da SEGA, famoso sobretudo em sua terra natal. Kondo sempre contou sua história de amor em sua conta perfil do Instagram Finalmente decidi fazer dela uma boneca honesta casando-me com ela.


bonecos Kondo

Infelizmente, no casamento, que contou com a presença de trinta e nove pessoas, não havia parentes ou amigos. Os colegas de trabalho também se recusaram a comparecer. Quem são os convidados? As pessoas são conhecidas na internet. Um casamento 2.0 inteiro cheio de bonecas e estranhos.

Kondo disse que seu relacionamento com Hatsune Miku o salvou da depressão após o bullying no local de trabalho. Claro, ele sabe muito bem que se casou com uma inventora, mas seu amor não tem limites, tanto que ele mesmo fez sua noiva em 2017, depois se dedicou a lhe dar a companhia de outras bonecas de várias formas e estilos. Dimensions, são todos atemporais no visual de seu perfil no Instagram.


casal feliz
casal feliz

Kondo disse que estar com a fofa Miku serve aos deuses Benefícios Comparado com a necessidade de estar com uma pessoa real: ele está sempre lá para ele, ele nunca vai traí-lo e ele nunca deve vê-la doente ou morta.

As fantasias sexuais são um movimento crescente de pessoas, principalmente no Japão, apaixonadas por personagens fictícios, que passam a vivenciar seus relacionamentos como se fossem reais. Kondo anunciou seu casamento especificamente para que o mundo saiba sobre sua existência e que, à medida que a robótica e a inteligência artificial melhorarem, provavelmente haverá cada vez mais retrocessos sexuais no futuro.

READ  Chaves da campanha de verão: recuperação espera turistas estrangeiros

Não se trata de um movimento político, mas de pessoas que exigem respeito pelo seu modo de vida.