Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Os alarmistas ambientais negam: os gases de efeito estufa estão diminuindo na Europa

Os alarmistas ambientais negam: os gases de efeito estufa estão diminuindo na Europa

Com toda a probabilidade, os leitores não ouvirão muito sobre as estimativas do Eurostat sobre as emissões de CO2 nos países da UE em 2022. As notícias estão fadadas ao silêncio porque muitas vezes prejudicam uma abordagem unidirecional das questões ambientais e alinhadas com a visão ecológica ideológica predominante na Europa .
De facto, o Eurostat registou uma quebra das emissões de CO2 para utilização energética na UE de 2,8% face a 2021, uma quebra semelhante à que aconteceu em Itália. As emissões de combustíveis fósseis (petróleo, derivados de petróleo, gás natural, gás natural, carvão e turfa) para uso de energia nos países da UE totalizaram quase 2,4 Gt no ano passado, com uma redução de 13% no consumo de gás.

A diminuição das emissões de consumo de energia abrangeu dezassete países da UE, com as quebras mais pronunciadas nos Países Baixos (-12,8%), Luxemburgo (-12%), Bélgica (-9,7%) e Hungria (-8,6%). Até à data, a Alemanha representa sozinha um quarto das emissões totais de CO2 da UE provenientes de combustíveis fósseis, seguida pela Itália e Polónia (ambas com 12,4%) e França (10,7%). Os dados franceses nos fazem pensar porque a economia parisiense é muito maior que a economia polonesa, mas o uso intenso de energia nuclear causa menos emissões. As estimativas do Eurostat atestam um quadro melhor para a Europa do que o apresentado pela Agência Internacional de Energia (IEA) no seu relatório “CO2 Emissions 2022” que aponta para uma diminuição de 2,5% nas emissões. No entanto, diante dos dados positivos do velho continente, as emissões globais cresceram 0,9% no ano passado, atingindo o recorde de mais de 36,8 bilhões de toneladas. Isso significa que, diante do comportamento virtuoso dos países europeus, há países que aumentam (muito pouco) suas emissões. Se nos Estados Unidos o aumento é de 0,8%, a China fica com a maior parte, que aumentou as emissões em 4,2%. Uma tendência também foi confirmada nos primeiros três meses de 2023, quando as emissões chinesas cresceram 4% em relação ao mesmo período do ano anterior, registrando níveis sem precedentes de gases de efeito estufa.

READ  Esta noite às 21h00 "O Fim do Primeiro Ano Completo da Terceira Guerra Mundial: Equilíbrio e Perspectivas"

Estes números, devido ao crescimento da procura de combustíveis fósseis, são de facto elevados, mas desagregando as fontes de energia utilizadas, o quadro que se desenha é impressionante: o consumo de petróleo aumentou 5,5%, o consumo de carvão 3,6% e o gás 1,4%. . Os dados mais impressionantes dizem respeito ao carvão, que é uma das fontes de energia mais poluentes; Pequim concedeu licenças para 106 gigawatts de capacidade em 82 locais em 2022, quatro vezes a capacidade aprovada em 2021 e o equivalente à abertura de duas usinas a carvão por semana. Enquanto a Europa está empenhada em descomissionar suas usinas movidas a carvão, Pequim está aumentando sua produção com alguma hipocrisia, já que a energia produzida a carvão da China é usada pelas indústrias para fabricar os componentes necessários para a energia renovável exportada para o Ocidente. Em vez de continuar o processo de culpar apenas a Europa por escolhas masoquistas nas esferas social e econômica em nome do meio ambiente, será necessária uma abordagem mais pragmática e menos ideológica. Se os rebeldes ambientais não gostarem, eles sempre podem bloquear as ruas em Pequim, mas não podemos garantir o resultado do protesto.