Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

O que muda a partir de sábado, 1 de outubro de 2022

Em 30 de setembro, expira a obrigatoriedade do uso de máscaras em ônibus, trens, metrôs e em hospitais, clínicas médicas e RSA. A menos que haja considerações de última hora, podemos dizer adeus ao dever, embora às vezes sejam recomendados dispositivos de segurança. O governo Draghi (que ainda permanecerá no cargo por algum tempo) não está disposto a aprovar uma nova extensão. Em última análise, caberá ao próximo administrador decidir como intervir. Mas tudo indica que com certeza haverá uma mudança de estratégia de combate à Covid.

A 31 de outubro caducam os protocolos de segurança no local de trabalho que, entre outras coisas, prevêem a utilização de máscaras em ambientes fechados quando o distanciamento não puder ser mantido, ainda que neste caso os parceiros sociais não queiram continuar assim. Dever.

Porque o aumento das internações não é alarmante

Nem todos os especialistas pensam da mesma forma em relação às máscaras. Enquanto isso, os casos de Sars-Cov-2 estão aumentando, mas agora não têm efeitos nas estruturas de saúde, como pode ser visto no último relatório da Fiazo (Confederação das Organizações Italianas de Saúde e Hospitais). Após dois meses de quedas consecutivas no número de pacientes nos hospitais, a mudança no número de pacientes internados nos hospitais na semana passada se transformou em um sinal positivo. Uma pesquisa de 27 de setembro de hospitais sentinela pela rede Fiazo (a confederação das empresas italianas de saúde e hospital) teve um “leve aumento de 5,6%”.

No entanto, explica a associação, “é um aumento em relação às enfermarias normais e é suportado integralmente por doentes de covid, ou seja, aqueles que não desenvolvem sintomas respiratórios, mas que vieram ao hospital para tratamento de outras doenças e foram diagnosticados incidentalmente. Positivo para o cotonete”. Se estes dados podem indicar um ligeiro aumento das infecções, continua Fiaso, “não suporta a hospitalização por Covid”, significando que “aqueles que desenvolvem síndromes respiratórias e pulmonares comuns à Covid diminuirão em vez de 2,1% em relação à semana passada”. Portanto, não há sinais de recuperação no momento.

READ  Turim | Festa de São João | 23 a 24 de junho de 2022

Na terapia intensiva, por outro lado, há um decréscimo no equivalente a uma unidade, portanto, há agora uma situação de estabilidade considerável em números muito baixos. “Esta semana a desaceleração nas internações de Covid está voltando à estabilidade – comenta o chefe do Fiazzo Giovanni Migliore – na verdade, este pequeno aumento está relacionado e testemunhado apenas a pacientes infectados com a infecção sem desenvolver sintomas da doença. Os dados destes dias confirmaram o aumento da circulação do vírus, o que levou ao ressurgimento das infecções. das escolas”. 26 pacientes menores de 18 anos estão internados nas enfermarias Covid de quatro hospitais infantis e nas enfermarias pediátricas dos Hospitais Sentinela pertencentes à rede de vigilância FIASO.

Bassetti: “Covid se tornou um tema tabu”

Mas tenha cuidado, pois o vírus ainda está por aí, diz Matteo Bassetti. “Os casos de Covid-19 aumentam 30% no Reino Unido”, diz um tweet da Infectious Diseases. “As doses trimestrais são muito pequenas para idosos/frágeis e o interesse geral no assunto é baixo”. Então o Covid “se tornou um assunto tabu. Note que a pandemia acabou, mas assim como a campanha eleitoral, o Covid não vai acabar…”. Bassetti é sempre contra o dever de máscaras, mas a favor de uma recomendação voltada para categorias específicas. “Depois de 30 de setembro – disse ele recentemente – a obrigação de usar máscara no transporte público é atemporal. Devemos passar das obrigações de proteger a saúde das pessoas vulneráveis ​​que usam máscara em ônibus ou trem para recomendações. Eles estão certos”.