Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

O objetivo das cartas é arrecadar três bilhões

O objetivo das cartas é arrecadar três bilhões

É quase um avanço para a reforma tributária. Um primeiro passo para mudar a relação entre a administração tributária e os contribuintes, tornando-os mais “cooperativos” ainda que, como explicou ontem o Diretor da Receita, Ernesto Maria Ruffini, o Fisco nunca seja “amigo”, mas sim um interlocutor “justo”. como? Focando, por exemplo, decisivamente em cartas de “conformidade”, a Goodwill observa que impostos É enviado aos cidadãos e empresas para informar sobre erros nas declarações apresentadas e convidá-los a cumprir, antes de iniciar a apuração propriamente dita com a bagagem de penalidades e benefícios. Nos próximos dois anos, o fisco vai enviar pelo menos três milhões de cartas por ano, e espera arrecadar um total de seis bilhões de euros dessa forma (três bilhões a cada doze meses). Em suma, mesmo a meta confiada a Itália com o Pnrr, o Plano Nacional de Recuperação e Resiliência que previa o envio de 2,5 milhões de mensagens com uma receita de 2,45 mil milhões será ultrapassada. A novidade consta de um convênio de três anos assinado pelo vice-ministro da Economia, Maurizio Leo, com o diretor da Receita Federal, Ruffini. E ela não é a única. A vontade de fazer com que a mão do fisco seja estendida ao contribuinte aparece ao longo do documento. Além de antecipar alguns aspectos da reforma tributária, como a obrigatoriedade do órgão de realizar uma comparação preventiva com empresas e cidadãos, já na fase de investigação preliminar, antes de determinar o vínculo de vinculação com eventual pendência.

Impostos, desde IVA e IRS até cupão seco: 148 Prazos de pagamento a partir de segunda-feira, 21 de agosto. lista completa

estrada

Acima de tudo, pretende-se utilizar os dados disponibilizados às autoridades fiscais de forma mais direcionada do que nunca. Por exemplo, otimizando a ferramenta de publicidade pré-empacotada. No próximo ano, a Receita Federal pretende garantir que mais de 4 milhões de cidadãos (4.1 para ser exato) entreguem sua declaração de forma independente usando o formulário fornecido pelas autoridades fiscais. Mas o objetivo final é mais ambicioso e consta do mesmo convênio entre o Ministério da Economia e a agência: fazer com que a declaração de imposto de renda não seja mais exigida. “A declaração pré-montada”, lê-se no documento assinado por Liu e Ruffini, “continua sendo a ferramenta mais eficaz que o órgão colocou à disposição dos contribuintes. Continuará em constantes melhorias e ampliações”, continua, “no processo de eliminação progressiva dos formulários de declaração, com o objetivo de atingir o objetivo O objetivo é eliminar a própria necessidade de fornecê-lo, e permitir que os cidadãos no futuro se identifiquem para verificar os dados recolhidos pela agência.” Isso seria uma revolução. De centenas de páginas de instruções para completar o modelo 730 para cancelá-lo totalmente.

READ  Guerra à Inflação Bancários Centrais em Sintra

A cooperação também será muito paga no lado comercial. Principalmente com grandes empresas com o objetivo de atrair investimentos estrangeiros. Em 2024, o objetivo é que 15 por cento das grandes empresas cumpram o Esquema de Conformidade Cooperativa com a Receita Federal, colocando € 20 bilhões da base tributária sob ‘controle’. Isso não significa que as verificações serão menores. Eles se concentrarão em contribuintes específicos e processos específicos. Como, por exemplo, o desconto na letra de crédito decorrente de bônus de construção. O objetivo referido no acordo entre o ministério e a Autoridade Tributária é o de “desautorizar” pelo menos 1,2 mil milhões em 2024 e 1,4 mil milhões em 2025.

a passagem

Mas há um ponto, talvez, que represente principalmente a mudança na relação entre fisco e contribuintes. Este é o sistema de incentivos para os funcionários da agência. Objetivos, ou seja, que são concedidos para pagar prêmios. € 16 milhões do valor do incentivo são reservados para o cumprimento voluntário, na prática 20% do total, contra pouco mais de € 17 milhões para combater a evasão fiscal com ferramentas desatualizadas (21% do total). Mas, sobretudo, já não está diretamente relacionado com a receita recuperada da agência que gerou mais de uma polêmica nos últimos anos.

Leia o artigo completo
no mensageiro