Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Nos caminhos da política

MarsalaCaspar Tropani, Professor e Investigador em Língua e Cultura Italiana na Universidade Católica Portuguesa e na Universidade de Lisboa, dá-nos uma leitura clara e emocionante da italianização da política portuguesa. Um contaminante associado à linguagem e ao conteúdo falado no estômago das pessoas, semelhante à publicidade, não precisa estar em contato com a cabeça, nem está relacionado ao coração. A pergunta é razoável e quase infrutífera: há algum benefício nessa proximidade? será que vai dar certo? Enquanto isso, a Itália deve eleger em breve um chefe de Estado e as opiniões não são claras. O governo em Portugal decidirá. Espera-se que ambos os países respondam com consciência e vigilância a estes dois eventos chave. Fazer parte da Europa é contribuir para o desenvolvimento e a materialização humana, e para que se integre é preciso ter em conta o outro – seja um ser humano, um Estado ou um continente – e cuidar dele. Seu bem-estar. Somos um planeta: uma esfera. O benefício retornará. Serra Buttagio

Roteiro Lisboa/Roma: Nos Caminhos da Política

Há uma italianização na política portuguesa, que se faz sentir apenas nos tons da campanha eleitoral – mais vibrante e infiltrada de um populismo particularmente atractivo do que as compostas há alguns anos – mas delineando o quadro político

O início de 2022 apresenta um desafio significativo para Itália e Portugal. Não, desta vez não estamos falando de futebol, porém, os dois países serão rivais por uma das últimas sedes da Copa do Mundo que será realizada no Catar, mas pode ser por sorte política.

De fato, quase simultaneamente, em ambos os países, no final do mês, haverá duas grandes promessas eleitorais. Embora seja decidido quem vencerá a disputa pelo gol na Itália, as eleições para as assembleias serão realizadas em 30 de janeiro, após a queda do governo socialista de Antonio Costa na Louisiana devido à falta de apoio de ambos. Partidos de esquerda – Partido Comunista Português (PCP) e Bloco de Esquerda (Bloco de Esquerda) – dissolveram o parlamento em outubro passado, aprovando o projeto de lei orçamentária.

READ  A DAP Air Portugal voa a primeira aeronave Cancún com um Airbus A330 Neo

Naquela época, quem relembra os episódios que derrubaram os governos de Bertinotti e Mastella Prodi em 1998 e 2008 falavam com comparações um tanto perigosas sobre a “italianização” da política portuguesa. Os partidos menores, que não ultrapassaram 16%, então decretaram um segundo governo Costa e ordenaram a dissolução do parlamento.

No entanto, a italianização está presente na política portuguesa, não por razões cada vez melhores, e não é apenas nos tons da campanha eleitoral – parece muito quente e penetrante em comparação com um populista particularmente atraente. há alguns anos – mas também num quadro político crescente.

Enquanto isso, nas duas últimas legislaturas, dentro do sistema partidário mais estável ao longo dos anos (basicamente cinco partidos), surgiram novas organizações políticas com um consenso crescente, sejam seus nomes pan (pessoas, animais, natureza), fígado (líbero) ou sega (massa) Parece mais slogans do que referências ideológicas. Na Itália, a partir do início dos anos 90, com o famoso Partido Romântico da Siciliana nos anos 91: em nome das organizações políticas, abandonamos referências à direita, esquerda, centro ou ideologias específicas (socialismo, comunismo). , social-democracia, etc.) e slogans populistas e/ou religiosos, com sabores inspiradores como Forza Italia, Movimento 5 Stelle ou Italia Viva.

No entanto, além dos nomes, a proliferação desses partidos não só gerou maior desconfiança e queda visível nos partidos tradicionais, como também criou uma maioria estreita ou dura, o que, em meio a uma epidemia, levou à queda. Do governo socialista.

Neste contexto insere-se outro fenómeno, cuja influência italiana é clara: o já referido partido Seka está actualmente em votação como terceiro grupo político. Situa-se à direita do arco parlamentar e tem Matteo Salvini como um dos seus principais promotores. Em 13 de agosto de 2019, nas páginas do “Journal I”, seu presidente, André Ventura, identificou a política do secretário da Liga do Norte como “uma lufada de ar fresco” e “um farol de esperança para o futuro imediato da Europa”. Durante as suas campanhas eleitorais portuguesas, foi obrigado a parar em Fátima e, para um momento de oração, repetidamente – sobretudo sem oposição dos estudantes – tratou-o repetidamente.

READ  Os horários de greve de sexta-feira nos trens de Milão e Trenord estão em risco

Na noite de 30 de janeiro, haverá um novo parlamento em Lisboa. As pesquisas indicam uma nova vitória para os socialistas, mas da última vez, para os municípios, no outono passado, eles estavam descaradamente errados. Como a Itália, então. Em Portugal, a variabilidade do voto dos muitos portugueses isolados para o Governo é preocupante, pelo que é necessário contar até ao último voto e esperar que ninguém provoque a ameaça de fraude eleitoral.

Gaspar Tropani