Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Ninguém gosta da Itália: aqui está a herança original do vinhedo.  Eles são a herança genética da Sardenha.

Ninguém gosta da Itália: aqui está a herança original do vinhedo. Eles são a herança genética da Sardenha.

Sabia-se que a Itália era a capital mundial do vinho, da uva e de tudo que circula por aí. A enóloga Andrea Balla destaca agora também os números indiscutíveis de superioridade e também a variação que permeia o mundo. Para Bala, redescobrir os vinhedos locais significa redescobrir a história, as tradições e também a biodiversidade dos grandes vinhos da Itália. Somos o país com maior número de castas autóctones do mundo, cerca de 600 contra cerca de 200 em França. A Itália, então, é o país com mais variedades de vinhos. Não só o número de vinhos DOP e IGP (mais de 520 no total) é superior a qualquer outro país, como também o facto de 75% da área de vinha (690.000 hectares no total, dos quais 660.000 são para uvas de vinho) é feita com mais de 80 variedades de uvas plantadas. É um número enorme, face a menos de 40 em Portugal e pouco mais de 30 na Roménia, que segue o nosso país neste ranking especial elaborado pela Organização Internacional da Vinha e do Vinho. Em suma, ninguém nos ama.
Voltando às vinhas originais, falamos de castas que muitas vezes se encontram única e exclusivamente em determinadas regiões, mostrando que cada região tem a sua idiossincrasia secular que merece ser contada e conhecida. Andrea Balla é o único enólogo da Sardenha que acompanha em primeira mão o processo de produção de vinhos feitos a partir de vinhedos locais de diferentes regiões: Sardenha, Marche, Campania, Calabria e Lazio. “Preservar, redescobrir e valorizar as vinhas locais – diz o enólogo eleito o Melhor Jovem da Itália em 2021 – significa preservar a história e a identidade do território, bem como das comunidades que ali vivem.”
A Sardenha, deste ponto de vista, é um tesouro cheio de joias capazes de oferecer vinhos emocionantes, muitas vezes com produções limitadas que enriquecem seu valor de mercado e garantem seu reconhecimento único em competições nacionais e internacionais. Cagnulari, Caricagiola, Muristellu, Moscato Bianco e Arvisonadu: estas são as vinhas originais da Sardenha das quais Andrea Pala tenta extrair o máximo resultado em seu trabalho como consultor de adega, com vinhos que contam séculos de história.
Entre estas, um lugar especial merece a Arvisionadu, uma raríssima vinha autóctone cuja distribuição se limita a uma parcela de terreno com cerca de 20/25 hectares, no bairro histórico de Goceano, entre os concelhos de Benetutti e Bono. Unicom é real porque a própria ciência diz que nenhuma correspondência genética foi encontrada para esta videira incomum. Preservar esta casta branca significa manter-se fiel ao código genético da Sardenha, tal como acontece com as Perenes da nossa ilha. As primeiras menções à vinha datam de 1780, mas a sua origem perdeu-se ao longo de milhares de anos e o seu nome é certamente de origem latina. Também por esta razão, Pala decidiu focar o máximo possível no processo de produção natural, com colheitas escolhidas a dedo e agricultura orgânica. Hoje Arvisionadu é um dos vinhos da Sardenha mais procurados nacional e internacionalmente, com especialistas do setor que decidiram se destacar nos últimos anos.
Por isso, a ilha não tem medo de comparações com outras regiões mas para um enólogo como Pala, que desde muito jovem viajou por Itália e Europa à descoberta de novos produtos, o conhecimento de outras vinhas é de fundamental importância nos vinhos locais, enriquecendo esse portefólio de habilidade e profissionalismo que o tornou o enólogo mais talentoso e jovem em voga na Itália. De Malvasia Nera e Greco Nero da Calábria a Falangina e Greco da Campânia, passando por Vernaccia Nera e Garofanata das Marcas até Bellone e Grechetto do Lazio. Estes são apenas alguns dos vinhedos italianos originais que Bala reconhece como uma licença de patrimônio vinícola sem paralelo com qualquer outro país do mundo.

READ  Será que Draghi realmente colocará a dívida italiana no Mecanismo Europeu de Estabilidade?