Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Música do Mundo Multipolar – Introdução – Cultura e Resistência

Notas e Reflexões de Nora Hobby

A ideia de um possível mundo novo, multipolar, no qual civilizações, culturas e espiritualidades soberanas possam florescer e se desenvolver novamente – cada uma com suas características e características, moldadas ao longo do tempo – traz consigo sérias considerações sobre o “solo” do fundação na qual permanecerão ou se integrarão. Precisamos de solo fértil… que possa recuperar os nutrientes do passado, porque nada pode crescer sem raízes.





Mas ainda não chegamos lá. Ainda estamos viajando por um “túnel escuro” e nossos motores para esta jornada são movidos pela esperança e determinação. nós precisamos alimentar Por esta transição de um mundo moribundo para um mundo novo e desconhecido que ainda luta para nascer.

Tendo em vista o alimento necessário para um mundo melhor no futuro e para nossa alimentação presente – para que possamos navegar no “túnel escuro”, gostaria de oferecer uma seleção limitada de gêneros musicais específicos de todo o mundo que cresceram de pobreza e opressão (da escravidão, racismo, colonialismo, alienação) ou que simplesmente expressam saudade ou tristeza pelo tempo da vida… Outra característica comum é a voz como componente principal. Alguns exemplos são: blues (EUA), rebetiko (Grécia-Anatólia), kronkong (Indonésia), canções de trabalho e chefes russos, fado (Portugal), gribi (Tajiquistão), morna (Cabo Verde). … todos esses gêneros certamente podem ser encontrados na Internet – mas são suas associações e justaposições uns com os outros que entram em jogo aqui … Eles são um punhado de ladrilhos em um mosaico maior de “música do povo” por toda parte o mundo ansiando por sobrevivência e transcendência.

Esses gêneros selecionados incluem canções de saudade, luta e paixão; A voz aqui é um meio de grande efusão – transmitindo, ao mesmo tempo, um sofrimento interior ou uma reflexão nostálgica, uma vontade de superar a adversidade e, finalmente – mesmo que em tom melancólico – uma celebração da vida.

READ  Eliminatórias globais, reforma e ganhos de capital: quantos pontos em uma bola de futebol

As canções não apenas refletem as dores e emoções dos músicos e cantores, mas alcançam sentimentos semelhantes em outros que podem não fazer parte deste grupo, mas que podem estar gostando (ou afetados por) esta música por razões humanas universais, criando pontes emocionais. E parentesco… Assim, as barreiras de isolamento, alienação e exclusão acabam sendo rompidas.

Frederick Douglass descreveu a crueldade física do sistema escravagista e argumentou que Palavras Eles não estavam à altura da tarefa. Em vez disso, eram canções de escravos “Como lágrimas… um alívio para a dor dos corações… porque o coração não tem linguagem como uma canção.”.

Hoje – com algumas exceções abençoadas e muitas vezes isoladas – esses gêneros musicais, com seus frequentes contextos informais de performance e impacto espiritual e emocional imediato, desapareceram ou foram substituídos por versões comerciais e muitas vezes vulgares para entretenimento turístico – em todo o universo.

O desaparecimento ou enfraquecimento desta arte (junto com outras artes) na maior parte do mundo deve-se principalmente a fatores como: o advento da televisão (que mantém as pessoas confinadas em casa e, portanto, isoladas), a indústria da música cada vez mais movida pelo lucro , o rápido avanço e disseminação das tecnologias de mídia de massa, o mercado Impulsionado por um neoliberalismo que busca controlar a cultura, o isolamento social e uma ansiedade social geral para se separar do resto da humanidade…

Depois, há o fator de acelerar nossas vidas diárias… somos como hamsters correndo em uma roda. O capitalismo, em sua busca constante por lucros sempre crescentes, requer novos materiais, novos produtos e novos mercados para novos bens. O que existia antes é redistribuído, reproduzido mecanicamente e vendido como “novo” ou pelo menos “reprodução melhorada” várias vezes. “Coisas novas, maiores e melhores” precisavam ser continuamente lançadas nas esteiras rolantes.

READ  "Big Brother Vibe", Patrizia sai de casa

Hoje, grande parte da música pop é gerada por computadores a partir de algoritmos digitais. Alvo Pop automação É produzir fluxos constantes de esquemas pop-up lucrativos e criar superestrelas. Parece que A IA agora é capaz de compor música pop e até sinfonias.

É esta a direção que nossa cultura está seguindo? Aceitamos a civilização pós-humana?

Assista a clipes de apresentações históricas de música folclórica em lugares íntimos Alguém se pergunta como foi possível que nós humanos, vivos hoje, permitíssemos tal declínio. Evidentemente, éramos muito inconscientes, muito descuidados, muito passivos – não apenas sobre o desaparecimento gradual de nossas artes, mas também inconscientes de nossas próprias necessidades espirituais de inspiração e simpatia coletiva uns pelos outros.

Dada a fragmentação da sociedade e a convulsão e convulsão global em nossas vidas hoje que nos fizeram perder nosso rumo neste mundo, alguém poderia pensar que precisaríamos dessas experiências comunitárias com nossos semelhantes seres humanos mais do que nunca. Mas não podemos impor a existência ou o renascimento dessas formas culturais. Eles têm que se desenvolver naturalmente… e para isso acontecer, as pessoas têm que tomá-los primeiro. Consciência A iminente perda e ausência de nossas artes e tradições. Talvez então, e só então, alguns possam sair de suas tocas, desligar seus telefones celulares e se encontrar novamente com outros em um local de encontro modesto, como um campo ou uma taverna, para participar de alguma forma de edificação e ritual unificador envolvendo música…

“Acredito que a minha música é a música da cura. (…) Acredito que a minha música pode fazer o cego ver, o coxo andar, o surdo e o mudo ouvir e falar, porque ela inspira e eleva as pessoas (.. .) Eleva o ânimo, você vê todo mundo se mexer, fica feliz, Renova o coração e faz o fígado estremecer, a bexiga jorrar e os joelhos gelarem”. – Pequeno Ricardo

READ  Sanremo 2 2023, apresentará o novo álbum Manchester - Libero Quotidiano

[“Credo che la mia musica sia la musica che guarisce. (…) Credo che la mia musica possa far vedere i ciechi, far camminare gli zoppi, far sentire e parlare i sordi e i muti, perché ispira ed eleva le persone. (…) Solleva l’anima, vedi che tutti si muovono, sono felici, rigenera il cuore e fa fremere il fegato, schizzare la vescica, gelare le ginocchia”. – Little Richard]

* * * * *