Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Migrantes, projeto de lei da Albânia assinado por Mattarella.  Princípios da inclinação à esquerda

Migrantes, projeto de lei da Albânia assinado por Mattarella. Princípios da inclinação à esquerda

O projeto de lei que ratifica o acordo está pronto para iniciar a sua tramitação enquanto se aguarda para saber quando o Tribunal Constitucional albanês dará luz verde ao procedimento parlamentar sobre o protocolo para a gestão de migrantes assinado no eixo Roma-Tirana, contestado pelos partidos da oposição Na Itália. O presidente da República, Sergio Mattarella, chegou a assinar a autorização para apresentar a medida às Câmaras. O que ficamos sabendo é que o estudo do projeto de lei começa no Montecitorio. Os sete artigos que compõem o texto tratam, entre outros, de arranjos organizacionais e financeiros. Entre estes últimos, detalha a “autorização para 2024 de 31,2 milhões de euros a favor do Ministério do Interior e 8 milhões de euros a favor do Ministério da Justiça” para a “construção de estruturas previstas nas zonas” mencionadas no protocolo ( Procedimentos de desembarque e identificação de Shengjin e Kjadar como centro de detenção para repulsão). As taxas derivadas da criação do Fundo de Garantia Ética e do reembolso de custos estão “estimadas em 28 milhões de euros para 2024 e 16,5 milhões de euros para cada ano de 2025 a 2028”, adianta. Em ambas as áreas, afirma-se que “só poderão ser trazidos na sequência de operações de salvamento aqueles que tenham embarcado nos veículos das autoridades italianas fora do mar territorial da República ou de outros Estados-membros da União Europeia”.

Leia também: Migrantes incendiaram centro de repatriamento: “Seis incêndios”, protesto em Gratisca de Isonzo

Na sexta-feira, o vice-primeiro-ministro e ministro das Relações Exteriores, Antonio Tajani, viajará à Albânia para visitar locais onde os centros serão instalados como parte de um acordo assinado entre o primeiro-ministro albanês, Edi Rama, e o primeiro-ministro georgiano, no Palazzo Sigi, em 6 de novembro. Melônia. Entretanto, este último, através das redes sociais, reitera o acordo de pontos de vista sobre o documento migrante com o primeiro-ministro britânico Rishi Sunak (“O Reino Unido e a Itália estão a trabalhar lado a lado para defender os nossos valores comuns e derrotar os traficantes de seres humanos”), voltando a atacar o secretário democrata. “Durante meu discurso em Adreju, li nas declarações de Ellie Schlein que teria levantado minha voz para incitar o público contra o embarque de migrantes nos barcos’ – escreve Meloni – não sei o que ouvi, mas acho que isso é suficiente, a luta contra os traficantes de seres humanos, as fronteiras europeias É evidente que falar em dar uma resposta real, estruturada e concreta à imigração segura e ilegal não tem nada a ver com ‘incitar um público anti-imigrante’. “Permitir que milhares de pessoas sem fé confiem os seus a fé a pessoas sem escrúpulos que arriscam as suas vidas é anti-imigrante”, atacando o primeiro-ministro, dizendo que “humano reiterou que continuará a trabalhar para acabar com o tráfico.

READ  Qualificação Olímpica de Águas Abertas da FINA transferida para Portugal; Copa do Mundo de Mergulho

Leia também: Imigrantes incriminam Melonie Schlein: “Não sei o que ele perguntou”

No entanto, aqui está a resposta de Schlein, acusando o primeiro-ministro de não dedicar “um único minuto para lamentar as 61 pessoas que se afogaram no naufrágio de sábado” num longo discurso em Atreju. Assim, sublinhou Dem, as escolhas que o governo fez com a ordem Cutro “têm o único propósito de tornar mais difícil salvar vidas no mar”. “Mesmo que vocês façam guerra às ONG, enviem a guarda costeira italiana para a Albânia, joguem sobreviventes de naufrágios como se fossem pacotes e gastem 300 milhões de dólares em Itália sem garantir a segurança adequada. combater o tráfico de pessoas.”