Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

La Gaia Scienza traz a “Revolução das Coisas” de Maiakovski para o palco. Eventos de Ravenna

Quarenta e cinco anos, mas não os mostra: Rebelião das coisas, inspirada na escrita homônima de Maiakovski e na primeira obra de Giorgio Barberio Corsetti, Marco Solari e Alessandra Fanzi – ou La Gaia Senza – continua sendo um show fascinante que impressionou instantaneamente os espectadores e os críticos por sua relação entre poesia e revolução, a vanguarda histórica e a arte contemporânea. O Festival de Ravenna acolhe um rearranjo como parte do RIC.CI – Projeto Coreográfico Italiano Contemporâneo: sexta-feira, 11 de junho, 21h30 no Teatro Alighieri, a obra realmente encontrará novos corpos nos três jovens artistas de Fattore K (Dario) Caccuri e Zoe Zolferino e Lorenzo Garufo) aos quais os autores movem o bastão para dar vida ao encontro entre diferentes épocas, corpos e experiências. Bilhetes: Single Seat numerado 15 €, menos de 18 € 5.

“Pareceu-nos interessante voltar àquele momento crepuscular de Nietzsche e voltar a pensar juntos – como os autores declararam numa entrevista – sobre este trabalho que para cada um de nós constituiu um ponto de partida importante e fundamental. relação de amizade, convergência de interesses e gostos, formulação de um estilo E de uma linguagem comum, tanto física como mental, para provas e para a vida, numa dimensão de grande liberdade, sem rumo. Um nem todos. O que queremos fazer é criar as condições para transmitir uma experiência, reinventar esse jogo cênico e dar a jovens atores e dançarinos coisas que eles podem transformar.

Era 24 de março de 1976 quando os três alegres meninos de Gaia Scienza se apresentaram ao público no Beat ’72 de Ulisse Benedetti, a histórica “abóbada romana” do Research Theatre, localizada na Via Gioachino Belli, logo abaixo do nível de Tepper. O espírito secreto da cultura italiana nasceu no batismo, expandindo a lista de seus heróis na brochura, de Carmelo Beni a Leo de Berardinis, de Vasilico a Carella, bem como um jovem criminoso Magazini, Marton e muitos outros. Florescendo à medida que a onda de protestos de 68 deu lugar à decepção que levaria muitos a escolhas radicais, a revolução das coisas abriu um cenário construído com violinos sem cordas, cadeiras suspensas, sobretudos, tubos que cruzavam o espaço, uma arma e um estrela vermelha, criada em colaboração com o pintor e decorador Gianni Desso. Uma verdadeira declaração estética da nova vanguarda romana onde – em uma síntese feliz de teatro, dança e artes visuais – os três autores pintam uma história de liberdade e uma utopia transformadora no mundo.

READ  Lambé de los, a edição de 2021 do Festival de Ciência, está em andamento